Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

EUA, Reino Unido, Arábia Saudita e Emirados Árabes pedem a restauração imediata do governo civil do Sudão

Diáspora sudanesa baseada no Reino Unido protesta contra o domínio militar no Sudão, em Whitehall, perto da rua Downing, em 30 de outubro de 2021, em Londres, Inglaterra. [Guy Smallman/Getty Images]

Os Estados Unidos, a Inglaterra, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos pediram ontem a restauração “completa e imediata” das instituições de transição lideradas por civis, incluindo o governo do Sudão.

“Apoiamos a séria preocupação da comunidade internacional com a situação no Sudão. Pedimos a restauração total e imediata de seu governo e instituições transitórias lideradas por civis”, disseram as quatro nações, conhecidas como o Quad do Sudão, em uma declaração conjunta divulgada pelo Departamento de Estado dos EUA.

“Incentivamos a libertação de todos aqueles detidos em conexão com os recentes eventos e o fim do estado de emergência”, acrescentaram eles.

“A violência não tem lugar no novo Sudão, neste ponto encorajamos um diálogo efetivo entre todas as partes, e exortamos a todos a assegurar que a paz e a segurança para o povo do Sudão seja uma prioridade máxima”, acrescentaram.

Os protestos realizados no sábado “demonstraram a profundidade do compromisso do povo sudanês com o avanço da transição de seu país e continuamos empenhados em ajudá-los a alcançar essas aspirações”, continuou a declaração.

Milhares de sudaneses protestaram no sábado contra a tomada do poder pelo exército.

O primeiro-ministro sudanês Abdalla Hamdok permanece sob prisão domiciliar e outros membros de seu governo foram detidos.

O comandante-chefe do exército sudanês, Abdel Fattah Al-Burhan, reuniu-se ontem na capital, Cartum, com o enviado especial da União Africana, Olson Abu Sango. Durante a reunião, ele disse que pretende nomear um novo primeiro-ministro que formaria um governo tecnocrático.

Ele também se comprometeu a libertar todos os prisioneiros políticos dentro de 24 horas.

O General Abdel Fattah Al-Burhan, um oficial militar que chefiou o Conselho Soberano, um órgão governante que compartilha o poder, anunciou o estado de emergência em todo o Sudão e dissolveu o gabinete e o governo de transição em 25 de outubro.

LEIA: O governo civil e militar pode não resolver a profunda crise política e desconfiança do Sudão

Categorias
ÁfricaArábia SauditaÁsia & AméricasEmirados Árabes UnidosEstados UnidosEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioReino UnidoSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments