Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Julian Assange recorre da ordem de extradição do Reino Unido para os EUA

Apoiadores de Julian Assange protestam do lado de fora do Tribunal de Magistrados da Cidade de Westminster em Londres, Inglaterra, em 20 de abril de 2022 [Raşid Necati Aslım/Agência Anadolu]

O cofundador do WikiLeaks, Julian Assange, recorreu da decisão do Ministério do Interior do Reino Unido de extraditá-lo para os EUA por acusações de espionagem, informou a Agência de Notícias Anadolu.

A decisão de Assange desencadeará uma nova batalha entre sua equipe jurídica e o Ministério do Interior, que pode levar meses até que uma decisão final seja tomada.

Gareth Pierce, da equipe jurídica de Assange, disse que apresentou na quinta-feira dois recursos ao Supremo Tribunal do Reino Unido para combater sua extradição.

O prazo para o recurso estava expirando na sexta-feira após a decisão do ministro do Interior, Priti Patel, de que Assange pode ser extraditado, há quinze dias.

As datas da audiência de apelação serão anunciadas pelo Tribunal posteriormente.

Enquanto isso, os apoiadores de Assange na sexta-feira se manifestaram com um ônibus vermelho icônico alugado em frente ao Ministério do Interior. Os slogans no ônibus incluíam “Jornalismo não é crime” e “Liberte Assange agora”.

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) lançou uma campanha para pedir a libertação de Assange.

“Punir Assange por expor crimes de guerra representa uma ameaça para todos os jornalistas em todo o mundo”, afirmou.

LEIA: Corte britânica emite ordem de extradição contra Julian Assange

“A FIJ está pedindo ao governo dos Estados Unidos que retire todas as acusações contra Julian Assange e permita que ele volte para casa para ficar com sua esposa e filhos”.

“A FIJ também está pedindo a todos os sindicatos da mídia, organizações de liberdade de imprensa e jornalistas que incitem os governos a trabalhar ativamente para garantir a libertação de Assange”.

Patel assinou uma ordem para extraditar Assange para os EUA em 17 de junho.

A ordem de extradição de Assange foi passada ao secretário pelos tribunais do Reino Unido em maio, confirmando que as garantias dos EUA sobre como Assange seria tratado eram suficientes para a extradição.

A ordem dizia que os tribunais do Reino Unido consideraram que a extradição não seria “incompatível com seus direitos humanos”, acrescentando que “ele será tratado adequadamente” nos EUA.

Assange enfrentará 18 acusações de hackear os computadores do governo dos EUA e violar a lei de espionagem se for extraditado para os EUA e uma possível sentença de prisão por anos.

Ele foi arrastado para fora do prédio da embaixada do Equador em Londres no ano passado, onde se refugiou por mais de sete anos.

A polícia britânica disse que ele foi preso por não cumprir sua fiança em 2012 e em nome dos EUA devido a um mandado de extradição.

Mais tarde, ele foi considerado culpado de quebrar seus termos de fiança em 2012 depois de não se entregar aos serviços de segurança pelo Tribunal de Magistrados de Westminster e receber uma pena de prisão de 50 semanas.

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaNotíciaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments