Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Emissora alemã DW adota compromisso com Israel em código de conduta

Placa com o logotipo da emissora internacional alemã Deutsche Welle (DW) em sua sede em Bonn, oeste da Alemanha, em 8 de fevereiro de 2022 [Ina Fassbebder/AFP via Getty Images]

A emissora internacional da Alemanha, Deutsche Welle (DW) adotou um novo código de conduta que ameaça demissão de funcionários se eles questionarem o direito de existência de Israel. O Estado de ocupação é mencionado duas vezes ao se referir aos compromissos da empresa contra o racismo e o antissemitismo. Nenhum outro país, grupo político ou nacional é mencionado da mesma forma que o Estado do Apartheid.

Em seu código de conduta, a DW diz que defende “liberdade, democracia e direitos humanos”, que descreve como sendo uma “pedra angular de nossa mensagem e perfil jornalístico e de desenvolvimento”. Promovendo-se como uma organização progressista, a emissora acrescenta: “Defendemos os valores da liberdade e, onde quer que estejamos, tomamos posições independentes e claras, especialmente contra todo e qualquer tipo de discriminação, incluindo sexismo, racismo e antissemitismo”.

Explicando sua razão para conceder a Israel um status de proteção especial e privilegiado não mostrado a mais ninguém, DW diz: “Devido à história da Alemanha, temos uma obrigação especial para com Israel”, e afirma que “a responsabilidade histórica da Alemanha pelo Holocausto também é uma razão pelo qual apoiamos o direito de Israel existir.”

A intolerância a qualquer crítica a Israel no código de conduta da DW provocou um debate sobre a contradição entre o compromisso da emissora com os valores universais e o que ela chama de “sua obrigação especial para com Israel”. Com um consenso quase universal entre os principais grupos de direitos humanos de que Israel está praticando o crime de apartheid, não está claro como a DW ou a Alemanha podem manter seu compromisso com a democracia e os direitos humanos enquanto concedem proteção especial a Israel.

LEIA: Demissão de jornalista difamada como ‘antissemita’ é ilegal, determina Alemanha

“De um modo geral, é claro que a Alemanha tem uma responsabilidade específica para com o povo judeu”, disse Sinthujan Varatharajah, um pesquisador independente e ensaísta baseado em Berlim, na revista +972. “Como não poderia, considerando a Shoah com a qual  se comprometeu avidamente? Mas o compromisso da Alemanha tem que ser com os direitos humanos – isto é, os direitos humanos de todos, e não os direitos de um grupo seletivo.”

Aos olhos de Varatharajah, a Alemanha “não tem o direito de apoiar os abusos dos direitos humanos de outro estado para se livrar moralmente da culpa que carrega por seu passado violento. ‘. É a política de Estado.” Isso, diz Varatharajah, não é nenhuma surpresa. “É um reflexo da retórica e das práticas políticas do Estado alemão contemporâneo, algo que vemos acontecendo no Bundestag, na polícia, até no Instituto Goethe. DW não é diferente.”

A medida em que a DW e a Alemanha em geral não conseguiram conciliar a preservação dos valores universais e a manutenção do apoio a Israel, isso foi vividamente destacado por casos recentes de demissão. A jornalista palestina Farah Maraqa ganhou um processo contra a demissão injusta pela DW sete meses depois de ter sido suspensa pela rede de mídia alemã por alegações de antissemitismo. Um tribunal alemão decidiu que sua demissão por acusações de antissemitismo foi “legalmente injustificada”.

Em julho, a DW perdeu outra batalha legal em um tribunal trabalhista alemão pela demissão do jornalista palestino Maram Salim. Um Tribunal do Trabalho de Bonn decidiu que sua rescisão de contrato de trabalho na Deutsche Welle era inválida, ilegal e que suas postagens no Facebook não eram antissemitas.

A DW não só confundiu a crítica a Israel com o antissemitismo, como mostram os dois casos, mas também o fato de que, em uma escolha entre defender a liberdade de expressão, os direitos humanos e a democracia de um lado e a defesa de Israel do outro, a emissora alemã prioriza seu apoio ao Estado do Apartheid sobre sua pretensão de defender valores universais.

Categorias
AlemanhaEuropa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments