Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Manifestações no Sudão deixam um morto e 78 feridos

Protesto em Cartum, Sudão, em 8 de março de 2022 [Mahmoud Hjaj/Agência Anadolu]
Protesto em Cartum, Sudão, em 8 de março de 2022 [Mahmoud Hjaj/Agência Anadolu]

O Comitê Central de Médicos Sudaneses (CCSD, na sigla em inglês) anunciou hoje que 78 pessoas ficaram feridas durante as manifestações realizadas ontem na capital, Cartum, e na cidade de Wad Madani, no estado de Al-Jazeera.

O comitê médico não governamental afirmou, em um comunicado visto pela Agência Anadolu, que registrou 78 ferimentos, incluindo seis de balas vivas, 22 casos de ferimentos de bala espalhados, provavelmente de uma arma de tiro de pássaro, e oito ferimentos na cabeça por botijões de gás usados ​​pelas forças de segurança.

Ele explicou que os ferimentos incluíam as três cidades de Cartum: “22 casos em Cartum, seis feridos em Bahri e 44 feridos em Omdurman, a oeste da capital”; na cidade de Wad Madani, seis feridos foram registrados.

Uma pessoa foi morta em Cartum durante os protestos, anunciou ontem o CCSD. Acrescentou que responsabilizou as forças de segurança por sua morte, pois ele tinha um ferimento de bala nas costas. Isso eleva o número de mortos desde que os protestos começaram em 25 de outubro para 94. Não houve declaração oficial sobre as mortes.

Os manifestantes foram às ruas para exigir “governo civil completo” como parte de um movimento de protesto em andamento sob o slogan “terremoto de abril”.

Ontem marcou três anos desde que o Sudão testemunhou seus maiores protestos modernos contra o regime do presidente Omar Al-Bashir. Ele foi demitido em 11 de abril de 2019.

O Sudão vive em turbulência política desde 25 de outubro, quando o chefe do Exército, Abdul Fattah Al-Burhan, deu um golpe e colocou o primeiro-ministro, Abdallah Hamdok, em prisão domiciliar.

Após protestos em massa, Al-Burhan chegou a um acordo com Hamdok em novembro que o reintegraria como primeiro-ministro. No entanto, os protestos populares continuaram com alguns manifestantes dizendo que sua reintegração estava ajudando a legitimar o golpe militar.

No início de janeiro, Hamdok renunciou.

Al-Burhan disse que só vai renunciar para entregar o poder a um corpo eleito.

LEIA: Sudão bloqueia pontes para Cartum antes de protestos

Categorias
ÁfricaNotíciaSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments