Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O fechamento de mesquitas na Caxemira: outro legado do governo vingativo de Modi

Grande Mesquita de Srinagar tem o portão fechado [Tauseef Mustafa/ AFP / Getty Images]
Grande Mesquita de Srinagar tem o portão fechado [Tauseef Mustafa/ AFP / Getty Images]

O governo da Índia decidiu esta semana fechar a Grande Mesquita de Srinagar na Caxemira administrada pela Índia. Este ato é o mais recente de uma campanha de repressão de dois anos pelas autoridades indianas contra a população muçulmana da Caxemira.

A mesquita de 600 anos está agora fechada pela primeira vez em sua história. Durante séculos, a Mesquita Jamia, como é conhecida, foi usada pelos habitantes locais, seus ancestrais, estudiosos e mestres espirituais para adorar.

O fechamento desta mesquita histórica naturalmente colocou em questão os direitos humanos e as políticas de liberdade religiosa do governo de Narendra Modi. Diante de uma condenação generalizada, as autoridades indianas afirmam que a mesquita é um local problemático, um centro nervoso para protestos e confrontos que desafiam a soberania da Índia sobre a disputada região da Caxemira.

Além de restringir a entrada em lugares sagrados para orar, em janeiro passado, o governo também bloqueou linhas telefônicas e acesso à internet. Organizações internacionais freqüentemente relatam os abusos. A Human Rights Watch relatou que: “O governo estava com tanto medo de críticas. É por isso que restringiu os direitos dos caxemires de compartilhar notícias de nascimentos ou mortes, ligar para seus médicos, solicitar suprimentos, trabalhos de pesquisa, declarar impostos e negociar maçãs e nozes. ”

Essas restrições atuais são as mais severas desde que a região foi dividida entre a Índia e o Paquistão, depois que as duas nações conquistaram a independência do colonialismo britânico em 1947.

Durante uma conferência de direitos humanos em Istambul em 2018, o secretário-geral do Fórum de Conscientização Mundial da Caxemira com sede em Washington, Ghulam Nabi Fai, explicou-me em detalhes gráficos a repressão ao povo da Caxemira. Ele lembrou que 144 crianças foram detidas em 2018 por 900.000 forças militares e paramilitares indianas.

Fai destacou achar incrível que, enquanto os direitos humanos estão sendo proclamados, eles sejam violados tão rotineiramente na Caxemira e em todo o mundo. “Pense nas atrocidades em curso aos direitos humanos que não são sancionadas: Mianmar, onde uma população civil muçulmana é rotineiramente expulsa de casas e cidades são constantemente destruídas; Genocídio trágico na Síria; No século 20, houve o genocídio de Srebrenica em sociedade europeia moderna; Morte e destruição no Iêmen; Negação da exigência palestina de exercer o direito à autodeterminação. A lista é infinita. ”

De acordo com Fai, a Caxemira é como um genocídio em câmera lenta se desenrolando: “Há um sentimento constante de que algo está faltando na vida das pessoas, já que elas são impedidas de ter até seus próprios direitos humanos básicos, como a educação.”

Organizações internacionais como a Organização das Nações Unidas (ONU) devem mostrar total apoio à Caxemira. O Presidente da Assembleia Geral da ONU, Embaixador Volkan Bozkir, prometeu se tornar a voz do povo oprimido em todo o mundo em setembro passado, quando prometeu: “As pessoas necessitadas ou sob opressão devem sentir que suas preocupações estão sendo ouvidas no órgão mais democrático da ONU. Trabalharei para trazer as vozes das pessoas do mundo para nossas discussões “, garantiu.

No ano passado, o presidente da Caxemira Azad, Sardar Masood Khan, falou sobre as políticas de Modi na conferência do MEMO, “Caxemira e Palestina: A destruição do Patrimônio Cultural Indígena”, apontando que a Caxemira estava em um estágio de perseguição. Ele também enfatizou que, embora a Palestina recebesse amplo apoio internacional, a Caxemira não obteve o mesmo nível de atenção. Ao destacar este ponto, Khan queria expressar o papel da ONU na defesa da Caxemira. Ele afirmou que a organização tem a obrigação de honrar as vozes e os direitos do povo da Palestina e da Caxemira em sua luta pelo direito à autodeterminação.

Mais recentemente, a prisão na Índia do mundialmente conhecido ativista de direitos humanos Khurram Parvez em 21 de novembro é evidentemente uma afronta à justiça.

Portanto, Mary Lawlor, relatora especial da ONU para a situação dos defensores dos direitos humanos, tuitou: “Ele (Khurram Parvez) não é um terrorista. Ele é um defensor dos direitos humanos”.

O governo de Modi deve entender que o povo de Jammu e Caxemira não se esqueceu de que, em abril de 1948, o Conselho de Segurança da ONU aprovou a Resolução 47, prometendo: “O futuro da Caxemira será decidido por seus habitantes”. Em vez de dissuadir o povo da Caxemira de perseguir seu direito à autodeterminação, o fechamento da Grande Mesquita de Srinagar apenas adicionará mais uma mancha ao legado sombrio de repressão de Modi.

LEIA: Parlamentar do Reino Unido diz que BDS será proibido

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasCaxemiraÍndia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments