Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ativistas condenam proibição do lenço de cabeça em estado indiano

Manifestantes de várias organizações participam de um protesto em Nova Délhi, em 27 de dezembro de 2021, depois que a polícia indiana disse ter iniciado uma investigação sobre um evento em que os radicais hindus pediram assassinatos em massa de muçulmanos minoritários [Sajjad Hussain/AFP via Getty Images]

Impedir os alunos de usar hijab ou lenço na cabeça é um ataque aos “símbolos da fé”, disseram ativistas e especialistas na Índia, segundo a Agência Anadolu.

Por muitas semanas, um grupo de mulheres muçulmanas de uma faculdade no estado de Karnataka, no sul da Índia, foi impedido de assistir às aulas enquanto usava o lenço na cabeça.

No Dia Mundial do Hijab, marcado na terça-feira, Fawaz Shaheen, secretário nacional da Organização Islâmica Estudantil da Índia, ala estudantil da organização sociorreligiosa Jamaat-e-Islami, disse à Agência Anadolu que as instituições que proibiram os estudantes de usar hijab estão fazendo um “ato inconstitucional”.

“Não é repentino e está acontecendo agora; está ligado à “alterização” dos muçulmanos. Já vimos essas narrativas há algum tempo”, disse ele. “Até os hábitos culturais estão sendo desafiados. Tais movimentos basicamente atacaram os símbolos da fé e estão acontecendo continuamente para polarizar a sociedade.”

O governo de outro estado, Kerala, disse esta semana que não pode permitir que cadetes da polícia usem hijab e mangas compridas.

Shaheen observou que o uso de hijab, ou qualquer outra coisa, era um direito garantido pela Constituição.

Exortando os indianos a se manifestarem, Shaheen disse que o silêncio contra tais atos significaria um endosso.

LEIA: O fechamento de mesquitas na Caxemira: outro legado do governo vingativo de Modi

“A maioria deve falar… o silêncio não é uma opção”, disse ele.

De acordo com a Constituição indiana, todo cidadão tem o direito de praticar, professar e propagar a religião. Esse direito só pode ser cerceado por motivos de ordem pública, moralidade e saúde.

No mês passado, as tensões eclodiram em outra faculdade do governo na vila de Balagadi, em Karnataka, depois que um grupo de estudantes apareceu usando lenços cor de açafrão – a cor preferida pelo partido governante Bharatiya Janata – e pediu a suas colegas da comunidade muçulmana que não usassem hijab durante as aulas.

Posteriormente, as autoridades proibiram hijabs e lenços de açafrão no campus.

A ativista de Nova Délhi Aysha Renna disse à Agência Anadolu que tais incidentes estão aumentando e todas as medidas possíveis serão tomadas contra isso.

Em Karnataka, o governo estadual disse que constituirá um comitê para formular diretrizes sobre uniformes nas faculdades.

O jornal indiano local The Indian Express citou o ministro da Educação do Estado, B. C. Nagesh, dizendo: “Vamos analisar os vereditos do tribunal e o que outros estados fizeram em tais assuntos e tomaremos medidas. Orientamos as faculdades a seguir a regra atual até que o governo decida”.

Os muçulmanos indianos testemunharam uma deterioração do direito de praticar a fé sob o governo do primeiro-ministro, Narendra Modi, e do Partido do Povo Indiano (BJP, na sigla em inglês).

Categorias
Ásia & AméricasCaxemiraÍndiaNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments