Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Depois do Iraque, quem será o próximo a criminalizar os laços com Israel: a Argélia ou o governo houthi do Iêmen?

Um segurança iraquiano caminha do lado de fora do prédio do parlamento em Bagdá, onde uma votação para o presidente da república foi adiada indefinidamente depois que a maioria dos principais blocos políticos boicotou a sessão parlamentar em 7 de fevereiro de 2022. [Sabah Arar/AFP via Getty Images]

Na semana passada, o Parlamento do Iraque aprovou uma nova lei criminalizando a normalização com Israel, tornando-se o primeiro país árabe a banir formalmente a normalização com Israel. A moção foi descrita em um comunicado como “um verdadeiro reflexo do povo”. A medida teve reações mistas, com o Irã elogiando a decisão e Israel a condenando.

Em meio à crescente normalização dos laços com Israel na região, apoiada pelo Ocidente, dois outros estados árabes poderão em breve seguir Bagdá: Argélia e Iêmen. Isso é de se esperar, pois eles também são alguns dos países mais consistentes e firmemente pró-palestinos e, como o Iraque, a legislação também refletirá os fortes sentimentos anticoloniais de ambas as sociedades.

Argel sediará a cúpula da Liga Árabe em novembro (estava agendada para março, mas adiada após dois anos de cancelamentos relacionados à pandemia). Em dezembro, antes do evento que se aproximava, o presidente Abdelmadjid Tebboune, (que em 2019, logo após ser eleito, disse que a causa palestina é uma questão constante da política externa da Argélia) prometeu US$ 100 milhões em ajuda à Palestina, “de acordo com a história revolucionária da Argélia e o compromisso de todo o povo argelino em apoiar a justa causa palestina em todas as circunstâncias”.

Sobre a Argélia anfitriã da cúpula, Tebboune afirmou ainda que a Argélia pretende “colocar a causa palestina no centro deste importante evento”.

O governo de fato liderado pelos houthis do Iêmen, o Governo de Salvação Nacional (NSG) com sede na capital, Sana’a, também é um defensor vocal da causa palestina e resolutamente antissionista. No mês passado, o primeiro-ministro  Abdulaziz Bin Habtour sustentou que a Palestina era, e ainda é, “a questão central da Ummah muçulmana”. Ele fez os comentários antes da Conferência da Palestina do país devastado pela guerra, realizada durante o mês do Ramadã, afirmando que “por meio desta conferência, reafirmamos nossa oposição à normalização entre alguns regimes árabes e o inimigo sionista”.

Em 17 de maio, um grupo de legisladores argelinos apresentou um projeto de lei destinado a criminalizar todas as formas de normalização com o estado de ocupação, incluindo viagens e contato direto e indireto. O projeto de lei foi apresentado pelo Movimento da Sociedade para a Paz, um partido islâmico ligado à Irmandade Muçulmana que forma o maior bloco de oposição no Parlamento.

LEIA: Somente estados árabes alinhados com o Irã se oporão ao sionismo

O projeto de lei, que contém sete artigos que visam criminalizar a “normalização com a entidade sionista” deve primeiro obter a maioria (50+1) da primeira câmara do Parlamento antes de ser remetido para uma segunda câmara para aprovação final. O documento encontra-se ainda em revisão pela primeira câmara e pelo Gabinete de Iniciativas Parlamentares da Assembleia Nacional Popular.

No domingo, foi relatado que as legislaturas em Sana’a estão preparando um projeto de lei semelhante que proibirá todas as formas de normalização com Israel que usurpou terras árabes palestinas e sírias. O primeiro-ministro Habtoor foi citado por Al-Masirah dizendo: “Estamos ao lado da nação palestina e sua luta diante das ameaças israelenses ao complexo da Mesquita de Al-Aqsa e à cidade ocupada de Al-Quds”.

Habtoor acrescentou que as provocações frequentes e descaradas dentro e ao redor do complexo da Al-Aqsa são uma tentativa dos israelenses de “ilustrar seu domínio” após seus numerosos acordos de normalização com outros estados árabes.

Desde então, foi relatado na segunda-feira que o projeto de lei foi encaminhado à Comissão Especial do Parlamento para estudo e será votado após a aprovação do projeto final. O vice-presidente do Parlamento, Abdulsalam Hashoul, foi citado como tendo dito: “Queremos uma lei estrita que seja adequada ao povo iemenita e reflita a posição iemenita diante do inimigo sionista, que é o que estamos trabalhando atualmente”.

LEIA: Relembrando os Acordos de Argel

Embora nem a Argélia nem o Iêmen tenham laços diplomáticos com Tel Aviv, a pressão pela criminalização de ter relações com Israel também pode estar ligada a preocupações legítimas de segurança.

O vizinho da Argélia, Marrocos, foi um dos quatro estados árabes, juntamente com o Sudão, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, a aderir aos Acordos de Abraham mediados pelos EUA; de fato, o Reino restabeleceu os laços diplomáticos. O quarteto se junta ao Egito e à Jordânia, que têm acordos de paz de longa data e relações com Israel. Existe uma rivalidade de décadas entre os dois países do norte da África sobre a questão do disputado Saara Ocidental, que é reivindicado por Rabat, enquanto o movimento de independência saraui, a Frente Polisario, é apoiado pela Argélia.

Parte do acordo de paz entre Marrocos e Israel implicou o reconhecimento dos EUA sobre a reivindicação de soberania de Rabat sobre o Saara Ocidental, o que aumentou ainda mais as tensões com a Argélia, levando este último a romper laços com Rabat no ano passado, citando “ações hostis” de seu vizinho. Uma cooperação militar mais próxima entre Marrocos e Israel inevitavelmente levará a Argélia a criminalizar os laços com Israel, mas também a aproximará do Eixo de Resistência liderado pelo Irã, do qual Sana’a já faz parte.

Do ponto de vista do NSG, Israel já está ativo na ilha iemenita de Socotra, controlada pelos Emirados Árabes Unidos, com acusações de que está sendo usado para estabelecer uma base de espionagem na região. Relatos recentes de que a Arábia Saudita, que, juntamente com os Emirados Árabes Unidos, vem travando guerra contra o Iêmen nos últimos sete anos, busca normalizar as relações com Israel serão compreensivelmente um sério problema de segurança para Sana’a.

A Argélia e o Iêmen, portanto, têm a vontade popular e o apoio do povo que é esmagadoramente leal à causa palestina por trás de suas legislações propostas. Ambos os países serão ainda mais encorajados pelo movimento do Iraque, consolidando legalmente a política externa estabelecida em oposição e desafio contra governos árabes pró-sionistas alinhados ao Ocidente. No entanto, esses desenvolvimentos também terão uma dimensão segura e, portanto, racional e terão a propensão de polarizar a região mais ampla entre eixos de normalização e resistência.

LEIA: A próxima Intifada Palestina envolverá mais apoio do Irã

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArgéliaArtigoIêmenIraqueIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments