Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Continua em 2022: Refugiados, democracia e direitos humanos

Pessoas caminham entre tendas improvisadas em um campo de refugiados durante o inverno em Idlib, Síria, em 18 de dezembro de 2021 [Muhammed Said/Agência Anadolu]

Embora 2021 já tenha ficado para trás, há muitas questões que vão demorar por um tempo, ou muito mais, e certamente dominarão muitas das notícias em 2022 também. Esses são apenas alguns dos problemas.

Temerário OTAN-Rússia

Exasperado com a expansão da OTAN e as ambições crescentes na região do Mar Negro, Moscou decidiu desafiar a aliança ocidental liderada pelos Estados Unidos em uma área de importância geopolítica crucial para a Rússia.

A busca da Ucrânia pela adesão à OTAN, sobretudo após o conflito na Crimeia em 2014, provou ser uma linha vermelha para a Rússia. A partir do final de 2021, os Estados Unidos e seus aliados europeus começaram a acusar a Rússia de reunir suas forças na fronteira com a Ucrânia, sugerindo que uma invasão militar imediata se seguiria. A Rússia negou tais acusações, insistindo que uma solução militar pode ser evitada se os interesses geopolíticos da Rússia forem respeitados.

Alguns analistas argumentam que a Rússia está tentando “coagir o Ocidente a iniciar as novas negociações de Yalta”, uma referência à cúpula dos EUA, do Reino Unido e da Rússia no final da Segunda Guerra Mundial. Se a Rússia atingir seus objetivos, a OTAN não será mais capaz de explorar as linhas de fratura da Rússia ao longo de suas fronteiras ocidentais.

Embora os membros da OTAN, principalmente os EUA, queiram enviar uma mensagem forte à Rússia – e à China – de que a derrota no Afeganistão não afetará seu prestígio global ou manchará seu poder, A Rússia está confiante de que tem cartas políticas, econômicas, militares e estratégicas suficientes que lhe permitiriam prevalecer.

LEIA: 2021 na Palestina: Uma nova geração finalmente surgiu

Ascensão desimpedida da China

Outra disputa global também está acontecendo. Durante anos, os EUA desencadearam uma guerra global aberta para conter a ascensão da China como potência econômica global. Enquanto a ‘Guerra Comercial’ de 2019, instigada pelo governo Donald Trump contra a China produziu resultados fracos, a capacidade da China de resistir à pressão, controlar com precisão matemática a propagação, dentro da China, da pandemia da covid-19 e continuar a alimentar a economia global provou que Pequim não é uma presa fácil.

Um exemplo da afirmação acima é o renascimento antecipado da gigante chinesa da tecnologia, Huawei. A guerra na Huawei serviu como um microcosmo da guerra maior na China. O escritor britânico Tom Fowdy descreveu essa guerra como “bloqueando as exportações para (Huawei), isolando-a dos fabricantes de chips globais, forçando aliados a proibir sua participação em suas redes 5G, impondo acusações criminais contra ela e sequestrando um de seus executivos seniores”.

No entanto, isso está falhando, de acordo com Fowdy. Dois mil e vinte e dois é o ano em que se espera que a Huawei faça grandes investimentos globais que lhe permitirão superar muitos desses obstáculos e se tornar autossustentável em termos de tecnologias necessárias para abastecer suas operações em todo o mundo.

Além da Huawei, a China planeja intensificar sua resposta às pressões americanas expandindo suas plataformas de fabricação, criando novos mercados e fortalecendo suas alianças, especialmente com Moscou. Uma aliança sino-russa é particularmente importante para Pequim, uma vez que os dois países estão enfrentando forte resistência entre os Estados Unidos e o Ocidente.

Dois mil e vinte e dois provavelmente será o ano em que a Rússia e a China, nas palavras do embaixador de Pequim em Moscou, Zhang Hanhui, encenarão uma “resposta a essa política de poder e hegemonia (dos EUA) aberta”, em que ambas “continuam a se aprofundar de volta para uma cooperação estratégica”.

A sede da Huawei Technologies Co. em Shenzhen, China, na quinta-feira, 30 de setembro de 2021 [Javed Tanveer/AFP via Getty Images]

O mundo ‘por um fio’

No entanto, outros conflitos existem além da política e da economia. Há também a guerra desencadeada em nosso planeta por aqueles que privilegiam o lucro em detrimento do bem-estar das gerações futuras. Embora o Pacto Climático de Glasgow COP26 tenha começado com grandes promessas na Escócia em novembro, concluiu com compromissos políticos que dificilmente correspondem ao fato de que, nas palavras do secretário-geral da ONU António Guterres: “ainda estamos batendo na porta da catástrofe climática”.

É verdade que, em 2022, muitas tragédias serão atribuídas às mudanças climáticas. No entanto, também será um ano em que milhões de pessoas em todo o mundo continuarão a pressionar por uma resposta coletiva e apolítica à ‘catástrofe climática’. Enquanto o planeta Terra está “por um fio” – segundo Guterres -, os compromissos políticos que favorecem os ricos tornam-se o obstáculo, não a solução. Somente um movimento global de sociedades civis bem integradas em todo o mundo pode obrigar os políticos a atender aos desejos do povo.

LEIA: Negando o inevitável: Por que o Ocidente se recusa a aceitar o status de superpotência da China

Refugiados, democracia e direitos humanos

Os efeitos adversos da mudança climática podem ser sentidos de inúmeras maneiras que vão além dos danos imediatos infligidos por condições meteorológicas erráticas. Guerra, revoluções, desigualdades socioeconômicas endêmicas, migração em massa e crises de refugiados são alguns exemplos de como a mudança climática desestabilizou muitas partes do mundo e causou dor e sofrimento em numerosas comunidades em todo o mundo.

A questão da migração e dos refugiados continuará a representar uma ameaça à estabilidade global em 2022, uma vez que nenhuma das causas profundas que obrigou milhões de pessoas a deixar suas casas em busca de uma vida mais segura e melhor foi abordada. Em vez de lutar contra as raízes do problema – mudanças climáticas, intervenções militares, desigualdade, etc. -, com frequência, os infelizes refugiados são acusados ​​e demonizados como agentes de instabilidade nas sociedades ocidentais.

Isso, por sua vez, tem servido como uma justificativa política e, às vezes, moral para o surgimento de movimentos políticos de extrema direita na Europa e em outros lugares, que estão espalhando falsidades, defendendo o racismo e minando qualquer aparência de democracia que existe em seus países.

Dois mil e vinte e dois não deve ser mais um ano de pessimismo. Também pode ser um ano de esperança e promessa. Mas isso só é possível se cumprirmos nosso papel de cidadãos ativos para realizar a mudança desejada que gostaríamos de ver no mundo.

Feliz 2022!

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoArtigoÁsia & AméricasChinaEstados UnidosEuropa & RússiaOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioOTANReino UnidoRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments