Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Documentos publicados pela mídia comprovam inocência do vice-presidente do movimento Ennahda da Tunísia

O ex-ministro da Justiça da Tunísia Noureddine Bhiri (dir.) fala durante uma entrevista coletiva em Túnis, em 25 de junho de 2012 [Fethi Belaid/AFP/GettyImages]

Documentos publicados na imprensa árabe sobre as acusações feitas contra o vice-chefe do movimento Ennahda, Noureddine Bhiri, “provam sua inocência”, disse a porta-voz do Conselho Shura do partido, Sana Mersni.

“Esses documentos foram emitidos em nome do Estado tunisiano na época, seja pelo Ministério da Justiça seja do Interior, com a aprovação do Ministério das Relações Exteriores e com permissão direta do falecido presidente Habib Bourguiba”, disse Mersni em um comunicado, em declaração exclusiva para a Arabi21.

Ela acrescentou que os documentos confirmam que não há sentido em sua detenção arbitrária e injusta.

No início de janeiro, as autoridades tunisianas prenderam Bhiri, que anteriormente atuou como ministro da Justiça entre 2011 e 2013. O Ministério do Interior atribuiu o procedimento a motivos que disse estarem “relacionados à proteção da segurança e da ordem pública, de acordo com as disposições de emergência aplicadas no país desde 2015”.

Promotores tunisianos acusam Bhiri de emitir documentos de identidade falsos para um casal sírio enquanto ele era ministro da Justiça, com um dos indivíduos anteriormente vinculados a atos terroristas cometidos fora da Tunísia.

Bhiri foi o primeiro líder sênior do Movimento Ennahda a ser detido pelas forças de segurança desde que o presidente, Kais Saied, dissolveu o parlamento e assumiu os poderes executivos no final de julho, em um passo descrito pelo Ennahda e outros partidos como um “golpe”.

LEIA: Parlamentar tunisiano sofre risco de morte na prisão, alerta partido Ennahda

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments