Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Famílias choram as mortes de pelo menos 71 em barco de imigrantes no Líbano

1
Libaneses se reúnem] para recuperar os corpos de[ parentes que morreram depois que um barco de migrantes afundou na costa da Síria,]em Arida, Líbano, em 23 de setembro de 2022 . [Houssam Shbaro/ Agência Anadolu]

Pelo menos 71 pessoas morreram quando o barco migrante em que estavam a bordo afundou na costa síria depois de sair do Líbano no início desta semana. A informação foi dada pelo ministro dos Transportes libanês, enquanto as operações de busca continuavam na sexta-feira, conforme noticiou a Reuters.

Foi a viagem mais mortal até agora do Líbano, onde o crescente desespero econômico levou muitos a embarcar em barcos muitas vezes frágeis e superlotados na esperança de chegar à Europa.

As autoridades sírias começaram a encontrar corpos na costa de Tartus na tarde de quinta-feira. O Ministério dos Transportes da Síria citou sobreviventes dizendo que o barco partiu da região de Minyeh, no norte do Líbano, na terça-feira, levando de 120 a 150 pessoas a bordo, com destino à Europa.

A família de Mustafa Misto, um libanês que estava no barco com sua esposa e três filhos pequenos, recebia condolências em seu apartamento no bairro pobre de Bab Al-Ramel, na cidade de Trípoli.

“Não temos ninguém além de Deus”, gritou um parente idoso, enquanto os enlutados prestavam homenagem.

Pessoas que temiam que seus parentes estivessem entre os mortos se reuniram na fronteira com a Síria, para onde os corpos deveriam ser levados no final do dia.

O ministro libanês dos Transportes, Ali Hamiye, disse que 20 sobreviventes estão sendo tratados em hospitais sírios, a maioria deles sírios – cerca de 1 milhão de sírios vivem no Líbano como refugiados.

Palestinos que vivem em um campo de refugiados no norte disseram que várias dezenas de pessoas a bordo era de lá..

Hamiye disse que o barco era “muito pequeno” e feito de madeira, descrevendo essas travessias como uma ocorrência quase diária organizada por pessoas que não se preocupam com a segurança.

Samer Qubrusli, diretor-geral de Portos da Síria, disse que os esforços de resgate continuariam na sexta-feira.

A onda de tais viagens foi alimentada pelo colapso financeiro do Líbano nos últimos três anos – um dos piores já registrados globalmente. As taxas de pobreza dispararam entre a população de cerca de 6,5 milhões.

Chipre mobilizou equipes de busca e resgate na noite de segunda e terça-feira quando, no espaço de horas, dois navios transportando imigrantes do Líbano emitiram sinais de socorro; havia 300 em um navio, 177 no outro. Nesses casos, todos a bordo foram resgatados, disse o Centro de Coordenação de Resgate Conjunto da ilha.

O número de pessoas que deixaram ou tentaram sair do Líbano por mar quase dobrou em 2021 em relação a 2020, disse a Agência das Nações Unidas para Refugiados à Reuters no início deste mês.

Ele subiu novamente, mais de 70% em 2022, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Em abril, um barco migrante que partiu de perto de Trípoli afundou durante uma interceptação da Marinha libanesa na costa.

Cerca de 80 imigrantes libaneses, sírios e palestinos estavam a bordo, dos quais cerca de 40 foram resgatados, sete foram confirmados mortos e cerca de 30 continuam oficialmente desaparecidos.

LEIA: Naufrágio em águas sírias deixa 34 refugiados mortos, catorze sobrevivem

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments