Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Benefícios a Israel da guerra russa

Um protesto contra os ataques russos à Ucrânia, em Tel Aviv, em 26 de fevereiro de 2022 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Embora Israel apareça, em sua posição sobre a guerra russa na Ucrânia, como se fosse um jogador livre na escolha de uma determinada política neutra, bem como em variá-la e alterá-la algumas vezes, um olhar mais atento mostra que essa política se baseia principalmente em benefício ao Estado de ocupação, seja no horizonte previsível, seja no longo prazo. O que se pode dizer, neste momento atual, é que há benefícios nessa guerra, alguns dos quais discutiremos neste artigo, mas isso não significa que as coisas ficarão restritas às oportunidades e não resultarão em perdas.

Talvez o primeiro benefício, que está claro a partir de agora, seja o aumento da demanda, especialmente da Europa, pelos produtos das indústrias de segurança israelenses, sejam elas governamentais sejam privadas. Segundo reportagens do jornal econômico israelense TheMarker, essas indústrias estão atualmente em estado de euforia, devido à pressa do chanceler alemão, Olaf Scholz, que, na época de sua rápida visita a Israel, anunciou que seu país alocará US $ 113 bilhões do seu orçamento de 2022 para fortalecer o exército alemão. Ele também disse que o governo aumentará o orçamento de defesa alemão e gastará pelo menos 2 por cento de seu PIB a cada ano, sugerindo que esse compromisso seja adicionado à constituição alemã.

De acordo com funcionários das indústrias de segurança israelenses, o volume de solicitações recebidas por essas indústrias no período recente é insano e de toda a Europa. As solicitações são principalmente de países vizinhos da Rússia ou adjacentes ao campo de batalha, como Hungria, Bulgária, República Tcheca, Romênia, Eslováquia e Suécia, e estão interessados ​​em receber imediatamente drones, sistemas eletrônicos de combate, sistemas de controle e vigilância, além de sistemas de comunicações e armamento.

LEIA: Não há alternativa fácil ao combustível russo senão Irã, afirma Turquia

Com base no que é confirmado por uma fonte de alto escalão das indústrias de segurança israelenses, os europeus perceberam, após a guerra atual, que a fonte do perigo mudou. Suas avaliações anteriores indicaram que a ameaça à segurança mais perigosa era a China, e não levou a Rússia em consideração. Eles agora sabem que a ameaça é da China e da Rússia, e talvez de uma combinação de ambos, já que tudo o que aconteceu na Ucrânia começou após o encontro entre Putin e o presidente chinês, Xi Jinping, nas Olimpíadas de Inverno em Pequim. Desde então, a tensão foi renovada após a ameaça da China a Taiwan. Segundo a fonte, apenas esse assunto criou oportunidades sem precedentes para Israel e suas indústrias de segurança, e as possibilidades futuras são ainda mais insanas.

Equivocado é dizer que Israel não vê essa questão apenas do ponto de vista econômico, apesar da sua importância, mas também do ponto de vista da aquisição de parceiros no seu método político para a questão da Palestina e a nível regional, como é o caso com sua visão de negócios de segurança com regimes sombrios em todo o mundo.

O segundo benefício é o afluxo de judeus da Ucrânia, Rússia e Europa. Preciso reiterar aqui que Israel considera a questão demográfica uma área de grande interesse em termos de segurança nacional. No contexto demográfico, utiliza vários meios sob o pretexto de preservar sua segurança nacional, incluindo a aprovação de leis e regulamentos para garantir seu caráter judaico, entre os quais se destacam a Lei do Retorno, a Lei da Cidadania e a Lei do Estado Nacional. Outro meio que utiliza é a implementação de uma política rigorosa de vistos de entrada no país, sob a supervisão da Autoridade da População e Imigração e dos serviços de segurança.

LEIA: Israel nega pedido de Zelensky para discursar ao Knesset

Em terceiro lugar, utiliza os meios de construção de muros de separação, principalmente o muro de separação na Cisjordânia. Quarto, fortalecendo as relações com as comunidades judaicas no mundo e incentivando a imigração de judeus para Israel. Para isso, conta com dois ministérios: o Ministério da Aliá e Integração e o Ministério dos Assuntos da Diáspora, além da atividade da Agência Judaica. Soma-se a isso o fato de que o equilíbrio demográfico entre judeus e palestinos continua, do ponto de vista de Israel, sendo muito influente na questão das fronteiras permanentes de Israel, seja no contexto das negociações com os palestinos, seja na essência do discurso político israelense dirigido ao mundo.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em árabe no Felesteen, em 10 de março de 2022.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBielorrússiaEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments