Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quero que o mundo compartilhe a experiência palestina por meio do meu livro, diz jornalista sueca

Lena Fredriksson [Lena Fredriksson]
Lena Fredriksson [Lena Fredriksson]

O relato da jornalista sueca Lena Fredriksson sobre a vida cotidiana sob a ocupação da Cisjordânia por Israel é informado e apaixonado. All Quiet on the West Bank? Living under prolonged occupation (Tradução livre: Tudo calmo na Cisjordânia? Vivendo sob ocupação prolongada) não faz rodeios em suas críticas às políticas israelenses, incluindo a detenção de crianças em prisões militares e postos de controle que restringem a liberdade de movimento. A autora também expõe a rica herança cultural da Palestina, que ela apreciou particularmente em um casamento palestino, cujas celebrações se estenderam por vários dias.

“O único propósito principal que quero que meu livro fotográfico sirva é educar o mundo de que os palestinos são apenas pessoas comuns que poderiam ter sido você e eu”, disse Fredriksson. “Eles não são terroristas malucos ou violentos, que é a maneira estranha que são constantemente retratados pela mídia, onde há uma clara parcialidade em relação a Israel.”

A escritora de 63 anos visitou a região pela primeira vez há dez anos, após ser recomendada por uma amiga. Foi prometido a ela que a viagem de estudos seria a experiência mais interessante de sua vida. “Ela estava certa. Eu fiquei fisgada. Antes daquela viagem em 2011, eu não tinha ideia de como as autoridades israelenses estão cometendo os crimes contra a humanidade do apartheid e da perseguição.”

LEIA: Fatos Fundamentais, um pequeno guia para entender a questão palestina

Ela ressaltou que tinha a impressão de que era “muito complexo” e difícil de entender. “Mas quando cheguei lá e vi as circunstâncias opressivas em que os palestinos estão vivendo – como coisas realmente horríveis – entendi como isso não é mais difícil de entender. É uma nação sofrendo sob ocupação militar.”

Durante suas muitas viagens subsequentes à Cisjordânia ocupada, Fredriksson escreveria artigos sobre a vida dos palestinos ao seu redor e as injustiças diárias às quais eram submetidos. Nas estradas em Hebron, por exemplo, onde carros com placas palestinas não podem ser dirigidos – sim, o apartheid israelense tem tais restrições – independentemente dos documentos de identificação em poder do motorista.

Nas estradas que Israel permite aos palestinos usarem, ela testemunhou em primeira mão que mesmo os carros com placas palestinas têm acesso restrito, enfrentam atrasos intermináveis ​​nos pontos de controle e estão sujeitos a bloqueios regulares nas estradas. Carros com placas israelenses não experimentam nenhuma dessas dificuldades.

“Não entendo como isso pode acontecer, é tão angustiante. Mas as revistas e jornais para os quais eu mandava meus artigos não se interessavam pelas lutas diárias do apartheid, a menos que houvesse confrontos e violência. Além disso, eles têm mais histórias contínuas de violência da Síria agora, e eles têm essa parte do mundo coberta, então eles não precisam disso da Palestina. ”

Isso obrigou a jornalista a produzir um livro que não é apenas uma história da anexação total de terras palestinas por Israel, nem apenas uma coleção de lembranças sobre a vida cotidiana cercada por assentamentos judeus ilegais.

LEIA: Gestos vazios ou mudanças substanciais? Sobre o Prêmio Nobel de Literatura e seus descontentamentos

Publicado no ano passado, All Quiet on the West Bank? Living under prolonged occupation  investiga as maneiras únicas em que os palestinos se adaptam e tentam viver uma vida decente e digna, apesar do estresse e frustração que experimentam. “Eu queria que meus leitores entendessem o espectro da vida diária na Palestina e se concentrassem não apenas nos obstáculos e na violência que a ocupação traz, mas também apreciassem a cultura dos palestinos, que têm história e tradições que são uma parte importante de sua vida.”

As crianças e os mais velhos estavam todos muito ansiosos para falar com a autora e compartilhar suas histórias, para que ela pudesse transmiti-las a outras pessoas. “Eles me deixaram passar um tempo com eles, aprender sobre eles e apenas participar do que quer que estivessem fazendo. Sua hospitalidade foi comovente.”

Graças ao livro de Fredriksson, nós os conhecemos também, incluindo uma noiva palestina em um vestido tradicional palestino com intrincada costura em tatreez, representando diferentes cidades palestinas por meio dos desenhos e cores dos bordados. O livro inclui fotos glamorosas da noite anterior ao casamento, quando ela tem os padrões de Henna nas mãos, enquanto a família e os amigos dançam e cantam para dar as boas-vindas aos convidados. “Eu adicionei fotos para fazer com que mais leitores se interessassem, porque as fotos falam imediatamente aos seus sentimentos. E há muitos sentimentos e expressões nessas imagens.”

Também conhecemos Malik, filho da família Baradaia em Beit Omar, na Cisjordânia ocupada, que foi preso em 2013 com 15 anos de idade. Soldados israelenses invadiram a casa de sua família e o prenderam sem qualquer acusação. Ele foi vendado e teve as mãos amarradas com três braçadeiras antes de ser jogado no chão de um veículo militar.

“Eles disseram que iriam me bater se eu não confessasse,” e explica. “Na segunda audiência, confessei e assinei um papel em hebraico, embora não conseguisse ler.”

De acordo com a organização de direitos das crianças Defense for Children International, o caso de Malik é típico.

“Senti em meu coração que este livro precisava ser escrito, especialmente para leitores aqui na Suécia”, explicou Lena Fredriksson. “Não há muitos livros como este aqui.”

Os palestinos gentis, acolhedores e hospitaleiros; jovens e velhos, felizes, justos, irados e desnorteados querem apenas viver suas vidas com dignidade. “Assim como você e eu”, concluiu ela. “É por isso que quero que o mundo compartilhe isso por meio do meu livro.”

LEIA: Inédita no Brasil, obra de historiador palestino discute a expulsão de seu povo

Categorias
EntrevistasEuropa & RússiaIsraelOriente MédioPalestinaSuécia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments