Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A visita de Biden coloca os interesses dos EUA e de Israel à frente dos direitos legítimos dos palestinos e da segurança

\ Presidente dos EUA Joe Biden em 12 de julho de 2022 em Washington, DC [Chip Somodevilla/Getty Images]

O presidente dos EUA, Joe Biden, estará visitando o Oriente Médio nos próximos dias. Ele se encontrará com a liderança sionista na Palestina ocupada, seguido de uma reunião de cortesia com o presidente palestino Mahmoud Abbas em Belém. Biden seguirá para a Arábia Saudita em um voo direto de Tel Aviv para Riad. Segundo seu artigo no Washington Post, trata-se de um movimento deliberado destinado a ajudar a alcançar um dos objetivos mais importantes da visita: a “normalização” das relações da entidade israelense com os estados regionais.

Biden concluirá sua visita com uma conferência na qual os líderes de alguns países árabes anunciarão a criação de um novo fórum de segurança que os reunirá com Israel sob os auspícios dos EUA. A esperança é que esta seja uma “OTAN” do Oriente Médio para coordenar os desenvolvimentos de segurança na região. É um passo importante no caminho para a institucionalização do estado de apartheid, que é um movimento radical contra a história e os valores regionais.

Biden visita a região após dezoito meses de má gestão política que pode levar a um retumbante revés nas eleições de meio de mandato para ele. Sua gestão dos assuntos internacionais tem sido confusa; podemos estar caminhando para uma terceira guerra mundial.

Há três objetivos principais para sua visita. Para começar, ele quer resolver a crise global do petróleo que está afetando as economias do mundo todo, inclusive a americana. O aumento dos preços e a inflação, a maior taxa em 40 anos, prenunciam uma profunda recessão econômica com tudo o que isso implica em termos de repercussões políticas e sociais. Biden, portanto, procura persuadir o governo saudita a aumentar a produção de petróleo para reduzir os preços e privar a Rússia de receitas recordes do atual alto custo do petróleo. Em tudo isso, o presidente dos EUA está voltando atrás em muitas das políticas que anunciou no início de seu mandato, especialmente aderindo aos valores democráticos, direitos humanos e boa governança.

LEIA: Israel vislumbra mercado comum com sauditas após visita de Biden

Além disso, de acordo com a visão dos EUA, o Oriente Médio precisa ser reprojetado para permitir a integração da entidade sionista e legitimar sua existência sem resolver o conflito em curso na Palestina ocupada, apesar da preferência declarada dos EUA pela solução de dois estados. Isso apresentará o estado de ocupação como líder regional em termos de segurança e assuntos militares, aparentemente sob supervisão dos EUA em compensação pelo declínio da presença física dos EUA no Oriente Médio, em detrimento do foco em outros conflitos, com China e Rússia por exemplo.

A visita de cortesia ao encontro com Abbas é uma armadilha para comprar a calma palestina em troca de promessas políticas vazias e bolsos cheios de dirhams. A conversa é que a Autoridade Palestina receberá US$ 200 milhões e aprovação para o fornecimento de telecomunicações 4G.

Biden não tem uma visão política prática em seu bolso para resolver o conflito, mesmo de acordo com a solução de dois Estados apoiada pelos EUA e a rejeição de Washington às anexações e assentamentos ilegais de Israel. O atual governo adotou a mesma visão que o antecessor de Biden, Donald Trump, incluiu no chamado “Acordo do Século”, com a “paz econômica” melhorando as condições de vida dos palestinos na prisão aberta dos sionistas. Isto é visto como uma melhoria na posição do estado de ocupação e na sua estratégia de gestão de conflitos em vez de resolução de conflitos.

Acordo do século, transferência da embaixada e as colinas de Golã — Israel mal acredita em sua sorte [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Enquanto isso, Biden vai ao encontro da liderança temporária de Israel contra a norma na relação e carrega consigo investimentos políticos com enormes perspectivas econômicas para o estado de ocupação, ajudando a quebrar o cerco imposto à entidade por décadas na região. O presidente dos EUA quer continuar com a política de normalização dos “acordos de Abraão” de Trump.

Todos os sinais sugerem que o governo Biden não conseguirá atingir nenhum de seus objetivos a médio e longo prazo, e ele não poderá salvar a si mesmo e seu partido em casa; nem conseguirá legitimar a entidade fascista do apartheid ou integrá-la plenamente na região. Não haverá consenso regional por trás das políticas de Washington, seja em sua postura em relação a Israel e Irã, nem mesmo no confronto com Rússia e China.

No nível palestino, essas últimas medidas superficiais podem prolongar um pouco a vida da Autoridade Palestina de Oslo, mas está enfrentando uma rejeição popular sem precedentes. A AP e sua base política e legal – os “Acordos de Oslo” – sobreviveram aos seus propósitos, mortos por políticas sionistas apoiadas pelos EUA. Os palestinos conhecem a extensão da destruição e as políticas labirínticas que Oslo nos trouxe e não permitirão que essa farsa continue. Eles vão aderir aos seus direitos legítimos e vão insistir em realizar seus sonhos de liberdade, independência e retorno, não importa quanto tempo leve, por todos os meios, incluindo a resistência armada legítima.

O povo palestino leu bem sua história e estendeu a mão para a justiça e a paz com base em direitos legítimos, mas esse gesto foi recebido com racismo e brutalidade sem precedentes, impostos com cobertura e apoio internacional, especialmente dos EUA. Nosso povo começou sua resistência ao projeto sionista mais de cem anos antes do estabelecimento da entidade de ocupação, e está pronto para continuar essa resistência por mais cem anos até o fim do sionismo e o estabelecimento de um estado palestino independente com Jerusalém como seu capital.

Uma “OTAN” do Oriente Médio terá como objetivo integrar a entidade do apartheid e legitimar sua existência. É uma expressão de pensamento estratégico superficial e ignorância da natureza da região. É provável que enfrente enormes desafios que, inevitavelmente, a farão fracassar mais cedo ou mais tarde, assim como outras entidades políticas e econômicas regionais o fizeram no passado. Todas falharam em alcançar seus objetivos, apesar de seu grande potencial de sucesso, porque nunca se basearam no livre arbítrio do povo. Em vez disso, como com esta nova “OTAN”, eles existiram para defender os interesses de regimes e políticas impopulares que são inconsistentes com a história e a cultura regionais.

LEIA: Parentes de prisioneiros na Arábia Saudita e Egito pedem ajuda a Biden

Gostemos ou não, países regionais não árabes, como Irã e Turquia, permanecerão no centro do Oriente Médio. O que eles compartilham em comum com outros países regionais é grande demais para ser prejudicado por tais esquemas impostos pelos sionistas. O apartheid de  Israel contribuiu diretamente para o enfraquecimento da região e permanecerá alheio ao seu  DNA.

O verdadeiro problema não está na política dos EUA ou nas ambições sionistas, mas sim no fato de que existem regimes no Oriente Médio que desejam formar alianças com uma entidade que há décadas não poupou esforços para desestabilizar a região e continua ocupando países e territórios árabes. Como os países regionais podem permitir o estabelecimento de bases militares israelenses em suas terras para ameaçar seus vizinhos árabes e muçulmanos? As preocupações com as políticas regionais, por exemplo, do Irã, são uma pista falsa; a conclusão é que o Irã é um vizinho com o qual todos compartilhamos interesses estratégicos. Isso não será alterado por alianças artificiais destinadas a desperdiçar energia e recursos regionais em batalhas inúteis.

Além do mais, como a entidade sionista pode trazer estabilidade para a região quando não pode nem mesmo produzir um governo estável próprio? O extremismo de extrema-direita é uma doença que levou Israel a uma quinta eleição geral em menos de quatro anos, e tudo indica que levará a uma sexta logo depois.

Além disso, apesar do apoio dos EUA em todos os níveis, incluindo “ajuda militar” de US$ 3 bilhões por ano, o estado de ocupação do apartheid foi pego de surpresa pelos palestinos,  em grande parte civis, em todas as suas terras ocupadas e durante a histórica Batalha do Espada de Jerusalém no ano passado. As cidades e assentamentos israelenses não podiam ser protegidos de foguetes de resistência fabricados localmente, apesar da tecnologia avançada à disposição da ocupação. Como pode uma entidade tão artificial baseada em fundamentos frágeis e alheia ao seu entorno ser capaz de proteger os outros?

A única solução para nossa região é o diálogo estratégico para construir um consenso para orientá-la em direção a um futuro melhor de unidade, independência, prosperidade e libertação da Palestina. O desmantelamento da entidade de ocupação é essencial, não só porque é usurpadora de terras e direitos palestinos, mas também porque é um agente do colonialismo ocidental destinado a sabotar e desestabilizar a região.

LEIA: Expansão colonial na Cisjordânia testa posição de Biden às vésperas de sua viagem à região

Os líderes do Oriente Médio que desejam que a região tenha um futuro vibrante e viável devem formar uma sólida aliança política para enfrentar o projeto colonizador e seus interesses estratégicos. Os EUA e seu protegido não desistirão do projeto se souberem que não há resistência sólida, coerente e estendida em toda a região que possa drenar suas capacidades e colocar seus interesses em risco. Houve uma série de exemplos para aprender na história recente, do Vietnã à Somália e do Iraque ao Afeganistão. Nesse contexto, tal aliança regional de resistência pode ser fortalecida por relações abertas e estratégicas com potências internacionais emergentes, particularmente Rússia e China.

A liderança oficial palestina falhou repetidamente em tomar medidas sérias para reformar o sistema político local para que ele expresse a vontade do povo e represente a todos. Continua fazendo apostas políticas e apostando em partidos que nunca prestaram atenção aos direitos legítimos do povo palestino e não os priorizam. As forças políticas e civis palestinas não devem demorar para formar uma frente de salvação nacional para corrigir o curso da nação e reformar o sistema de uma maneira que sirva ao nosso projeto nacional e às aspirações justas de nosso povo. Continuamos certos da justiça de nossa causa e da inevitabilidade da vitória, do retorno dos refugiados e do fim da entidade sionista.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioOTANPalestinaRússia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments