Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Conselho de Direitos Humanos da ONU realizará sessão especial sobre o Sudão

Povo sudanês protesta exigindo o fim da intervenção militar e a transferência da administração para civis em Cartum, Sudão, em 30 de outubro de 2021 [Mahmoud Hjaj - Agência Anadolu]

O Conselho de Direitos Humanos da ONU realizará uma sessão especial para tratar das “implicações da situação em curso” no Sudão na sexta-feira após uma tomada de controle militar há oito dias.

A reunião ocorrerá em um formato virtual híbrido no Palais des Nations de Genebra, e a maioria das intervenções acontecerá online devido às restrições da covid-19.

Após um pedido especial, o Reino Unido, EUA, Noruega e Alemanha convocaram conjuntamente a sessão especial.

Em 25 de outubro, o conselho militar governante do Sudão anunciou o estado de emergência e dissolveu o conselho soberano transitório e o governo horas depois de deter o primeiro-ministro Abdalla Hamdok e ministros de seu governo civil.

O conselho também suspendeu algumas disposições do documento constitucional que delineia a transição política no Sudão.

Profundas tensões escalaram entre os militares e a administração civil no Sudão após um golpe militar fracassado em setembro, em meio a protestos rivais em Cartum.

Para uma sessão especial, o apoio de um terço dos 47 membros do Conselho – 16 ou mais – é necessário.

O pedido foi apoiado pelos seguintes membros do Conselho de Direitos Humanos: Áustria, Brasil, Bulgária, República Tcheca, Dinamarca, França, Alemanha, Itália, Japão, Líbia, México, Holanda, Polônia, Coréia do Sul, Ucrânia, Reino Unido e Uruguai.

LEIA: Chefe da ONU urge restauração da legitimidade no Sudão

Os seguintes membros observadores também apoiaram a sessão especial: Albânia, Austrália, Bélgica, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Croácia, a administração cipriota grega, Estônia, Finlândia, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Latvia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Malawi, Montenegro, Nova Zelândia, Noruega, Portugal, Romênia, Serra Leoa, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça e EUA.

A reunião será a 32ª sessão especial do conselho e a quarta este ano.

Antes da tomada do poder militar, o Sudão foi administrado por um conselho soberano de oficiais militares e civis, que supervisionou o período de transição até as eleições previstas para 2023, como parte de um precário pacto de poder compartilhado entre os militares e a coalizão Forças pela Liberdade e Mudança.

Os militares do Sudão tomaram o poder e prenderam o primeiro-ministro, Abdalla Hamdok – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Categorias
ÁfricaNotíciaONUOrganizações InternacionaisSudão
Show Comments
Show Comments