Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Suécia: pais sírios pedem para se reunir com crianças levadas pelas autoridades

Diab Talal e Amal Sheikho lamentam que seus filhos sejam levados pelos serviços sociais suecos em um vídeo que está nas redes sociais (Screengrab/Twitter)

A remoção pelas autoridades suecas dos filhos de um casal de refugiados sírios desencadeou uma campanha nas redes sociais para reunir a família após anos de separação.

Diab Talal e sua esposa, Amal Sheikho, se mudaram para o condado de Norrbotten, no norte da Suécia, no início de 2017, como parte do programa de reassentamento das Nações Unidas para refugiados sírios.

Em uma entrevista no início de janeiro no Centro Sueco de Informação, uma plataforma de recursos sobre imigração e asilo no país escandinavo, Talal disse que ele e sua esposa ficaram deprimidos nos primeiros meses de seu reassentamento.

Ele explicou que ele e Sheikho não falavam o idioma local e também estavam lutando com as temperaturas abaixo de zero no condado mais ao norte da Suécia.

Naquela época, disse Talal, um vizinho denunciou sua esposa ao serviço social sueco, conhecido simplesmente como “Social”, depois de vê-la chorando em uma lavanderia comunitária.

Seus quatro filhos, com idades entre três e nove anos, foram posteriormente levados pelo Social, depois que sua filha Duha, de sete anos, disse que eles a espancaram.

Talal disse que durante os procedimentos legais que se seguiram, a polícia não conseguiu provar qualquer violência contra as crianças.

LEIA: Imagens de menino sírio Fawaz chicoteado por sequestradores causa horror e apelos nas redes

“Com base no que aconteceu, as crianças foram entregues aos cuidados de várias famílias suecas e, desde aquele dia, há mais de três anos, fomos proibidos de ver as crianças”, disse o pai, de 38 anos.

Ele acrescentou que três anos depois que seus filhos foram levados, um quinto filho foi retirado de seus cuidados apenas “cinco minutos” após o nascimento, com Sheikho tendo tido negada a oportunidade de amamentar seu filho.

‘Quero meus filhos’

O caso atraiu uma forte resposta nas mídias sociais, com vários usuários pedindo às autoridades suecas que reúnam a família.

Um vídeo emocionante do casal defendendo seu caso em condições de neve do lado de fora de sua casa circulou amplamente na semana passada.

Uma família síria fugiu da guerra para a Suécia em busca de segurança e, oito meses após sua chegada, as autoridades tomaram seus quatro filhos e não permitiram que eles os vissem até agora, exceto por meio de fotos eletrônicas! Anos depois, a mãe deu à luz um novo bebê, então eles o tomaram do hospital cinco minutos após o nascimento! O que é essa imoralidade e criminalidade?

“Eles me disseram que me levariam para a ONU e um país de paz, mas onde? Esse é o prédio onde eles tiraram meus filhos de mim”, diz Talal no vídeo.

“As pessoas, o mundo, qualquer país árabe, eu quero meus filhos. Querido Deus, quem estiver ouvindo, quero meus filhos”, acrescenta Sheikho.

“Eles levaram meu filho quando ele tinha cinco minutos no hospital depois que ele nasceu. Peço a todos, sou mãe de cinco filhos, imaginem como me sinto.”

A conta oficial em árabe da Suécia respondeu ao vídeo.

“Todas as crianças na Suécia têm direito a uma infância segura. O Estado não quer que uma criança seja separada de sua família. Isso acontece se ficar claro e comprovado que há um perigo para a criança”, tuitou.

LEIA: Sírios em Idlib queimam roupas para se aquecer

“A decisão final sobre as crianças não está nas mãos dos serviços sociais, mas nas mãos do judiciário. Isso não significa uma ruptura no contato com os pais e há casos em que as crianças retornam às suas famílias.”

A conta acrescentou que as pessoas podem ter visto apenas um lado da história e que, embora não seja possível comentar casos individuais, “o foco principal é que a criança não seja submetida a danos físicos ou psicológicos”.

Vários usuários de mídia social irritados twittaram a hashtag: “A Suécia é um estado fascista” em árabe e inglês para destacar o caso.

Cerca de 150.000 refugiados sírios obtiveram vistos de residência e de trabalho na Suécia desde 2015, segundo a agência de migração do país.

Desses, 27.000 obtiveram a cidadania em 2021 sob as leis suecas que permitem que os migrantes sejam naturalizados após cinco anos.

A questão das autoridades suecas que tiram crianças de famílias sírias foi levantada anteriormente em um relatório de 2019 do SIRAJ.

Ele falou com pais sírios envolvidos em longas batalhas legais em 12 desses casos em cinco cidades da Suécia.

Artigo publicado no Middle East Eye em 28 de janeiro de 2022.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaOpiniãoOriente MédioSíriaSuécia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments