Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mídia israelense diz que encontro Egito-Emirados-Israel é recado aos EUA sobre Irã

O presidente egípcio Abdel Fattah Al-Sisi (centro) se encontra com o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett (dir.), e o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohamed bin Zayed Al Nahyan (esq.), em Sharm el-Sheikh, Egito, em 22 de março de 2022 [Presidência do Egito/Agência Anadolu]

As visitas do primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, e do príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed bin Zayed, ao Egito para negociações são uma “mensagem de protesto” aos Estados Unidos, de acordo com a mídia israelense, informou a Agência Anadolu.

Na segunda-feira, o presidente egípcio, Abdel Fattah Al-Sisi, recebeu Bennett e bin Zayed na cidade turística de Sharm El-Sheikh, no Mar Vermelho.

Os três devem realizar uma cúpula tripartida na terça-feira, com discussões focadas nas negociações nucleares do Irã, segundo a mídia israelense.

As negociações ocorrem após relatos na semana passada de que Washington estava considerando remover a Guarda Revolucionária do Irã (IRGC) da lista de organizações terroristas em troca de um compromisso público de Teerã de “parar a escalada na região”.

A cúpula tripartida também busca examinar as repercussões econômicas da intervenção militar russa na Ucrânia.

Interesses comuns

Até agora, não houve nenhuma declaração oficial do Egito, de Israel ou dos Emirados Árabes sobre o conteúdo das negociações.

“A reunião abordará os interesses de segurança compartilhados pelos três países”, disse uma fonte diplomática israelense, segundo a Corporação de Radiodifusão Pública de Israel (IPBC, na sigla em inglês).

A fonte disse que tanto Israel quanto os Emirados Árabes “se opõem ao esforço dos EUA de remover o nome do IRGC da lista de organizações terroristas (para agradar) ao Irã”.

“Estamos constantemente construindo relações com os países ao nosso redor”, disse o vice-ministro das Relações Exteriores de Israel, Aidan Rule, à IPBC. “Estamos em intenso diálogo com os americanos para influenciar o acordo nuclear.”

LEIA: Assad faz visita histórica aos Emirados Árabes Unidos

A emissora israelense descreveu a reunião dos três líderes como uma “cúpula anti-iraniana”, destinada a “apoiar a frente Israel-EAU contra o Irã”.

De acordo com o Times of Israel, a cúpula trilateral “marcará o mais recente desenvolvimento dos Acordos de Abraham, que viram Israel normalizar as relações com Emirados Árabes, Bahrein e Marrocos em acordos de 2020 intermediados pelo governo Trump”.

O jornal israelense disse que o acordo nuclear iraniano estará no topo da agenda, já que tanto Cairo quanto Abu Dhabi “estão preocupados com o apoio do Irã a representantes em toda a região”.

Outros interesses compartilhados, disse a mídia israelense, incluem a tensão entre Washington, Cairo e Abu Dhabi sobre a continuação da guerra russa na Ucrânia e o aumento dos preços do trigo, e a possibilidade de aumentar a produção de petróleo pelos Emirados Árabes para reduzir os preços globais do petróleo.

Raiva contra os EUA

O jornal Israel Today descreveu a cúpula de terça-feira entre os líderes do Egito, Emirados Árabes e Israel como “o produto da raiva contra o presidente dos EUA, Joe Biden”.

Ele disse, citando uma fonte anônima do governo israelense, que a cúpula tripartida foi “planejada secretamente” alguns dias atrás.

“Oficialmente, a reunião foi planejada para anunciar a renovação dos voos entre Sharm El-Sheikh e o Aeroporto Internacional Ben Gurion”, disse a fonte. No entanto, a cúpula vem como resultado da raiva do trio em relação aos EUA pelo progresso das negociações nucleares com o Irã.

LEIA: Vidas roubadas

De acordo com a mídia israelense, Israel procura desempenhar um papel de mediador entre Abu Dhabi e Washington “para acalmar as tensões” entre os dois aliados sobre a hospedagem do presidente sírio Bashar Al-Assad pelo Estado do Golfo na semana passada.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse que Washington está “profundamente decepcionado e preocupado com essa aparente tentativa de legitimar” o líder sírio.

A visita de Al-Assad aos Emirados Árabes foi a primeira a um país árabe desde o início do conflito sírio em 2011.

O jornal Haaretz disse que Tel Aviv “está interessado em convencer os Emirados Árabes e a Arábia Saudita a aumentar sua produção de petróleo para reduzir a dependência mundial do petróleo da Rússia”, já que os dois Estados do Golfo se recusaram a ceder à pressão dos EUA para aumentar a produção de petróleo.

A mídia israelense disse que Abu Dhabi está insatisfeito com a falta de apoio dos EUA contra o ataque de rebeldes houthis alinhados ao Irã, que aumentaram seus ataques de drones e mísseis contra os Emirados Árabes e a Arábia Saudita nos últimos meses.

Crise do trigo

O Haaretz observou que Israel também está interessado em ajudar o Egito a encontrar fontes alternativas de trigo, já que o agravamento do conflito russo-ucraniano afeta a oferta da commodity. O Egito é o maior importador de trigo do mundo.

“Em outra frente econômica, Israel deseja ajudar o Egito a encontrar fontes alternativas de trigo”, disse.

“Até o início da guerra na Ucrânia, o país dependia do trigo da Ucrânia e da Rússia. Também foi prejudicado por um aumento nos preços mundiais do trigo devido à guerra.”

LEIA: Egito culpa ‘comerciantes gananciosos’ por carestia de produtos de trigo

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a Rússia e a Ucrânia são os principais produtores e exportadores mundiais de alimentos.

A Rússia é o maior exportador mundial de trigo e a Ucrânia é o quinto maior. Juntos, eles fornecem 19 por cento da oferta mundial de cevada, 14 por cento do trigo e 4 por cento do milho, representando mais de um terço das exportações globais de cereais.

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEmirados Árabes UnidosEstados UnidosIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments