Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Orquestra israelense se apresenta perto de pirâmides do Egito no aniversário da Nakba

Uma orquestra israelense se apresentou perto das pirâmides do Egito, nos arredores do Cairo, para celebrar o Dia da Independência do Estado de ocupação [Captura de tela/Twitter]

Uma orquestra israelense se apresentou perto das pirâmides do Egito, nos arredores do Cairo, para comemorar o Dia da Independência do Estado de ocupação na semana passada. Segundo o Jerusalem Post, a Embaixada de Israel na capital egípcia organizou a apresentação de Firqat Alnoor, a primeira do grupo no Cairo em 40 anos, tocando clássicos egípcios das décadas de 1950 e 1960.

“Eventos como esses expressam a maneira como as palavras paz e estabilidade, que os diplomatas usam com tanta frequência, podem se transformar em realidade prática”, disse a embaixadora israelense Amira Oron. “Todos os dias, a equipe da Embaixada de Israel no Cairo cria mais paz.”

Em resposta, o desempenho foi descrito nas mídias sociais como uma “traição liderada pelo traiçoeiro governante egípcio [Abdel-Fattah] Al-Sisi abrindo seus portões para a ocupação israelense”. Outro crítico escreveu no Twitter: “Um jornalista israelense disse uma vez que Sisi é mais sionista que israelenses, ele não está errado”.

Após anos de conflito iniciado em 1948, o Egito foi a primeira nação árabe a negociar um acordo de paz com Israel em 1979. Depois que o Egito foi à Jordânia em 1994, em setembro de 2020, Emirados Árabes e Israel assinaram um acordo patrocinado pelos EUA para normalizar suas relações. Três outros Estados árabes – Bahrein, Marrocos e Sudão – juntaram-se aos Emirados Árabes no controverso movimento que veio a ser conhecido como os Acordos de Abraham. Desde então, os acordos de normalização atraíram amplas condenações dos palestinos, que dizem que os acordos ignoram seus direitos e não servem à causa palestina.

Enquanto isso, os palestinos da Cisjordânia ocupada e de Jerusalém estão rememorando o 74º aniversário do início da Nakba, da Catástrofe, da limpeza étnica em curso da Palestina e da criação do Estado sionista de Israel por gangues terroristas ajudadas pelas autoridades do Mandato Britânico. Mais de 750.000 palestinos foram expulsos de suas casas e aldeias sob a mira de armas. Desde então, pelo menos 500 cidades e vilarejos palestinos foram arrasados ​​por Israel no esforço de judaizar a Palestina histórica.

Com mais de 15.000 palestinos mortos durante a Nakba, os refugiados fugiram para Cisjordânia, Faixa de Gaza e países árabes vizinhos. Eles e seus descendentes nunca tiveram permissão para cumprir seu direito legítimo de retornar à sua terra.

LEIA: Mediação dos EUA pode abrir caminho para normalização saudi-israelense

Categorias
ÁfricaEgitoIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments