Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Parente de Assad admite uso de bombas de barril para ‘limpar insetos da terra’

Exército sírio nega utilizar bombas de barril; investigadores da ONU documentam seu uso

No sábado (13), um parente do presidente sírio Bashar al-Assad admitiu que seu exército empregou bombas de barril contra civis, ao longo dos dez anos de conflito.

Ao realizar uma live em seu Facebook, Rifaat Ali al-Assad afirmou: “Viemos com as bombas de barril. Sabe o que é isso? É bom demais, serve para limpar os insetos da terra”.

A fala do tio paterno de Bashar e ex-vice-presidente do país representa a primeira admissão pública de Damasco sobre o uso de tais armamentos, tradicionalmente baratos e improvisados, disparados por aeronaves militares contra áreas específicas.

LEIA: Regime de Assad lançou cerca de 82 mil bombas de barril em nove anos

Ao longo da guerra civil, conforme evidências, o regime sírio empregou tais explosivos contra alvos civis, sob pretexto de combater “terroristas” — isto é, opositores.

Todavia, Damasco e Moscou, seu principal aliado, negam sua adoção ou mesmo posse.

A referência a vítimas como “insetos” não é novidade. Em 2020, o então Ministro da Saúde recorreu a uma linguagem semelhante ao negar à televisão estatal casos de covid-19 no país, sob a desculpa de que o “exército sírio purificou o país de muitos germes”.

Em 2015, durante entrevista à rede BBC, Bashar al-Assad também foi questionado sobre o uso de bombas de barril contra civis. Em resposta, o presidente brincou que algumas “panelas” poderiam ter caído nas áreas mantidas pela oposição.

LEIA: O mundo vai se arrepender de tirar Assad do isolamento

Categorias
NotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments