Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Relembrando os Acordos de Argel

O primeiro grupo libertado de funcionários da Embaixada dos EUA em Teerã realiza uma coletiva de imprensa em 18 de novembro de 1979, um dia após o aiatolá Khomeini ordenar a libertação de todas as mulheres e reféns negros dos EUA. [H. KOTILAINEN/AFP via Getty Images]

Neste dia, em 1981, foram assinados acordos entre os Estados Unidos e a nascente República Islâmica do Irã para pôr fim à crise dos reféns da embaixada em Teerã e a liberação de bens iranianos que haviam sido apreendidos por Washington. Embora os acordos tenham levado à libertação dos reféns, eles deixaram um legado duradouro no relacionamento, ou a falta dele, entre Washington e Teerã, que ainda persiste na forma de sanções impostas pelos EUA e uma postura desafiadora do governo iraniano.

O quê: Uma série de acordos, principalmente para resolver a crise dos reféns no Irã

Quando: 19 de janeiro de 1981

Onde: Argel, Argélia

O que aconteceu?

Durante o caótico rescaldo da Revolução Islâmica em 1979, revoltas populares que levaram à deposição do xá Mohamed Reza Pahlavi, um grande grupo de 300 a 500 estudantes islâmicos invadiu o complexo da Embaixada dos EUA em Teerã em 4 de novembro e prendeu 65 cidadãos reféns. Diz-se que isso ocorreu em resposta à chegada do xá aos EUA para tratamento médico nas semanas anteriores. Os estudantes exigiram sua extradição.

Nas primeiras semanas da crise, treze dos reféns foram libertados, incluindo todas as mulheres e afro-americanos por serem considerados “minorias oprimidas”. Os demais foram mantidos por 444 dias. O presidente dos EUA, Jimmy Carter, respondeu à crise impondo sanções sem precedentes ao Irã, cortando laços militares e comerciais de petróleo e congelando seus ativos. Isto foi seguido pelo rompimento das relações diplomáticas em 7 de abril de 1980.

Depois de uma missão de resgate fracassada no mesmo mês que resultou na morte de oito militares dos EUA devido a uma tempestade de areia no deserto iraniano, todos os reféns foram libertados em 20 de janeiro de 1981, momentos após o sucessor de Carter, Ronald Reagan, ter sido empossado após vitória eleitoral.

O manejo da crise dos reféns havia sido particularmente prejudicial para a campanha eleitoral de Carter. No entanto, houve uma série de negociações secretas entre os EUA e o Irã, com a Suíça e a Argélia concordando em representar os interesses de ambos os países, respectivamente. A Argélia tornou-se o principal intermediário, supervisionando o que se tornou os Acordos de Argel.

LEIA: Para onde vão os países do Magreb?

O principal resultado dos acordos foi a libertação dos reféns e o estabelecimento de um tribunal especial para resolver centenas de disputas comerciais e comerciais e o descongelamento de ativos iranianos. O tribunal ainda funciona em Haia. Em uma de suas decisões mais controversas, em 2016, concedeu ao Irã um acordo para um contrato pré-revolucionário para equipamentos militares, com juros, no valor de US$ 1,7 bilhão.

Outras disposições importantes nos acordos incluíam a concordância dos EUA em não interferir nos assuntos militares ou políticos do Irã; o compromisso dos EUA de desistir de todas as ações legais contra o Irã nos tribunais dos EUA, incluindo possíveis reclamações feitas pelos próprios reféns; e que os EUA devolveriam propriedades e bens pertencentes ao xá e sua família à República Islâmica. Este último foi apenas parcialmente cumprido devido às complexidades legais nos EUA.

O que aconteceu depois?

Em 20 de janeiro de 1981, todos os reféns norte-americanos desembarcaram em Argel, retornando ao seu país uma semana depois. Ao contrário dos termos dos acordos, os EUA não levantaram todas as sanções nem aderiram ao princípio de não interferência; o governo Reagan, por exemplo, financiou grupos de oposição iranianos exilados designados como terroristas por Teerã.

Por sua vez, o Irã continuou a apoiar e endossar a tomada de reféns e atentados contra os interesses dos EUA. Isso levou à designação dos EUA do Irã como Estado Patrocinador do Terrorismo em 1984.

O efeito geral dos Acordos de Argel favoreceu mais os EUA do que a República Islâmica, que ficou ainda mais isolada como um estado pária. A posição econômica e política vulnerável do Irã também o tornou maduro para a invasão de Saddam Hussein com a devastadora Guerra Irã-Iraque (1980-1988).

No Irã, os partidários do aiatolá Ruhollah Khomeini usaram o incidente para consolidar o poder contra os políticos mais democráticos. No entanto, apesar do enquadramento pela República Islâmica da crise e dos acordos como uma vitória sobre o “Grande Satã”, outros, incluindo o presidente Abdolhassan Bani Sadr e o ex-primeiro-ministro Mehdi Bazargan, criticaram os acordos e sentiram que o Irã não conseguiu assegurar a riqueza do Xá e recuperar todos os seus bens congelados.

Os Acordos de Argel e os eventos que levaram à sua assinatura, tanto a crise dos reféns quanto o golpe apoiado pelos EUA que levou o Xá ao poder pela segunda vez, mantiveram os EUA e o Irã em rota de colisão desde então e ajudaram a moldar a política dos EUA. sobre o Irã para sucessivos presidentes, principalmente na forma de sanções econômicas.

O Irã também usou a experiência para se tornar mais autossuficiente e desafiador no cenário internacional, com Teerã citando os Acordos de Argel frequentemente como um lembrete do acordo juridicamente vinculativo com os EUA contra interferência em seus assuntos.

LEIA: Conflito Irã-AIEA é volta à discussão antes das negociações de Viena

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArgéliaIrãNeste diaOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments