Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Abbas está endossando um status quo alterado após a visita de Biden

O presidente dos EUA Joe Biden (D) e o presidente palestino Mahmoud Abbas (E) realizar uma coletiva de imprensa conjunta em Belém, Cisjordânia, em 15 de julho de 2022. [Presidência Palestina - Agência Anadolu]

O balido do líder da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, durante a visita do presidente dos EUA, Joe Biden, a Israel e à Cisjordânia ocupada, obviamente, não conseguiu nada além de consolidar sua subjugação ao colonialismo israelense. “Nossa confiança em você e em seu governo é muito grande”, disse Abbas a Biden. “E garantimos nossa prontidão para trabalhar com você, de mãos dadas, a fim de alcançar uma paz abrangente e justa baseada na legitimidade internacional e na Iniciativa de Paz Árabe e nos acordos assinados entre nós e Israel.”

Por sua vez, Biden pode estar jogando com os escassos pedidos de funcionários da AP quando disse que “deve haver um horizonte político que o povo palestino possa realmente ver ou pelo menos sentir. Não podemos permitir que a desesperança roube o futuro que tantos trabalharam por tanto tempo.”

Se o futuro já foi definido pelo Plano de Partilha da ONU de 1947, de que futuro Biden está falando? A enxurrada constante de conversas sem sentido que não prometem nada aos palestinos em termos de política e direitos precisa parar. Se a AP fosse realmente representativa da Palestina e do povo palestino, teria encontrado maneiras de pelo menos contrariar o discurso de Biden.

Ecoando os lamentos perpétuos de Israel, o presidente dos EUA disse que “o terreno não está maduro neste momento para reiniciar as negociações”. Referindo-se aos Acordos de Abraão, ele declarou: “Podemos aproveitar esse mesmo impulso para revigorar o processo de paz entre o povo palestino e os israelenses”.

LEIA: Biden, o sionista

Ninguém acredita em Biden, é claro, nem mesmo Abbas. Mas que melhor maneira para a AP existir em tempo emprestado do que elogiar o perpetrador da apropriação de terras colonial e seu cúmplice internacional?

Primeira visita de Biden ao Oriente Médio – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

“A melhor maneira de alimentar a chama da esperança é demonstrar que as coisas podem ser melhores”, disse Biden a Abbas, lembrando que seu governo retomou a ajuda humanitária aos palestinos. Pergunte ao povo palestino se a chama da esperança na retórica EUA-AP significa algo além de capitulação às demandas coloniais. Há meses, eles vêm dizendo que a dependência econômica dos atores internacionais está diminuindo todas as perspectivas de autonomia política.

De conseqüência muito maior foi a reiteração de Biden de que Jerusalém é a capital de Israel, afirmando mais uma vez que seu governo está operando sob o legado de seu antecessor, Donald Trump. A AP não está disposta a discutir ou mesmo reconhecer o fato de que, apesar da suposta adesão de Biden ao compromisso de dois estados, os Acordos de Abraham estão tendo precedência; não apenas para a administração Biden, mas também para a comunidade internacional.

Se as negociações de dois estados, por mais fúteis que certamente sejam, estão agora sendo comparadas aos Acordos de Abraão, isso significa que há até uma mudança na aparência de uma hipotética “solução” de dois estados. É claro que a versão difundida continuará sendo a de dois estados para dois povos, pressupondo uma igualdade inexistente. Mas se os Acordos de Abraham estão determinando a fachada e a farsa de qualquer negociação, a AP faria bem em pensar em como está endossando um status quo que mudou drasticamente de um paradigma extinto para um que pode ser manipulado para atender aos atuais interesses do apartheid do estado sionista, colonizador-colonial.

LEIA: Biden provou que Israel é um representante dos EUA no Oriente Médio

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Ásia & AméricasBlogBlogs - PoliticsEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments