Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O regime sírio está tentando se absolver do massacre de Tadamon

Captura de cena do vídeo do massacre de Tadamon publicado pelo jornal britânico The Guardian

O vazamento de uma fita de vídeo do massacre em Tadamon, recentemente publicado pelo jornal britânico The Guardian, revelou as mentiras e falsidades das alegações do regime sírio de que não tem detidos e desaparecidos à força nas prisões sírias quando tentou lidar com as consequências desse vazamento, tendo emitido uma anistia para aqueles que alegam estar envolvidos em crimes terroristas.

O massacre do bairro de Tadamon, em Damasco, expôs o regime sírio e aquele que se dizia guardião popular palestino, que afirmou, há 40 anos, que este regime estava comprometido com essa causa e a sua defesa.  O massacre de Tadamon mostra que as vítimas foram liquidadas a sangue frio, jogadas em uma grande vala e depois tendo os corpos queimados.

Infelizmente, para o regime sírio, aquele o bairro é mantido como o resto dos bairros de Damasco que ainda não foram restaurados devido às operações militares levadas a cabo pelo regime e através das quais as casas foram derrubadas sobre seus moradores. A União Europeia continua empenhada na sua estratégia de não poder ativar operações de reconstrução na Síria, a menos que o regime adira às disposições da Resolução 2254 e trabalhe para entregar os perpetradores e os envolvidos no derramamento de sangue do povo sírio à justiça internacional. Portanto, todas as regiões e cidades sírias permaneceram destruídas, como foram contra cidadãos sírios e palestinos indefesos.

As dimensões políticas do momento do vazamento do vídeo

Não há dúvida de que o momento escolhido pelo jornal britânico Guardian para vazar um vídeo do bairro de Al-Tadamon foi cuidadosamente determinado em conjunto com as operações militares realizadas pela Rússia na Ucrânia, trabalhando para aumentar a pressão sobre os russos que buscaram empoderar o regime sírio contra a revolta popular, intensificando operações militares sistemáticas contra os sírios desde 2015 sob o pretexto de combater o terrorismo. Moscou retirou suas forças da Síria e para redistribuí-las na Ucrânia, na ocupação do Donbass e outras áreas do país. Portanto, a abordagem britânica teve como alvo o aliado russo do regime sírio e enviou mensagens nos bastidores que, assim como o “governo britânico” revelou as atrocidades do regime sírio como “o vazamento do bairro Damasco Solidário”, também sendo capaz de revelar os nomes de oficiais russos implicados em crimes de guerra contra civis sírios nos últimos períodos, e que se mudaram para a Ucrânia.

LEIA: Regime sírio detém principal suspeito do massacre de Tadamon

As repercussões políticas e jurídicas do massacre

Após o vazamento do vídeo do bairro Al-Tadamon de Damasco, grupos de advogados sírios e britânicos se ofereceram para formar comitês jurídicos e de direitos humanos que estão envolvidos no acompanhamento da investigação e no fornecimento de provas e pistas criminais relacionadas a esse crime. Pretendem chegar a um mapa claro da sequência de ordens militares emitidas desde o topo da hierarquia do regime até o menor elemento na inteligência e execução. O trabalho está em pleno andamento para formar um mecanismo judicial internacional através do qual os perpetradores serão levados ao Tribunal Penal Internacional em Haia, o que leva a indícios de que o vazamento de solidariedade abrirá a porta para outros vazamentos políticos que forçarão o regime, a responder nos termos da resolução internacional 2254 para o processo político de transição da Síria para um regime democrático.  Entre os requisitos, há uma cláusula descrita como “inegociável” sobre detidos e desaparecidos à força, sequestrados pelas milícias do regime sírio nas estradas e nos postos militares do país e no aeroporto de Damasco.  Por criticarem as autoridades do regime e exigirem mudanças, ou porque os nomes são semelhantes aos de outros cidadãos sírios, muitos foram liquidados dentro de prisões e centros de detenção militares sem julgamento.

Grupos de direitos humanos sírios também pressionaram para cancelar um simpósio do regime sírio que deveria ser realizado em 06/10/2022 (neste dia em que Hafez al-Assad morreu) em Paris.

Na Síria, são inúmeros os crimes de genocídio e massacres perpetrados pelas forças do regime desde a eclosão do movimento popular no país em 2011. As autoridades não revelam total de presos por medo de revelar os números reais de cidadãos sírios que foram mortos por essas forças, especialmente dentro de prisões e centros de detenção por meio de métodos brutais de tortura e negligência deliberada com a saúde. Isso, sem mencionar as atrocidades infligidas por essas forças aos cidadãos palestinos residentes na Síria que foram arbitrariamente presos e transferidos para a Prisão Militar de Mezzeh.  As forças da Guarda Revolucionária Iraniana e da milícia libanesa Hezbollah supervisionam esta prisão. Lançar luz sobre o sofrimento dessas pessoas revela o nível de mentiras praticadas pelo regime sírio e seus aliados, que alegam dia e noite que estão defendendo a causa palestina central, e a exploram ao máximo em fóruns internacionais em nome de seus objetivos e agendas políticas estreitas.  Mas são os primeiros a abusar dos cidadãos palestinos que buscaram refúgio na Síria.

LEIA: Guerra Rússia-Ucrânia lança nova sombra sobre a Síria

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaOpiniãoOriente MédioPalestinaReino UnidoRússiaSíriaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments