Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Spyware de Israel hackea telefones de funcionários dos EUA

Uma mulher verifica o site do spyware Pegasus de fabricação israelense em um escritório na capital cipriota, Nicósia, em 21 de julho de 2021 [Mario Goldman/AFP via Getty Images]
Uma mulher verifica o site do spyware Pegasus de fabricação israelense em um escritório na capital cipriota, Nicósia, em 21 de julho de 2021 [Mario Goldman/AFP via Getty Images]

Os iPhones de pelo menos nove altos funcionários dos EUA foram hackeados por um sofisticado spyware desenvolvido pelo NSO Group, com sede em Israel, revelou a Reuters na sexta-feira.

As autoridades americanas são funcionários do Departamento de Estado dos Estados Unidos, informou a Reuters, e os iPhones foram hackeados nos últimos meses.

A Reuters divulgou, ainda, duas de suas fontes, afirmando que os funcionários do Departamento de Estado dos EUA estavam baseados em Uganda ou se concentraram em assuntos relacionados a Uganda.

Comentando a questão, o Grupo NSO afirmou: “Se nossa investigação mostrar que essas ações realmente aconteceram com as ferramentas da NSO, tal cliente será encerrado definitivamente e ações judiciais serão tomadas”.

LEIA: Aplicativo da Apple é acusado de preconceito por não responder a perguntas sobre a Palestina

Ele também acrescentou que a NSO irá: “Cooperar com qualquer autoridade governamental relevante e apresentar todas as informações que tivermos”.

De acordo com a Reuters, funcionários da Embaixada da República de Uganda em Washington não fizeram comentários, e a Apple se recusou a comentar.

Um porta-voz do Departamento de Estado se recusou a comentar sobre as intrusões, em vez disso, apontou para a recente decisão do Departamento de Comércio de colocar a empresa israelense em uma lista de entidades, tornando mais difícil para as empresas americanas fazer negócios com elas.

Spyware Pegasus — arma global de Israel para silenciar críticos? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O software da NSO é capaz não apenas de capturar mensagens criptografadas, fotos e outras informações confidenciais de telefones, mas também de transformá-las em dispositivos de gravação para monitorar os arredores, com base em manuais de produtos revisados pela Reuters.

A NSO foi relatada como afirmando que sua tecnologia ajuda a deter o terrorismo e que o grupo instalou controles para impedir a espionagem contra alvos inocentes.

Um alto funcionário do governo Biden não identificado, conforme relatado pela Reuters, disse que a ameaça ao pessoal dos EUA no exterior foi um dos motivos pelos quais o governo estava reprimindo empresas como a NSO e buscando novas discussões globais sobre os limites da espionagem.

O funcionário acrescentou que eles viram “abuso sistêmico” em vários países envolvendo o spyware Pegasus da NSO.

Em um comunicado, a Embaixada de Israel em Washington declarou que alvejar funcionários dos EUA violaria gravemente suas regras.

“Produtos cibernéticos, como o mencionado, são supervisionados e licenciados para serem exportados aos governos apenas para fins relacionados ao contraterrorismo e crimes graves”, confirmou um porta-voz da embaixada.

É importante notar que o NSO procurou a ajuda de funcionários israelenses, incluindo o primeiro-ministro Naftali Bennett, para remover seu nome de uma lista restrita dos EUA.

LEIA: Israel reduz vendas de produtos digitais após escândalo de espionagem

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments