Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Palestinos não precisam de investigação de Israel, eles precisam de justiça

Parentes palestinos choram durante o funeral de Omar Abdalmajeed As'ad, 80, que foi encontrado morto após ser detido e algemado durante um ataque israelense, na aldeia de Jiljilya, na Cisjordânia ocupada por Israel, em 13 de janeiro de 2022 [Jaafar Ashtiyeh/AFP via Getty Images]

Na semana passada, o palestino-americano Omar Asad, de 80 anos, foi sequestrado, amarrado e aparentemente torturado por bandidos do exército israelense na Cisjordânia. Ele foi encontrado morto logo depois.

É o tipo de brutalidade habitualmente imposta aos palestinos pelo ilegítimo regime sionista para manter um Estado judeu “puro” na Palestina histórica.

Mas como Assad tinha passaporte americano, seu caso gerou um pouco mais de atenção por lá do que o normal. O Departamento de Estado dos EUA e vários legisladores norte-americanos pediram que Israel “investigasse” a si mesmo sobre o aparente assassinato.

Isso é pior do que inútil.

Na minha opinião, pedir tais investigações não é apenas infrutífero, mas ativamente prejudicial. Inscrever-se na crença obviamente falsa de que o assassino deveria ter permissão para investigar o assassinato permite que Israel fique livre.

Dá a falsa impressão de que as investigações internas da polícia israelense e do exército israelense são nada mais do que flagrantes branqueamentos.

Para dar apenas um exemplo – citado por minha colega da Intifada Eletrônica Maureen Murphy em seu relatório sobre o assassinato de Assad: você só precisa olhar para as consequências da Grande Marcha de Retorno de 2018 em Gaza, quando Israel matou centenas de palestinos.

A partir de março daquele ano, milhares de palestinos fizeram o que os liberais lamurientos de todo o mundo os ensinaram a fazer há séculos e tomaram medidas de protesto não violentas contra Israel. Na verdade, os palestinos vêm fazendo isso há mais de um século como parte de sua longa campanha contra o deslocamento violento de colonos.

Exigindo os direitos humanos mais básicos, jovens, mulheres e anciãos marcharam em direção à cerca da fronteira com Israel e procuraram voltar para suas casas na Palestina histórica (o que hoje é parcialmente conhecido por alguns como “Israel”). Mais de 80 por cento dos habitantes de Gaza hoje são refugiados e descendentes de dentro do atual Israel. Eles foram expulsos a partir de 1948, quando gangues terroristas sionistas expulsaram à força a maioria dos palestinos para abrir caminho para a fundação de Israel.

Palestinos ao longo da fronteira Gaza-Israel reafirmam o ‘Direito de Retorno’ e são baleados pela IOF [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Em resposta à campanha de resistência pacífica, os militares israelenses armaram brutal e sadicamente atiradores de elite ao longo dos muros da prisão que suas forças usaram para enjaular palestinos em Gaza e matá-los a tiros. Muitos foram deliberadamente mutilados e perderam permanentemente o uso de membros. Essa era uma política direcionada.

Mais de 215 palestinos foram mortos nessas manifestações. No entanto, de todas as “investigações” israelenses sobre sua própria conduta, apenas uma única acusação criminal foi apresentada. “O soldado indiciado foi condenado por delitos menores e recebeu uma sentença extremamente branda”, segundo o grupo israelense de direitos humanos Yesh Din.

Esse é apenas um dos muitos exemplos das “investigações” autossuficientes de Israel. Eles não são mais do que exercícios de relações públicas para manter a ajuda militar e política fluindo dos EUA e da Europa.

Esses massacres israelenses são o custo de um Estado judeu na Palestina. Os liberais ocidentais ficaram estranhamente calados diante do massacre de Israel de homens, mulheres e crianças desarmados que marchavam por seus direitos. Ainda assim, mesmo alguns da esquerda social-democrata de joelhos fracos foram ineficazes em suas respostas.

O líder trabalhista de esquerda John McDonnell, por exemplo, pediu uma investigação ou comissão de inquérito sobre os tiroteios, conforme anteriormente conduzido pelas Nações Unidas.

LEIA: Veteranos israelenses admitem massacre na aldeia palestina de Tantura em 1948

Esse telefonema pode ter sido bem-intencionado, mas afirmo que não ajudou em nada. Os fatos sobre a Palestina são bem conhecidos. O massacre dos manifestantes em Gaza foi realizado à vista de todos.

Não precisamos de um enésimo inquérito, investigação ou – voltando ao período do “mandato” colonial britânico – livro branco ou comissão real.

Todos sabemos que Israel é um Estado racista de apartheid que assassina palestinos diariamente a sangue frio. É hora de responsabilizá-lo e trazer justiça aos palestinos.

É hora de boicote, desinvestimento e sanções.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoInquéritoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments