Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Forum em Gaza: Aspectos jurídicos e humanitários do cerco israelense

A Fundação Dias da Palestina, em parceria com o grupo 16 de outubro e We Are Not Numbers, realizou um fórum internacional na sitiada Faixa de Gaza [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]

Na terceira sessão do fórum “O Cerco de Gaza, um Crime Contínuo”, realizado na Faixa de Gaza, o ativista e professor de direitos humanos da Universidade de Pittsburgh, Dan Kovalik, destacou aspectos jurídicos, internacionais e humanitários do cerco israelense imposto à Faixa de Gaza. Mais de dois milhões de palestinos no território sofrem com uma grave falta de água potável, alimentos e remédios, e enfrentam sérios problemas de saneamento. Ele observou que Israel é diretamente responsável por esse sofrimento e está, de fato, dificultando a vida em Gaza, impedindo a entrada de equipamentos necessários e atacando repetidamente a infraestrutura, incluindo as redes de água e esgoto e fábricas. O concreto necessário para reconstruir as casas que Israel bombardeia na Faixa de Gaza não pode ser importado.

Kovalik acrescentou que Israel está deliberadamente privando Gaza de equipamentos, suprimentos e necessidades básicas de vida, como água, alimentos e remédios necessários para a sobrevivência da população em grande parte civil. Tais violações, observou ele, são crimes de guerra de acordo com as Convenções de Genebra e outras partes do direito internacional.

O professor insistiu que o mundo deve intervir imediatamente para parar esses crimes, e que a ONU deve trabalhar para parar o cerco de Israel, apresentando acusações contra ele no Tribunal Penal Internacional. Além disso, ele disse que o muro recém-concluído ao redor da Faixa de Gaza torna o território uma prisão a céu aberto, e deve ser demolido.

A jornalista investigativa neozelandesa e ativista pró-Palestina Julie Pullman disse que “estamos entrando no décimo sexto ano do cerco israelense a Gaza, um cerco que não tem justificativa moral ou legal, e resultou no que as Nações Unidas descreveram como a destruição da Faixa de Gaza”. Ela também disse que é um processo em que o desenvolvimento não é apenas interrompido, mas também destruído ao não permitir a entrada de mercadorias e impedir o movimento de e para Gaza e outros lugares.

LEIA: Um fórum internacional na Faixa de Gaza desnuda o cerco israelense

Pullman repetiu o fato de que o bloqueio de Gaza equivale a um crime de guerra de acordo com o direito internacional, pois a punição coletiva imposta por Israel na Faixa de Gaza é estritamente proibida de acordo com o artigo 33 da Convenção de Genebra. Israel também está violando a lei de ocupação sob a qual as autoridades israelenses são obrigadas a respeitar o direito do povo palestino como povo ocupado sem quaisquer restrições ou condições arbitrárias, e garantir o fornecimento de serviços básicos para a vida, como saúde, eletricidade, água e outras necessidades básicas. No entanto, Israel continua a violar essas obrigações, bem como muitos acordos de direitos humanos, incluindo a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que prevê o direito à liberdade de movimento, educação, trabalho e saúde.

O número de mortos em ataques israelenses à Faixa de Gaza continua aumentando [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Ela sugeriu que se aumente a pressão sobre a comunidade internacional, especialmente a ONU, para exigir que o bloqueio de Gaza seja declarado – inequivocamente – ilegal, e que o Conselho de Segurança tenha a capacidade de usar força militar para reconstruir Gaza, se necessário. Ela também afirmou que tem a capacidade de garantir a entrega de ajuda humanitária a Gaza por meio de águas internacionais, sem interferência israelense.

Impactos do bloqueio 

Na sessão final do fórum, o advogado Salah Abdalati, chefe da Comissão Internacional de Apoio aos Direitos Palestinos (Hashd), disse que as autoridades de ocupação militar israelense continuam a apertar o cerco abrangente à Faixa de Gaza, demonstrando que os governos israelenses querem implementar uma política de punição coletiva contra os moradores palestinos de Gaza. As sucessivas medidas israelenses incluíram restrições à liberdade de circulação de pessoas e mercadorias de e para a Faixa de Gaza, o que cria uma tragédia humana muito complexa.

Catar inaugura centro de diálise em Gaza [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O advogado acrescentou que essas práticas causaram a deterioração dos direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais da população. O bloqueio israelense afetou todos os direitos humanos palestinos na Faixa de Gaza, especialmente em termos de desemprego e pobreza, restrições à liberdade de circulação e mercadorias, deterioração das condições de vida e deterioração da saúde, habitação e educação.

Segundo o professor de Economia da Universidade Islâmica de Gaza, Muhammad Ibrahim Miqdad, a Faixa de Gaza está sofrendo um grande colapso nos indicadores econômicos devido às políticas e práticas em curso da ocupação, não apenas a partir de 2006, mas também de 1967. O bloqueio é a característica mais proeminente dessas práticas israelenses. O custo do cerco e das ofensivas militares foi seis vezes o produto interno bruto da Faixa de Gaza somente em 2018. Se não fosse pelo cerco israelense e pelas operações militares, a taxa de pobreza na Faixa de Gaza não teria ultrapassado 15%, segundo um relatório da ONU. A taxa de desemprego foi de 49% na Faixa de Gaza em 2020, e deve subir para 59%, de acordo com os dados publicados pelo Banco Mundial para 2022, e 75% de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social da Faixa de Gaza.

LEIA: 2021: o genocídio do povo palestino continuou

Falando sobre a realidade ambiental da Faixa de Gaza sitiada, o, chefe do Instituto Nacional para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, Ahmed Hilles, afirmou que os palestinos do território estão sofrendo como famílias pela quantidade de água que chega às suas casas para uso diário. Eles têm apenas 60-70 litros por pessoa, por dia nas áreas construídas; pode ser muito menor para muitas famílias em áreas rurais e marginalizadas. A Organização Mundial da Saúde, observou ele, recomenda um fornecimento de pelo menos 100-120 litros por pessoa, por dia, para atingir o nível de segurança hídrica necessário para beber e higiene pessoal.

Hilles ressaltou que a poluição ambiental está intimamente ligada à ocupação israelense da Faixa de Gaza. Durante a última grande ofensiva de Israel em maio passado e, de fato, em todas as suas ofensivas ao longo dos anos, Gaza experimentou grave poluição ambiental devido à variedade de armas, bombas e mísseis usados intensivamente pelas forças armadas israelenses. A poluição sonora também se tornou um inconveniente constante e o efeito psicológico de ouvir aeronaves de reconhecimento militar israelense, incluindo drones, que voam frequentemente em baixas altitudes sobre bairros residenciais 24 horas por dia, 7 dias por semana, só pode ser medido pelo número de palestinos sendo tratados por trauma, especialmente as crianças.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments