Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Rede de solidariedade pede a União Africana que negue status observador de Israel

Moussa Faki Mahamat, presidente da Comissão Africana, discursa durante a 35ª sessão da cúpula do bloco em Addis Ababa, Etiópia, 2 de fevereiro de 2022 [Minasse Wondimu Hailu/Agência Anadolu]

A Rede Pan-Africana de Solidariedade à Palestina acusou a União Africana de negligenciar seus princípios fundadores ao conferir status de observador a Israel, responsável por perpetuar um sistema de apartheid contra o povo palestino.

Em nota divulgada nesta segunda-feira (7), a organização reafirmou que a cúpula africana ignorou suas obrigações expressas de “combater o apartheid, o racismo e o colonialismo”.

A entidade de direitos humanos condenou a decisão “ultrajante e unilateral” de Moussa Faki Mahamet, presidente da Comissão Africana, de consagrar Israel como estado-observador da organização transnacional, em julho do último ano.

No domingo (6), o bloco vivenciou uma contundente divisão interna, ao passo que África do Sul, Argélia e Nigéria manifestaram sua oposição à medida. Não obstante, República Democrática do Congo, Ruanda e Camarões mantiveram seu apoio.

LEIA: União Africana discutirá revogação do status de observador de Israel

Ainda assim, a cúpula da União Africana tomou a decisão unânime de investigar o processo.

A rede de solidariedade então demandou dos presidentes da Argélia, Nigéria, África do Sul, República Democrática do Congo, Ruanda, Camarões e Senegal, que constituem o conselho responsável, a respeitar a carta fundadora do bloco e negar a adesão de Israel.

Categorias
ÁfricaÁfrica do SulArgéliaCamarõesIsraelNigériaNotíciaOriente MédioPalestinaRepública Democrática do CongoRuandaSenegal
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments