Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Onde estava o Hamas durante o último bombardeio de Israel a Gaza?

Fumaça e chamas aumentam ao redor da área como resultado de ataques aéreos israelenses em Gaza, em 7 de agosto de 2022 [Abed Rahim Khatib/Agência Anadolu]
Fumaça e chamas aumentam ao redor da área como resultado de ataques aéreos israelenses em Gaza, em 7 de agosto de 2022 [Abed Rahim Khatib/Agência Anadolu]

Israel lançou uma ofensiva em larga escala contra os palestinos na Faixa de Gaza sitiada na tarde de sexta-feira. Seu alvo declarado era o comandante sênior da Jihad Islâmica Tayseer Al-Jaabari em seu apartamento em um prédio residencial na área de Al-Remal, na cidade de Gaza. Ele foi morto junto com vários civis, incluindo Alaa Qaddoum, de cinco anos, e seu pai, que moravam no apartamento ao lado de Al-Jaabari. As autoridades de ocupação israelenses alegaram ter realizado um ataque preventivo para impedir os ataques contra Israel planejados por Al-Jaabari.

A agressão israelense provocou uma resposta da Jihad Islâmica, que disparou foguetes contra assentamentos israelenses e cidades próximas à Faixa de Gaza. Facções palestinas menores também dispararam foguetes contra o estado de ocupação, mas o principal e maior movimento de resistência palestina, o Hamas, não alegou ter disparado nada, apesar do bombardeio israelense ter sido intenso e mortal.

Por que o Hamas assumiu essa posição e onde estava durante a última ofensiva israelense? Quando as autoridades israelenses alegaram pela primeira vez que a Jihad Islâmica estava planejando ataques, disseram que culpariam o Hamas, que comanda o governo de fato na Faixa de Gaza, pelos foguetes disparados do enclave costeiro. Os israelenses então mudaram de posição e disseram que não tinham nada a ver com o Hamas.

LEIA: Oficial islâmico da Arábia Saudita denuncia violações em Jerusalém, ignora Gaza

Essa mudança surpreendente sugere que a campanha de bombardeio israelense teve menos a ver com segurança e mais a ver com as próximas eleições gerais. O primeiro-ministro israelense Yair Lapid afirmou que a Jihad Islâmica planejava realizar ataques em retaliação à detenção de sua figura sênior na semana passada em Jenin, Bassam Al-Saadi. Ministros e autoridades ecoaram sua afirmação, mas o renomado jornalista israelense Gideon Levy disse à Al Jazeera que suspeitava que tudo tinha a ver com a eleição.

“Qualquer primeiro-ministro precisa provar a si mesmo, especialmente se ele vem da centro-esquerda em Israel”, explicou. “E nós temos um novo primeiro-ministro, e ele quer mostrar que é macho como todos os ex-primeiros-ministros. Todas essas são desculpas muito ruins para ir para outra rodada em Gaza.”

Segundo o jornalista israelense Meron Rapoport, “uma possibilidade é que Lapid queira estabelecer sua posição como primeiro-ministro ‘forte’, menos de três meses antes das eleições gerais, enquanto o bloco [de oposição] Benjamin Netanyahu está ganhando força nas pesquisas. ”

Um membro palestino do parlamento israelense, Sami Abu Shehadeh, disse ao Middle East Eye: Este novo crime de guerra é parte de uma campanha eleitoral imoral para mostrar que eles podem ser tão criminosos quanto Benjamin Netanyahu.”

Essa foi uma das razões pelas quais o Hamas não respondeu a essa rodada de violência israelense. Reconheceu o fator eleitoral e acreditou que seu envolvimento ampliaria a ofensiva. O movimento optou por negar qualquer influência eleitoral a Lapid às custas do sangue palestino.

Além disso, o Hamas sabia que Israel estava bem preparado para a ofensiva, tendo coberto todos os caminhos pelos quais a resistência palestina poderia ter obtido algum ganho. Mobilizou 25.000 reservistas, tanques entrincheirados e artilharia para que não fossem alvos faceis dos grupos de resistência palestinos e colocou a comunidade de colonos israelenses perto da fronteira nominal com Gaza em locais seguros. Depois de avaliar a situação de uma perspectiva militar, o Hamas decidiu que não ganharia nada com o envolvimento.

LEIA: BBC é denunciada por ignorar o caráter ilegal dos assentamentos de Israel

Os israelenses então criaram uma hipótese para essa ofensiva e a vincularam aos “ataques planejados” em resposta à detenção de Al-Saadi na semana passada. A liderança da Jihad Islâmica no exílio queria responder de Gaza, mas o Hamas e outras facções palestinas, incluindo a Jihad Islâmica em Gaza, discordaram. Eles queriam que a resposta fosse da Cisjordânia, onde Al-Saadi vive e foi detido, para que isso desencadeasse um confronto mais amplo com as autoridades de ocupação, a fim de impedir suas violações diárias dos direitos, casas e fazendas palestinas. Tal resposta também poderia deter ataques ilegais de colonos israelenses apoiados pelo Estado contra os palestinos e suas propriedades.

No entanto, quando o estado de ocupação declarou sua ofensiva em Gaza e a chamou de “Amanhecer”, o Hamas não ficou em silêncio. Ele explorou o plano israelense de “dividir para reinar” e executou a resposta nos bastidores.

Para não prejudicar sua reputação, Lapid não queria ver sacos de cadáveres voltando para Israel, o que prejudicaria sua campanha eleitoral. É por isso que ele fez o possível para fazer o confronto apenas com a Jihad Islâmica, sabendo de sua capacidade limitada de infligir danos ao exército e ao povo israelense. Ele esqueceu, porém, que a maioria dos palestinos, apesar de suas diferenças políticas e religiosas, está realmente unida.

Forças de Israel realizam ataque em Gaza - Charge  [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Forças de Israel realizam ataque em Gaza – Charge  [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

De acordo com o Yedioth Ahronoth, Israel conseguiu impor uma política de “dividir para reinar”, pois manteve o Hamas “neutro” durante a ofensiva, mas Amos Harel, do Haaretz, disse que “o Hamas decidirá a duração e a intensidade do conflito…Se este não terminar logo, as coisas podem sair do controle e Lapid pode se tornar outro Olmert.” Esta foi uma referência ao ex-primeiro-ministro Ehud Olmert, que estava no cargo durante a guerra de 2008/9 em Gaza.

O correspondente militar do Yedioth Ahronoth, Yoav Zeitoun, disse que Israel enfrentou um dilema quando decidiu neutralizar o Hamas, porque o Estado estava envolvido em uma batalha em Gaza sem conhecer as mãos que revidaram. “As táticas militares em Gaza provaram que havia um poder militar se movendo no escuro”, acrescentou.

Israel cometeu um grande erro ao excluir o Hamas da batalha, disse o analista militar Gal Burger. “O Hamas investiu nesse erro e liderou a batalha a portas fechadas”, explicou. “Todos eles [as facções] contra-atacaram em nome da Jihad Islâmica. Yair Lapid é a razão para isso.”

Durante a ofensiva, o Hamas disse claramente que apoiava a Jihad Islâmica em sua resposta à agressão israelense. A própria Jihad Islâmica disse que era a Sala de Operações Conjuntas formada pelas alas militares de todas as facções palestinas que comandavam a batalha.

Acho que as grandes baterias de foguetes de longo alcance disparados contra Israel foram lançadas pela ala militar do Hamas, as Brigadas Al-Qassam. Mesmo analistas militares israelenses disseram que essas baterias não eram da Jihad Islâmica, e eles acreditam que Lapid cometeu um erro quando o primeiro-ministro tentou “neutralizar” o Hamas.

LEIA: Após guerra de Israel contra Gaza, princesa dos Emirados compara mortes de muçulmanos ao Holocausto

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments