Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Candidato britânico descreve Jerusalém como ‘capital histórica’ de Israel

1
Rishi Sunak, ex-chanceler do Tesouro do Reino Unido, em frente à sede do governo em Londres, 23 de junho de 2021 [David Cliff/Anadolu Agency]

Rishi Sunak – candidato à liderança do Partido Conservador do Reino Unido – observou nesta segunda-feira (15) que há “pontos bastante favoráveis” para transferir a embaixada britânica em Israel de Tel Aviv a Jerusalém, a fim de reconhecer a cidade santa como “capital histórica” do estado ocupante.

Seus comentários foram feitos durante um debate com membros do grupo de lobby sionista Conservadores Amigos de Israel.

Segundo a rede Jewish Chronicle, Sunak insistiu ao público considerar Jerusalém como “capital indivisível” do estado israelense e sugeriu reconhecê-la como tal, caso substitua Boris Johnson como Primeiro-Ministro do Reino Unido.

Não obstante, Sunak advertiu seus ouvintes de que não fora Secretário de Relações Exteriores até então e que, portanto, permanece alheio aos “detalhes” da questão.

O grupo de lobby pressionou Sunak a emitir um compromisso em nome do Partido Conservador para aprovar leis contrárias ao movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS).

Sunak respondeu ao defender seu histórico como ministro, sobretudo em 2018, quando o governo agiu para impedir políticas de investimento supostamente contrárias aos valores britânicos, incluindo o BDS.

O projeto de lei sobre sanções e BDS – introduzido por políticos conservadores – busca impedir autoridades locais de “adotar sua própria abordagem nas relações internacionais”. Na ocasião, o Tory comprometeu-se via manifesto em proteger Israel do BDS – protesto pacífico e legítimo contra a ocupação militar e o apartheid na Palestina.

LEIA: BBC é denunciada por ignorar o caráter ilegal dos assentamentos de Israel

“Como premiê, devemos garantir a aprovação da lei contra o BDS”, prometeu Sunak. “É um manifesto, um compromisso, e não deveria haver qualquer controvérsia. Gostaria de acabar com isso e fazê-lo o mais rápido possível”.

O candidato também criticou as denúncias da Anistia Internacional de que Israel impõe apartheid contra os palestinos.

“Essa é uma organização que se perdeu no caminho porque foi infectada por uma ideologia perigosíssima de esquerda, que devemos expurgar”, ameaçou Sunak.

Em resposta, Allan Hogarth – chefe de assuntos públicos da Anistia no Reino Unido – afirmou: “Rishi Sunak está errado. Não há ‘esquerdismo’ em algum pedir o fim do apartheid israelense ou pressionar o exército ucraniano a evitar baixas civis”.

“Nenhum governo está acima do escrutínio”, acrescentou Hogarth. “Pedimos a Rishi Sunak que leia bem nossos documentos, incluindo nossos relatórios sobre os crimes de guerra conduzidos pela Rússia na Ucrânia e os numerosas violações de direitos humanos de grupos armados e das autoridades palestinas”.

A Anistia está entre as organizações que denunciaram recentemente o sistema de apartheid israelense, junto do Human Rights Watch e da ong israelense B’Tselem.

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments