Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O que significaria um corte de gás da Argélia para a Espanha em meio ao conflito diplomático?

Mulheres saharauis de máscaras exibem bandeiras saharauis durante a manifestação de 18 de junho de 2021 em Madrid, Espanha [Isabel Infantes/Getty Imagens]

A Argélia suspendeu um tratado de amizade de 20 anos com a Espanha nesta semana e passou a limitar o comércio com seu vizinho do norte, o que levanta mais questões sobre o impacto potencial no negócio de gás de longa data entre os dois países.

A posição de Madri sobre o disputado território do Saara Ocidental – cuja independência do Marrocos é apoiada pela Argélia   ocorre no momento em que o fornecimento de gás do norte da África para a Europa se tornou cada vez mais importante este ano, à luz da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Embora o gás continue fluindo normalmente, qualquer interrupção afetaria ainda mais os mercados de energia sobrecarregados, onde os preços no atacado dispararam. A Argélia já havia alertado a Espanha em abril que poderia encerrar o fornecimento se Madri vendesse qualquer gás argelino para outros países.

Aqui estão os detalhes da relação energética entre os dois países.

O que a Argélia fez?

A associação bancária nacional da Argélia ordenou a suspensão dos pagamentos de e para a Espanha que, segundo fontes argelinas, afetando todo o comércio, exceto o fornecimento de gás. O presidente argelino, Abdelmadjid Tebboune, disse anteriormente que não quebraria os contratos de fornecimento de gás durante a disputa.

Qual a importância do gás da Argélia para a Espanha?

A Espanha importa “praticamente tudo” de sua necessidade de gás, de acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE).

A Argélia forneceu um quarto das importações de gás da Espanha no período de janeiro a abril, embora tenha caído quase meio ano antes, depois que Argel parou de usar um gasoduto que atravessa o Marrocos em outubro passado.

O gás flui através do gasoduto submarino Medgaz, no qual a estatal Sonatrach da Argélia possui 51% e o grupo espanhol Naturgy, 49%. Também chega de barco na forma de gás natural liquefeito (GNL).

Os Estados Unidos foram o maior fornecedor de gás da Espanha nos primeiros quatro meses do ano, à frente da Argélia e da Nigéria.

As centrais de ciclo combinado a gás e a cogeração produziram cerca de 27 por cento da eletricidade gerada em Espanha entre janeiro e abril, segundo dados do operador da rede, Redeia.

Que empresas espanholas têm relações com a Sonatrach?

A Naturgy tem contratos de fornecimento de longo prazo com a Sonatrach. Quando estes foram renovados em 2018, cobriam 30% do consumo da Espanha. A dupla concordou em alterar os contratos em 2020 depois que a pandemia do covid-19 destruiu a demanda globalmente, mas não divulgou os novos termos.

Outro produtor espanhol, a Repsol, tem participações em quatro projetos de petróleo e gás na Argélia. Opera os campos de gás Reggane Nord, que têm capacidade total de 8 milhões de metros cúbicos por dia, ao lado de Sonatrach e Wintershall DEA.

A Cepsa, uma refinaria espanhola controlada pelo fundo soberano de Abu Dhabi, tem desenvolvimentos em três campos de petróleo argelinos e um campo de gás.

O que diz o governo da Espanha?

A Ministra da Energia espanhola, Teresa Ribera, foi questionada por um entrevistador da rádio Onda Cero se ela estava confiante de que a Sonatrach continuaria a honrar seus contratos.

Ela respondeu: “As relações comerciais que existem entre a Sonatrach, que vende gás, e as empresas espanholas que compram gás são relações contratuais, comerciais e espero que permaneçam como estão”.

“Se não, seria um problema diferente, mais complexo, a ser resolvido não pela diplomacia, mas provavelmente pela arbitragem ou pelos tribunais. Por enquanto, tenho a máxima confiança”, acrescentou.

Ribera referiu-se a “um complicado processo de revisão de preços entre o distribuidor argelino e os compradores espanhóis”, acrescentando que “nada nos faz pensar que isso possa desmoronar unilateralmente por causa de uma decisão do governo argelino”.

A Sonatrach não respondeu aos pedidos de comentários da Reuters.

O que as empresas dizem?

A Naturgy diz que está “trabalhando normalmente com seu parceiro histórico da Argélia, a Sonatrach”.

O presidente-executivo, Francisco Reynes, disse ao jornal La Vanguardia na semana passada que havia contratado o fornecimento de gás com a Sonatrach até 2032, com cláusulas de revisão de preços a cada três anos.

As negociações sobre a última revisão estão em andamento desde novembro e Reynes disse que o principal executivo da Sonatrach já havia dito que os preços subiriam.

“Isso não tem nada a ver com a invasão da Ucrânia ou com o Marrocos”, disse ele ao jornal. “Chegar a um acordo no cenário atual de preços não é fácil, porque as referências mudam a cada dia.” Ninguém duvida que o gás está mais caro hoje do que há três anos.

Repsol e Cepsa não quiseram comentar sobre a restrição comercial

Artigo distribuído pela Reuters e publicado em inglês no Middle East Monitor

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArgéliaArtigoEspanhaEuropa & RússiaMarrocosOpiniãoRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments