Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Refugiados árabes enfrentam padrões duplos no abraço da Europa aos ucranianos

1
A família Massini da Síria, pai Muhammad (esq.), mãe Alaa (centro) e seus dois filhos são confortados pela ativista Pamela (2ª dir) do Grupa Granica (Grupo de Fronteira) enquanto aguardam transporte na floresta perto da cidade do leste da Polônia de Kleszczele, 22 de outubro de 2021. [Wojtek Radwanski/AFP via Getty Images]

O refugiado sírio, Ahmad Al-Hariri, que fugiu da guerra em seu país para o vizinho Líbano há 10 anos, passou a última década esperando em vão escapar para uma nova vida na Europa, relata a Reuters.

Observando as nações europeias abrirem os braços para centenas de milhares de ucranianos em menos de uma semana, o pai de três filhos não pode deixar de comparar seus destinos.

“Estamos nos perguntando, por que os ucranianos foram bem-vindos em todos os países enquanto nós, refugiados sírios, ainda estamos em tendas e permanecemos sob a neve, enfrentando a morte, e ninguém está olhando para nós?” ele disse à Reuters em um centro de refugiados onde 25 famílias estão abrigadas nos limites da cidade mediterrânea de Sidon.

No mundo árabe, onde 12 milhões de sírios foram desenraizados pela guerra, críticos que vão de Hariri a ativistas e cartunistas contrastam a reação ocidental à crise de refugiados desencadeada pela invasão da Ucrânia pela Rússia com a forma como a Europa procurou conter sírios e outros refugiados em 2015.

Alguns se lembraram de imagens de refugiados caminhando por dias em condições climáticas adversas, ou perdendo vidas em perigosas travessias marítimas enquanto tentavam romper as fronteiras da Europa.

Na segunda-feira, quatro dias depois de a Rússia lançar seu ataque, a União Europeia disse que pelo menos 400.000 refugiados entraram no bloco vindos da Ucrânia, que tem fronteiras terrestres com quatro estados da UE.

LEIA: Cobertura de guerra: Quando a discriminação vem à tona

Milhões mais são esperados e a UE está preparando medidas como autorizações de residência temporárias, bem como acesso ao emprego e bem-estar social – uma rápida abertura de suas portas em contraste com sua resposta às guerras na Síria e em outros lugares.

No início de 2021, 10 anos após a eclosão do conflito na Síria, os estados da UE haviam recebido 1 milhão de refugiados e requerentes de asilo sírios, dos quais a Alemanha, sozinha, recebeu mais da metade. A maioria deles chegou antes de um acordo de 2016 no qual a UE pagou bilhões de euros para a Turquia continuar hospedando 3,7 milhões de sírios.

1

Refugiados ucranianos chegam à região de Medyka, na Polônia, na fronteira com a Ucrânia, após a invasão militar russa da Ucrânia em 25 de fevereiro de 2022.[Abdulhamid Hoşbaş / Agência Anadolu]

Desta vez, as boas-vindas foram imediatas.

“Não temos aqui a onda de refugiados a que estamos acostumados e não sabemos o que fazer com pessoas com um passado obscuro”, disse o primeiro-ministro da Bulgária, Kiril Petkov, descrevendo os ucranianos como inteligentes, educados e altamente qualificados.

“São europeus cujo aeroporto acabou de ser bombardeado, que estão sob fogo”, disse ele. A Bulgária disse que vai ajudar todos que vêm da Ucrânia, onde há cerca de 250.000 búlgaros étnicos.

No ano passado, 3.800 sírios buscaram proteção na Bulgária e 1.850 receberam status de refugiados ou humanitários. Os sírios dizem que a maioria dos refugiados só passa pela Bulgária, indo em direção os estados mais ricos da UE.

LEIA: ONU admite que negros e sul-asiáticos foram alvos de racismo ao fugirem da Ucrânia

O governo da Polônia, que sofreu fortes críticas internacionais no ano passado por reprimir uma onda de imigrantes vindos da Bielorrússia, principalmente do Oriente Médio e da África, deu as boas-vindas aos que fogem da guerra na Ucrânia.

Na Hungria, que construiu uma barreira ao longo de sua fronteira sul para evitar a repetição do influxo de pessoas do Oriente Médio e da Ásia em 2015, a chegada de refugiados da vizinha Ucrânia desencadeou uma enxurrada de apoio e ofertas de transporte, acomodação de curto prazo , roupas e alimentos.

1

Cobertura da crise de refugiados na Ucrânia é ‘racista’ – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

“Relativamente Civilizado”

A Hungria e a Polônia afirmam que os refugiados do Oriente Médio que chegam às suas fronteiras já cruzaram outros países seguros que têm o dever de fornecer abrigo.

O ministro das Relações Exteriores da Hungria, Peter Szijjarto, defendeu as diferentes abordagens. “Devo rejeitar fazer comparações entre aqueles que fogem da guerra e aqueles que tentam entrar no país ilegalmente”, disse ele em uma reunião das Nações Unidas em Genebra.

As boas-vindas foram facilitadas pelo fato de a Ucrânia abrigar uma grande comunidade étnica húngara.

Laços como esses levaram alguns jornalistas ocidentais a sugerir que o desastre humanitário na Ucrânia é diferente das crises na Síria, Iraque ou Afeganistão, porque os europeus poderiam se relacionar de forma mais próxima com as vítimas.

Seus comentários provocaram uma onda de condenação nas mídias sociais, acusando o Ocidente de preconceito. Trechos das reportagens foram amplamente divulgados e fortemente criticados em toda a região.

LEIA: A Guerra da Ucrânia e a Hipocrisia Ocidental

Por exemplo, um repórter de televisão da rede americana CBS descreveu Kiev como uma cidade “relativamente civilizada, relativamente europeia”, em contraste com outras zonas de guerra. Outros disseram que a Ucrânia era diferente porque os fugitivos eram de classe média ou assistiam à Netflix.

O repórter da CBS, Charlie D’Agata, pediu desculpas, dizendo que estava tentando transmitir a escala do conflito. A CBS não respondeu imediatamente a um pedido de mais comentários.

Nadim Houry, diretor executivo da Iniciativa de Reforma Árabe, disse que partes da cobertura da mídia são perturbadoras e revelam “ignorância sobre refugiados de outras partes do mundo, que também têm as mesmas aspirações que os ucranianos”.

1

Membros das forças de reserva do exército ucraniano treinam civis em métodos de defesa regional em resposta às circunstâncias do conflito em Kiev, Ucrânia, em 5 de fevereiro de 2022 [Ali Atmaca / Agência Anadolu]

LEIA: Se a Ucrânia pode ter uma brigada internacional, por que a Palestina e a Síria não podem?

Lutadores estrangeiros 

Houry e outros críticos também dizem que alguns governos estão mostrando dois pesos e duas medidas na questão dos voluntários que querem lutar na Ucrânia contra as forças russas.

A ministra das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Liz Truss, apoiou no domingo o apelo do presidente Volodymyr Zelenskiy para que as pessoas se unam a uma força internacional para combater as tropas russas. “Absolutamente. Se as pessoas quiserem apoiar essa luta, eu as apoiaria fazendo isso”, disse ela à televisão BBC.

Em contraste, a polícia britânica alertou os britânicos que viajam para a Síria para ajudar os rebeldes que lutam contra o presidente Bashar Al-Assad há oito anos, que eles poderiam ser presos em seu retorno, dizendo que podem representar um risco de segurança para o Reino Unido.

O Ministério das Relações Exteriores não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre as declarações de Truss. O ministro da Defesa, Ben Wallace, disse que a situação era diferente de combatentes que se juntaram a grupos como o Daesh na Síria, mas que o governo desencorajaria as pessoas a irem para a Ucrânia.

Embora sua sensação de abandono tenha sido intensificada pela acolhida dos ucranianos na Europa Oriental, vários refugiados no norte da Síria, Líbano e Jordânia disseram à Reuters que a responsabilidade por sua situação está nas autoridades mais próximas.

Alguns dizem que os países árabes deveriam ter feito mais para apoiar a luta militar contra Assad, que surgiu de protestos populares generalizados contra o presidente em 2011, e ajudou mais os refugiados. Além dos vizinhos da Síria, Jordânia e Líbano, os países árabes receberam poucos deslocados da guerra.

“Não culpamos os países europeus, culpamos os países árabes”, disse Ali Khlaif, que mora em um acampamento perto da cidade de Azaz, no noroeste da Síria. “Os países europeus acolhem os de seu povo. Culpamos nossos irmãos árabes, não o resto.”

LEIA: O direito à resistência: entre Ucrânia e Palestina

Este artigo foi distribuído pela Reuters.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsEuropa & RússiaOpiniãoOriente MédioRússiaSíriaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments