Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Enquanto Israel matava civis em Gaza, o mundo hipócrita assistia

Destruição deixada por ataque israelense a Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em 7 de agosto de 2022 [Mohammed Asad/ Monitor do Oriente Médio]
Destruição deixada por ataque israelense a Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em 7 de agosto de 2022 [Mohammed Asad/ Monitor do Oriente Médio]

Israel lançou mais uma ofensiva militar contra os palestinos na Faixa de Gaza sitiada na sexta-feira passada. O alvo inicial era um apartamento em um prédio residencial na Cidade de Gaza. Mísseis israelenses mataram um comandante da Jihad Islâmica junto com vários outros civis.

Este ataque israelense injustificado a Gaza levou a Jihad Islâmica e outras facções palestinas a revidar. Eles dispararam foguetes contra cidades e assentamentos israelenses perto de Gaza. Israel alegou que queria impedir as facções palestinas de disparar foguetes contra alvos israelenses.

Uma rápida varredura da mídia israelense revela que escritores e analistas militares dizem que as autoridades de ocupação israelense gastaram muito tempo preparando a ofensiva do último fim de semana. A intenção era dividir e enfraquecer as facções da resistência palestina.

LEIA: Onde estava o Hamas durante o último bombardeio de Israel a Gaza?

A Faixa de Gaza não representa nenhuma ameaça estratégica à segurança de Israel; é um enclave costeiro muito pequeno que pode ser — e é — controlado e sufocado com muita facilidade. Isso vem acontecendo há dezesseis anos, com Israel e Egito impondo um bloqueio estrito por terra, ar e mar; suas agências de inteligência sabem tudo que entra ou sai.

Não foi surpresa, porém, ver Israel atacando Gaza mais uma vez em um esforço para destruir a infraestrutura e matar civis. Isso se tornou a norma. Civis inocentes são considerados dispensáveis ​​para matar uma ou duas pessoas-chave.

O que está em grande parte ausente do debate centrado no “direito de autodefesa” de Israel é o fato de que todas as formas de resistência a uma ocupação militar são legítimas sob o direito internacional. “Autodefesa” em tal situação não é vista assim. A Resolução 37/43 da ONU, de 3 de dezembro de 1982, “reafirma a legitimidade da luta dos povos pela independência, integridade territorial, unidade nacional e libertação da dominação colonial e estrangeira e da ocupação estrangeira por todos os meios disponíveis, incluindo a luta armada”.

As autoridades de ocupação israelenses se deram o poder de declarar qualquer um que resista à sua ocupação brutal como um “terrorista” que pode ser perseguido e morto extrajudicialmente; sem prisão, sem acusação e sem julgamento. Essa é a lei da selva, indigna da suposta “única democracia no Oriente Médio”. As leis e convenções internacionais concordam com essa avaliação, mas nada é feito para responsabilizar Israel; ao qual é permitido agir com impunidade.

O bombardeio de um prédio residencial de vários andares em um campo de refugiados na cidade de Rafah, no sul de Gaza, no segundo dia da ofensiva resultou na morte de pelo menos sete pessoas, incluindo um suposto comandante da Jihad Islâmica. O ataque também destruiu dezenas de outras casas.

Mesmo se concordarmos que um comandante da Jihad Islâmica era um alvo legítimo – e eu não concordo; todos merecem um julgamento justo — do que os civis mortos ou feridos eram culpados? Este foi, é claro, outro exemplo de punição coletiva por parte de Israel, que é um “crime de guerra excepcionalmente grave”.

Alguém se importa? Obviamente não. Afinal, isso não aconteceu na Ucrânia. Onde estão as sanções contra Israel – por mais de 70 anos de limpeza étnica, massacres e violações dos direitos humanos – do tipo que foram aplicadas à Rússia poucos dias após a invasão da Ucrânia em fevereiro? Os padrões duplos são óbvios. Enquanto Israel matava civis em Gaza, o mundo hipócrita apenas observava. E não pela primeira vez.

“Cada escalada de violência em Gaza vem à custa das pessoas comuns”, disse Carsten Hansen, diretor regional do Oriente Médio do Conselho Norueguês para Refugiados. “…Crianças e famílias inocentes foram apanhadas no círculo vicioso da violência desde que podem se lembrar. Muitos em Gaza ainda estão se recuperando – tanto psicologicamente quanto fisicamente – da crise de onze dias do ano passado.”

No entanto, o governo Biden em Washington, que forneceu ajuda militar e humanitária no valor de bilhões de dólares à Ucrânia, não se importa com Gaza. Em vez disso, dá ao estado de apartheid de Israel pelo menos US$ 3 bilhões em ajuda militar todos os anos. O presidente dos EUA, Joe Biden, justificou o assassinato de civis em Gaza por Israel alegando que foi em “autodefesa”.Isso mesmo, a mentira de “autodefesa” que não se sustentaria em um tribunal internacional. Naturalmente, o embaixador dos EUA em Israel ecoou as observações de Biden: “Os Estados Unidos acreditam firmemente que Israel tem o direito de se proteger”.

A secretária de Relações Exteriores britânica, Liz Truss, fez o mesmo: “O Reino Unido apoia Israel e seu direito de se defender”. Ela fez vista grossa para as crianças sendo massacradas em Gaza. “Condenamos grupos terroristas atirando em civis. Pedimos um fim rápido à violência.” Ela não viu os mísseis israelenses visando casas e infraestrutura civil, incluindo hospitais e até cemitérios.

A Europa permaneceu em grande parte em silêncio diante do sangue palestino derramado indiscriminadamente por Israel. Era como se nada estivesse acontecendo em Gaza. Os europeus estão tão acostumados assim a ver palestinos sendo massacrados por Israel simplesmente por rejeitar a ocupação sionista de sua terra?

“A União Européia acompanha com grande preocupação os últimos acontecimentos dentro e ao redor de Gaza”, disse o bloco. “Embora Israel tenha o direito de proteger sua população civil, tudo deve ser feito para evitar um conflito mais amplo, que afetaria, em primeiro lugar, as populações civis de ambos os lados e resultaria em mais baixas e mais sofrimento.” Leia nas entrelinhas e a mensagem é clara: Israel pode fazer o que quiser porque não vamos impedi-lo nem puni-lo mais tarde. Para a UE, o assassinato de 10 a 20 palestinos por dia era aceitável; não fazia parte de um “conflito mais amplo” que poderia – o deus secular da Europa me livre – ver israelenses sendo mortos e feridos.

LEIA: Como a América Latina reagiu ao último massacre israelense contra Gaza?

“Nem uma palavra sobre a ocupação”, comentou Akiva Eldar, correspondente político do Haaretz. “Nenhum vestígio da Faixa de Gaza ser a maior prisão do mundo, e não é uma coisa abençoada a decisão de Israel de fechar a cortina no horizonte político.”

Certamente, pensamos, o povo da Ucrânia simpatizaria com o sofrimento dos palestinos nas mãos de uma potência ocupante? De jeito nenhum.

“Como ucraniano, enquanto nosso país está sob ataque brutal de um vizinho próximo, sinto grande simpatia pelo público israelense”, tuitou o embaixador ucraniano em Israel. Ele está sentindo os ataques brutais de um agressor contra seu povo, mas expressa apoio ao agressor contra outro povo. Que hipócrita.

E os líderes árabes? Eles professam “irmandade” com os palestinos, mas ficaram calados ou emitiram uma tímida condenação dos crimes israelenses. Nenhum dos regimes de “normalização” ousou romper seus laços com o estado de ocupação. Nem eles prometeram um centavo para as vítimas de seu novo melhor amigo. Apenas a Sociedade do Crescente Vermelho do Catar prometeu ajuda humanitária.

O consenso não tão oculto na comunidade internacional parece ser que o povo palestino deve ser erradicado para permitir que a ocupação colonial de Israel tome conta de toda a Palestina histórica: o Grande Israel é o objetivo do sionismo e nada deve ficar em seu caminho. Aqueles estados que levantam suas vozes em apoio aos palestinos, mas não agem contra o estado de ocupação, estão agravando sua hipocrisia. Vergonha alheia.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUcrâniaUE
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments