Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sauditas se sentem ‘decepcionados’ com os EUA por ameaças de segurança houthis

Forças leais aos rebeldes houthis do Iêmen participam de um desfile militar que marca o sétimo aniversário da intervenção da coalizão liderada pela Arábia Saudita em seu país, na capital Sanaa, em 31 de março de 2022 [Mohammed Huwais/AFP via Getty Images]

A Arábia Saudita se sente “decepcionada” com os Estados Unidos ao lidar com ameaças de segurança ao reino e à região pelo movimento houthi do Iêmen, alinhado ao Irã, disse um membro sênior da família real saudita e ex-chefe de inteligência, relatou a Reuters.

Laços tradicionalmente fortes entre Riad e Washington foram abalados sob o presidente dos EUA, Joe Biden, pelo assassinato em 2018 do jornalista saudita Jamal Khashoggi nas mãos de agentes sauditas e pela ruinosa guerra do Iêmen em que uma coalizão liderada pela Arábia Saudita luta contra os houthis há sete anos.

“Os sauditas consideram o relacionamento estratégico, mas (sentem-se) decepcionado em um momento em que pensávamos que os Estados Unidos e a Arábia Saudita deveriam estar juntos para enfrentar o que consideraríamos uma união, não apenas irritante, mas um perigo para a estabilidade e segurança da área”, disse o príncipe Turki al-Faisal, referindo-se aos ataques de mísseis e drones houthis.

Suas observações vieram em uma entrevista em vídeo com o jornal saudita Arab News publicada na segunda-feira.

LEIA: Enviado da ONU chega a Iêmen para conversar com rebeldes houthis

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes, que contam com o guarda-chuva de segurança dos EUA, irritaram-se com o que consideram um declínio do compromisso dos EUA com sua região. O conflito na Ucrânia destacou tensões, já que os produtores da Opep do Golfo resistiram aos pedidos para ajudar a isolar a Rússia e bombear mais petróleo para controlar os preços.

“Tivemos nossos altos e baixos ao longo dos anos, e talvez neste momento seja um dos baixos, principalmente porque o presidente dos Estados Unidos disse, em sua campanha eleitoral, que faria da Arábia Saudita um pária e, claro, ele passou a praticar o que pregava”, disse o príncipe Turki.

O ex-embaixador em Washington passou a listar a decisão de Biden de encerrar o apoio dos EUA às operações ofensivas da coalizão no Iêmen, não se reunir com o governante de fato, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman e “em um estágio” retirar os sistemas antimísseis dos EUA do reino, o maior exportador de petróleo do mundo.

Nos últimos meses, os Estados Unidos aumentaram o apoio militar a Riad em uma tentativa de consertar os laços, disseram diplomatas ocidentais.

O príncipe Turki não ocupa nenhum cargo no governo agora, mas continua influente como presidente do Centro King Faisal de Pesquisa e Estudos Islâmicos.

LEIA: Turquia destrói democracia ao transferir caso Khashoggi para Arábia Saudita

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasEstados UnidosIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments