Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Advogados e políticos da Tunísia dividem-se diante de crise constitucional

Políticos e advogados constitucionais estão discutindo se o presidente tinha alguma autoridade para suas ações.

A decisão do Presidente Kais Saied de invocar o artigo 80 da Constituição Tunisina no final do domingo para congelar as atividades do Parlamento e expulsar o primeiro-ministro foi rapidamente chamada de golpe por seus adversários políticos, relata a Reuters.

A legalidade de suas ações repousa em interpretações rivais do artigo que deveriam ser resolvidas por um órgão judicial que as autoridades falharam durante anos em criar.

Políticos e advogados constitucionais estão agora discutindo se o Saied tinha alguma autoridade para suas ações.

A Constituição da Tunísia de 2014, resultado de compromissos destinados a evitar conflitos civis, divide poderes entre um presidente eleito diretamente, um parlamento eleito diretamente e um primeiro-ministro acordado por ambos.

Sucessivos presidentes, primeiros-ministros e parlamentares discutiram desde então sobre a extensão de seus poderes legais e a maioria dos grandes candidatos nas eleições de 2019, incluindo Saied, prometeram mudar o sistema.

Fundamentalmente, todas as disputas deveriam ser resolvidas por um Tribunal Constitucional acordado entre os centros de poder existentes. Mas após anos de disputas, não houve consenso sobre quais juízes deveriam preenchê-lo.

LEIA: Ghannouchi pede aos tunisinos que recuperem sua revolução

Saied, um estudioso constitucional que criticou o documento de 2014, invocou os poderes de emergência dados pelo artigo 80 em um discurso no domingo.

O artigo diz que o presidente pode tomar as medidas necessárias em circunstâncias excepcionais se o perigo iminente ameaçar as instituições nacionais, a segurança ou a independência – uma condição que Saied disse ter sido desencadeada por protestos e um pico da covid-19.

E afirma que quaisquer medidas que o presidente tome devem garantir o retorno às funções normais do estado e que, embora o presidente possa congelar as atividades do parlamento, ele não pode dissolvê-lo.

No entanto, o artigo determina que o presidente deve consultar o primeiro-ministro e o presidente do parlamento antes de invocar o artigo 80 e informar o tribunal constitucional.

O presidente do parlamento, Ghannouchi, negou ter sido consultado. O primeiro-ministro Hichem Mechichi não fala em público desde que Saied o demitiu, e o tribunal não foi criado.

“Na ausência do tribunal constitucional, o presidente tem o direito exclusivo de interpretação”, disse Rabeh Kraifi, professor de direito, argumentando que as ações de Saied eram legais.

“As decisões foram completamente contrárias à constituição … a condição de perigo iminente não existe e ele não consultou o orador ou primeiro-ministro”, disse outro professor de direito, Iyadh Ben Achour.

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísiaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments