Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Amin Hamideh era um homem honrado e revolucionário

As pessoas em Al-Mazra'a Ash-Sharqiya e nas aldeias vizinhas sempre se lembrarão de Amin Hamideh como o homem que sacrificou tudo para defender a Palestina.

Lord Acton era um humilde inglês, talvez por causa de seu vasto conhecimento. Entre seus famosos ditos, está: “O poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente, de modo que quase todos os grandes homens são maus”. O amor ao poder torna a pessoa egoísta e autoconfiante ao ponto do absurdo. Por outro lado, foram muitas as grandes pessoas que influenciaram a história de seus países e suas lutas, mas a história não lhes fez justiça, deixando ações para eles e reputação para os outros.

Não há dúvida de que a causa palestina foi e ainda é a questão central e mais importante em todo o mundo, apesar de algumas vezes retroceder. Muitos grandes povos passaram por sua trajetória de luta, sobre os  quais não encontramos menção nas páginas da história. São aqueles que deixaram traços profundos e indicaram outros, mas não foram indicados. Neste artigo, citarei um pouco da biografia de um deles cuja história está esquecida até hoje, apesar de sacrificar tudo que tinha para defender a Palestina.

Foto antiga da cidade de Al-Mazra'a Ash-Sharqiya [Acervo familiar]

Foto antiga da cidade de Al-Mazra’a Ash-Sharqiya [Acervo familiar]

Amin Hamideh nasceu na cidade de Al-Mazra’a Ash-Sharqiya, distrito de Ramallah no início do século passado, especificamente no ano de 1907. Ele cresceu como um simples camponês em uma sociedade agrícola. Depois disso, as difíceis condições de vida o levaram a emigrar para Cuba em seus anos de juventude, como milhares de jovens palestinos da época. Em Cuba, ele alcançou grande sucesso como empresário reconhecido. A relação com sua pátria e sua família permaneceu muito forte, e ele sempre pensou em voltar à Palestina e lá se estabelecer. Mas não mediu esforços no envio de ajuda material para os revolucionários palestinos nas décadas de 30 e 40  do século passado, durante o período do colonialismo britânico na Palestina e a escalada alarmante da imigração judaica naquela época.

Ele decidiu retornar à Palestina com sua esposa cubana e seus quatro filhos em 1947, depois que as Nações Unidas emitiram uma resolução para dividir a Palestina em dois estados, um árabe e outro judeu, e ele quis defender sua terra, seu país e seu povo. “Somos os guardiões da terra”, disse ele.

LEIA: Sem caminhos para Gaza: o papel do Egito na manutenção do cerco e opressão do povo palestino

Amin Hamideh e sua família na época em que se mudou de Cuba para a Palestina [Acervo familiar]

Amin Hamideh e sua família na época em que se mudou de Cuba para a Palestina [Acervo familiar]

Na Palestina, Amin Hamideh construiu uma casa enorme, projetada para ser uma fortaleza impenetrável contra qualquer ataque à cidade, pois foi erguida em um local estratégico em sua fronteira,  no topo de uma colina com vista para toda a área. Ele comprou armas para a maioria dos jovens da cidade para defendê-la e um caminhão para transportar os feridos. Também feriu-se enquanto defendia a aldeia abandonada de Qalunya, perto de Jerusalém. Ele sacrificou toda a enorme riqueza que acumulou em Cuba e todos os seus bens pelo bem da Palestina, para defendê-la e ao seu povo.

 

As pessoas em Al-Mazra’a Ash-Sharqiya e nas aldeias vizinhas sempre se lembrarão de Amin Hamideh como o homem que sacrificou tudo para defender a Palestina. Elas se lembrarão dele como um homem honrado que abandonou uma vida luxuosa na diáspora e voltou a lutar pela liberdade de sua pátria e de seu povo. Elas se lembrarão dele como aquele que fundou a primeira escola feminina da cidade e mandou construir estradas. Sua biografia continuará circulando entre o povo porque os revolucionários não morrem, mas são imortalizados por sua história.

 

Amin Hamideh na Palestina, com cinturão de balas, em defesa da Palestina durante a Nakba, em 1948 [Acervo familiar]

Amin Hamideh na Palestina, com cinturão de balas, em defesa da Palestina durante a Nakba, em 1948 [Acervo familiar]

Amin Hamideh teve 18 filhos (homens e mulheres) e centenas de netos, a maioria deles morando nos Estados Unidos da América. Ele morreu na Venezuela, e a última coisa que disse foi “Viva a Palestina”. Seu corpo foi devolvido à sua cidade natal “Al-Mazra’a Ash-Sharqiya” e enterrado lá. Muitos membros de sua família e de sua cidade seguiram seu caminho e continuaram a marcha em defesa de sua pátria e dos direitos de seu povo.

 

Existem muitos grandes homens e líderes que sacrificaram tudo para defender a Palestina e sua causa, mas não sabemos nada sobre eles e sua história foi esquecida. É claro que isso tem muitas razões, incluindo ignorância da história, indiferença e negligência das autoridades responsáveis ​​e, infelizmente, em alguns casos, essa negligência é intencional. Portanto, esta é uma mensagem aberta às autoridades responsáveis ​​e historiadores palestinos de que eles deveriam estar mais interessados ​​em conhecer a história desses heróis que sacrificaram tudo para defender nossos direitos.

LEIA: Palavras sem ação expõem o papel do Ocidente na expansão dos assentamentos ilegais de Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasCubaIsraelOriente MédioPalestinaVenezuela
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments