Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tribunal de Israel permite que colonos orem em voz alta em Al-Aqsa

Colonos israelenses escoltados por forças israelenses invadem o Complexo da Mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém, em 17 de abril de 2022 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Um tribunal de ocupação israelense emitiu ontem uma decisão preliminar permitindo aos colonos realizarem suas orações talmúdicas “em voz alta” e se ajoelharem durante a invasão dos pátios da Mesquita de Al-Aqsa.

Em sua decisão, o tribunal considerou que a execução do Shema Yisrael (que significa “Ouve, ó Israel”) em voz alta e ajoelhada no chão dentro da Mesquita de Al-Aqsa não pode ser criminalizada ou considerada uma violação da paz civil.

Em conclusão, o tribunal declarou: “Todos os residentes de Israel têm permissão para subir ao Monte do Templo e praticar seus rituais religiosos”.

A Autoridade Palestina condenou a decisão.

Em um comunicado, o Ministério das Relações Exteriores da Palestina considerou essa decisão “um golpe oficial israelense contra o status quo, mudando-o completamente, e uma declaração explícita de guerra religiosa que ameaça explodir a arena do conflito e toda a região”.

O Ministério das Relações Exteriores disse que essa decisão é “nova evidência de que o sistema judicial em Israel é parte integrante do próprio sistema de ocupação, e mais uma evidência de fornecer proteção legal e cobertura para invasões de judeus extremistas na abençoada Mesquita de Al-Aqsa, com o objetivo de consolidar sua divisão temporal até que seja dividida espacialmente”.

Salientou também que a decisão “se enquadra no retrato da sistemática escalada israelense na arena do conflito e convoca o ciclo de violência e caos para passar o maior número possível de projetos coloniais que judaize Jerusalém”.

LEIA: Extremista israelense clama por demolição do Domo da Rocha

O ministério também observou que a decisão “refuta as alegações de autoridades israelenses sobre sua vontade de manter o status quo”.

Ele disse que o governo israelense tem “responsabilidade total e direta pela decisão e suas graves consequências”, enfatizando que irá acompanhá-la com a comunidade internacional, especialmente o governo dos EUA, e exigirá intervenção imediata para interromper sua implementação, em coordenação com o Reino da Jordânia.

O Ministério das Relações Exteriores da Jordânia também condenou a decisão.

O porta-voz oficial do ministério, o embaixador Haitham Abu Al-Ful, disse em comunicado à imprensa que a decisão é nula e não tem efeito legal de acordo com o direito internacional, que não reconhece a autoridade do judiciário israelense sobre os territórios palestinos ocupados em 1967, incluindo Jerusalém Oriental. Ele também afirmou que é uma violação flagrante das resoluções internacionais relacionadas a Jerusalém, incluindo as resoluções do Conselho de Segurança, que enfatizam a necessidade de preservar o status da Cidade Santa.

Ele acrescentou que a decisão é uma grave violação da situação histórica e legal na abençoada Mesquita de Al-Aqsa.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments