Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Príncipe saudita visita o Catar pela primeira vez desde o bloqueio de 2017

O emir do Catar, Sheikh Tamim bin Hamad Al Thani (2º D), dá as boas-vindas ao Príncipe Herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman al-Saud (2º E), no Aeroporto Internacional de Hamad em Doha, Catar, em 8 de dezembro de 2021 [Amiri Diwan, Estado do Catar - Agência Anadolu]
O emir do Catar, Sheikh Tamim bin Hamad Al Thani (2º D), dá as boas-vindas ao Príncipe Herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman al-Saud (2º E), no Aeroporto Internacional de Hamad em Doha, Catar, em 8 de dezembro de 2021 [Amiri Diwan, Estado do Catar - Agência Anadolu]

O príncipe saudita Mohammed Bin Salman chegou a Doha ontem pela primeira vez desde que Riad e vários aliados árabes impuseram um embargo ao Catar em meados de 2017. O governante de fato, amplamente conhecido como MBS, foi recebido na chegada pelo emir do Catar, Sheikh Tamim Bin Hamed Al-Thani.

O Catar é a terceira parada do MBS em uma viagem aos Estados do Golfo antes da primeira cúpula do Conselho de Cooperação do Golfo em quatro anos, marcada para o final deste mês, o que sinalizaria que a acirrada disputa entre eles foi finalmente posta de lado.

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito cortaram relações diplomáticas com o Catar em 2017 e publicaram uma lista de demandas, incluindo o fechamento da Rede de Notícias Al Jazeera. Os quatro países também bloquearam as rotas terrestres, aéreas e marítimas para o Catar, acusando Doha de apoiar o terrorismo se aproximando do Irã, um adversário regional de muitos países árabes do Golfo. Doha negou as acusações.

O Catar não cedeu à lista de demandas e acabou encerrando a disputa como o jogador mais forte na região, demonstrado pelo papel descomunal durante a evacuação liderada pelos EUA do Afeganistão durante o verão, bem como o papel fundamental que desempenhou em facilitar o contato com governantes talibãs do país após o fechamento de embaixadas ocidentais lá.

O fim da disputa do Golfo – Charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Em janeiro, os países do bloqueio concordaram em encerrar a disputa, seis meses depois que a Corte Internacional de Justiça, a mais alta corte da ONU, decidiu a favor do Catar na disputa com seus vizinhos árabes.

A Arábia Saudita e o Egito lideraram os esforços para restaurar as relações com o Catar, com Riade e Cairo nomeando novos embaixadores em Doha. Abu Dhabi e Manama não seguiram o exemplo. O Catar também restabeleceu as ligações comerciais e de viagens com a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Egito, mas não com o Bahrein.

O emir do Catar já viajou para a Arábia Saudita e se reuniu com o MBS várias vezes desde o fim da disputa. A visita de ontem foi a primeira viagem oficial do príncipe saudita ao Catar desde que foi nomeado príncipe herdeiro em 2017.

A viagem do MBS pelo Golfo visa fortalecer os laços entre os vizinhos árabes, enquanto as potências mundiais buscam reviver o acordo nuclear com o Irã. As negociações em Viena entraram em uma fase crítica, com todas as partes mantendo suas posições maximalistas.

O MBS já fez escala em Omã e nos Emirados Árabes Unidos, onde visitou a Expo 2020 em Dubai ontem, antes de embarcar no curto voo para Doha. Ele deve viajar para Bahrein e Kuwait.

LEIA: Catar recebe o voto de confiança dos EUA por sua política externa pragmática

Categorias
Arábia SauditaBahreinCatarKuwaitNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments