Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Cooperação em segurança da Autoridade Palestina atinge ‘níveis sem precedentes’, afirma Jihad Islâmica

O porta-voz do Movimento Jihad Islâmico, Dawoud Shihab, na Cidade de Gaza, Gaza, em 15 de outubro de 2021 [Ali Jadallah/Agência Anadolu]

A cooperação em segurança e inteligência entre a Autoridade Palestina (AP) e a ocupação israelense atingiu “níveis perigosos e sem precedentes”, anunciou na sexta-feira o Movimento da Jihad Islâmica na Palestina (PIJ, na sigla em inglês).

Em um comunicado divulgado pela Quds Press, o PIJ afirmou: “A contínua repressão, perseguição e detenção política de líderes e ativistas pela AP é uma forma de apoio às tentativas da ocupação israelense de extinguir a revolução em andamento na Cisjordânia ocupada”.

O PIJ condenou a detenção do sheikh Abdul Ra’ouf Al-Jaghoub pelas agências de segurança da AP, além da detenção de outros dois ativistas: Motasem Dweekat e Bilal Hamayel.

Ao mesmo tempo, o PIJ pediu que a AP liberte imediatamente detidos políticos e ativistas e pare de convocar ex-prisioneiros libertados das prisões israelenses.

Além disso, o Movimento instou as figuras nacionais a levantarem suas vozes contra a AP e a pressionarem para interromper suas campanhas.

Concluindo a sua declaração, o PIJ sublinhou: “Todas as tentativas destinadas a travar a Intifada em curso e o estado de envolvimento com a ocupação falharão”.

O Comitê de Famílias de Detentos Políticos relatou 2.578 violações de direitos cometidas pela Autoridade Palestina contra palestinos em 2021.

LEIA: Silêncio da Liga Árabe sobre cerco israelense a Gaza é ‘injustificado’, afirma Jihad Islâmica

Categorias
NotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments