Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A AP tem décadas de fracassos diplomáticos por trás

O presidente francês Emmanuel Macron (D) e o presidente palestino Mahmoud Abbas (E) uma conferência de imprensa conjunta no Palácio do Eliseu em Paris, França, em 20 de julho de 2022 [Presidência Palestina - Agência Anadolu]

A Autoridade Palestina está gastando um tempo considerável informando os EUA de sua ambivalência em relação à política externa de Washington. Da fé cega, à confiança, ao senso de urgência porque a retórica diplomática continua sem explicação, o líder da AP Mahmoud Abbas há muito chegou a um beco sem saída construído a partir de sua própria colaboração.

Poucos dias após o discurso condescendente do presidente dos EUA, Joe Biden, durante sua visita à Cisjordânia ocupada, Abbas se encontrou com o presidente francês Emmanuel Macron em Paris. Ele não apresentou nada além de uma lista de verificação do que a AP se comprometeu e do que a UE deveria fazer; e expressou “gratidão à UE e aos Estados Membros por seu papel importante e persistente na criação de estabilidade e paz e na melhoria das condições econômicas do povo palestino”. Com uma abordagem tão abrangente que não deixa espaço para qualquer negociação palestina de termos, Abbas condenou bem e verdadeiramente seu povo a sofrimento adicional em nome de doações financeiras e ajuda humanitária. E a que “estabilidade e paz” ele se referia? Tente dizer isso ao povo de Jenin; à família de Shireen Abu Akleh; e às famílias que estão sendo despejadas de suas casas na Jerusalém ocupada.

É incrível que os líderes da AP percam tempo e dinheiro simplesmente para acumular declarações repetitivas sobre o compromisso insincero com os direitos palestinos. O já mítico “horizonte político” tão favorecido pelos líderes da AP desde que o ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, fez algumas concessões à AP é agora uma parte importante das declarações oficiais. Macron mencionou duas vezes: “trabalharemos com todas as partes para abrir um horizonte político crível e estamos prontos para retomar esse processo e mobilizar a comunidade internacional para encontrar uma solução que leve a uma paz justa e duradoura”, disse durante uma conferência de imprensa conjunta com Abbas.

LEIA: Abbas está endossando um status quo alterado após a visita de Biden

Visita de Biden ao Oriente Médio: uma viagem de lobby fracassada para Israel, não para os Estados Unidos

A credibilidade do horizonte político não deve ser questionada. “Sabemos que esta situação já se arrasta há várias décadas”, salientou o presidente francês, “e, de minha parte, acho que há um horizonte político, e devemos aproveitar todas as oportunidades para encontrar a capacidade de progredir .” Ele sabe muito bem, é claro, que tal horizonte não existe, e nunca existiu. A menos, isto é, que ele possa encontrar um entre a destruição causada pelo sistema colonial do apartheid. Isso serviria para Israel na medida em que está roubando dos palestinos diariamente.

O foco de Macron era estender o paradigma humanitário dentro do contexto do extinto compromisso de dois Estados. Não muito diferente de Biden, cujo foco em melhorar os cuidados de saúde por meio de programas da Usaid, garantir a segurança alimentar e o crescimento econômico ostensivamente palestino, isso está eclipsando a urgência de abordar as repercussões de décadas do colonialismo de colonos e da colaboração internacional, tornando a população palestina inteiramente dependente de ajuda. É desumano transformar os legítimos direitos humanos e políticos palestinos em um projeto humanitário simplesmente porque é mais palatável para a comunidade internacional do que enfrentar o empreendimento colonial que a ONU ajudou a criar e sustentar.

Embora Israel prefira desviar a atenção de sua estrutura colonial para evitar prejudicar sua máquina de relações públicas, não faz segredo de sua apropriação de terras colonial. Dado que Israel é descaradamente aberto sobre suas metas e objetivos – a ocupação de toda a Palestina histórica – a comunidade internacional deve ser igualmente inflexível sobre a descolonização, assim como a AP. No entanto, quando o colonialismo é expresso por um eufemismo como “razões políticas profundas” por pessoas como Macron, Abbas teria feito melhor se parasse seus elogios e apelos inúteis para abordar a lista de décadas de fracassos diplomáticos da AP. ..

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Ásia & AméricasBlogBlogs - PoliticsEstados UnidosEuropa & RússiaFrançaIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments