Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Hezbollah e Amal encerram boicote ao governo do Líbano em meio à crise econômica

Libaneses hasteiam a bandeira nacional no epicentro da explosão que devastou Beirute, em 9 de agosto de 2020 [Houssam Shbaro/Agência Anadolu]

Os poderosos grupos libaneses Amal e Hezbollah confirmaram neste sábado (15) o fim de seu boicote às reuniões de governo, permitindo assim um novo diálogo entre ministros após três meses de paralisação, nos quais a crise econômica e o colapso cambial se aprofundaram.

As informações são da agência Reuters.

Ambos recusaram-se a participar das sessões de gabinete devido a disputas políticas sobre a investigação em torno da enorme explosão que devastou Beirute, em agosto de 2020.

A paralisação postergou conversas sobre um plano de recuperação em parceria com o Fundo Monetário Internacional (FMI), considerado fundamental para angariar apoio estrangeiro e superar a crise que empobreceu a população.

O Hezbollah, movimento ligado a Teerã que possuiu um braço paramilitar muito bem equipado, e o Amal, outro proeminente grupo xiita, reivindicam a exoneração do juiz responsável pelo inquérito.

LEIA: Em um Estado falido, o máximo que o povo do Líbano pode fazer é limitar as perdas

Ambos acusam Tarek Bitar de enviesamento, após o juiz solicitar o depoimento de duas figuras de destaque filiadas ao Amal. Bitar recusa-se a comentar o caso publicamente, mas é citado por familiares da vítima ao prometer a continuidade do caso, a despeito de uma série de processos registrados por suspeitos para postergar uma decisão.

O premiê Najib Mikati — cujo posto é mantido por um muçulmano sunita sob o sistema sectário do país — agradeceu em nota a decisão de encerrar o boicote e conclamou uma reunião de gabinete logo após receber uma proposta orçamentária para o ano fiscal de 2022.

Uma fonte do governo, porém, confirmou à Reuters que os ministros não devem se encontrar nesta semana, dado que o plano fiscal do Ministério das Finanças ainda está em fase de preparativos.

Mikati insistiu que seu governo busca assinar um acordo preliminar sobre o programa assistencial do FMI até fevereiro. Um porta-voz da entidade internacional confirmou que serão realizadas negociações por videoconferência na última semana de janeiro.

LEIA: Hezbollah sedia evento da oposição saudita, apesar de reaproximação Líbano-Golfo

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments