Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Depois de matar mulheres muçulmanas, a comunidade internacional não pode nos ensinar como tratá-las

Os alunos de uma escola secundária assistem a uma aula enquanto a educação nas escolas primárias e secundárias continua na cidade-reduto do Talibã, Kandahar, no Afeganistão, em 28 de setembro de 2021 [Bilal Güler/Agência Anadolu]

No início desta semana, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, afirmou que o Talibã não manteve suas promessas em relação aos direitos das mulheres e meninas, após a libertação de seu país da ocupação americana apoiada internacionalmente, que durou 20 anos. Ele instou o Talibã, os novos governantes do Afeganistão, a cumprir suas obrigações de acordo com os direitos humanos internacionais e o direito humanitário.

“No centro dessas promessas, estava a possibilidade de as mulheres se mudarem, trabalharem e desfrutarem de seus direitos básicos – e para as meninas terem acesso efetivo a todos os níveis de educação, da mesma forma que os meninos”, disse Guterres a repórteres na sede da ONU.

“Estou particularmente alarmado ao ver as promessas feitas pelo Talibã às mulheres e meninas afegãs sendo quebradas”, disse ele, acrescentando: “Promessas quebradas levam a sonhos desfeitos para as mulheres e meninas do Afeganistão”. Ele pediu às mulheres e meninas do Afeganistão “que sejam o centro das atenções”.

Após o anúncio do gabinete do Talibã, que não inclui nenhuma mulher, tem havido alvoroço em todo o mundo, porque eles consideram isso uma demonstração de repressão às mulheres. Dezenas de mulheres afegãs saíram às ruas gritando contra isso, o que teve ampla cobertura da mídia global. “Queremos direitos iguais, queremos mulheres no governo”. A BBC relatou que uma das mulheres disse: “Não podemos aceitar isso e é por isso que saímos”.

Portanto, parece que o mundo está preocupado com a situação das mulheres muçulmanas, que eles afirmam estar se deteriorando no Afeganistão após a retirada dos EUA e das forças de ocupação internacionais do país.

LEIA: Da guerra no Afeganistão à guerra feminista

Sim, eles estão certos. Como todo mundo que tem consciência, também estou preocupada com as condições das mulheres no Afeganistão e não tolerarei que qualquer opressão seja praticada, mas não são apenas as mulheres muçulmanas no Afeganistão que precisam se preocupar, mas todas as mulheres muçulmanas ao redor do mundo.

Por exemplo, Guterres precisa dar uma olhada nas mulheres muçulmanas na China, na região uigur, onde centenas de milhares de mulheres e meninas foram separadas de suas famílias e estão trancadas em “campos de concentração”, enquanto o mundo está prestando pouca atenção para eles, com muita pouca cobertura da mídia e pouca reação dos líderes mundiais e organismos internacionais.

Há muitas mulheres e meninas cumprindo longas sentenças em prisões egípcias, que nem mesmo são adequadas para animais. Vários grupos de direitos humanos destacaram sua questão, mas nem Guterres nem nenhum líder mundial lhes deu a atenção que merecem.

Até o Congresso dos Estados Unidos, quando bloqueou parte da ajuda militar americana ao Egito, pediu ao Cairo que melhorasse a situação dos direitos humanos e pediu apenas a libertação de cerca de 15 ou 16 ativistas de direitos, que trabalham com uma ONG secular.

Vários órgãos da ONU, chefiados por Guterres, emitiram relatórios, dizendo que mulheres e crianças no Iêmen estão passando pela pior crise humana do planeta. Sua situação também foi ignorada.

A lista é muito longa no que diz respeito à humilhação dos direitos das mulheres muçulmanas em todo o mundo, mas a comunidade internacional, dirigida pelos opressores membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, coloca seus interesses e planos e os de seus aliados acima de todos os direitos de outras nações e outros povos.

Outro exemplo são os muçulmanos na Índia, que estão sendo perseguidos pelo governo e por turbas hindus. Isso inclui mulheres, meninas e crianças. Eles estão sendo expulsos à força de suas casas e detidos, espancados e mortos e nenhuma voz real ou oficial foi levantada.

LEIA: Vinte anos depois, as torres gêmeas continuam a desabar

As décadas de ocupação indiana da Caxemira e as atrocidades diárias cometidas pelas forças de ocupação indianas contra esse povo mostraram a opressão e a repressão de mulheres e meninas na Caxemira. É importante notar que, durante décadas, houve apenas vozes caladas que clamam pelo fim da ocupação, pela libertação desse território muçulmano e pelo fim da opressão contra seus habitantes muçulmanos.

Na Palestina, existem mulheres e meninas que espancaram, detiveram e mataram. A comunidade internacional sabe tudo, mas, como a vítima é muçulmana e o opressor não, o mundo fecha os olhos.

Os 20 anos de ocupação dos Estados Unidos no Afeganistão produziram uma equipe de judocas, várias ciclistas, várias músicas e jogadoras de futebol, além de uma série de tripulantes de cabine. No entanto, milhares de mulheres foram mortas e dezenas de milhares ficaram viúvas, com dezenas de milhares de meninas órfãs, além de dezenas de milhares de mães que perderam seus entes queridos.

Durante esse período no Afeganistão, nenhum esforço foi feito pelos EUA para encorajar mulheres cientistas e acadêmicas. Não foram construídas escolas e universidades para meninas e mulheres. Nenhuma infraestrutura adequada foi construída no país para tornar a vida de mulheres e meninas confortável.

A ironia aqui é que as pessoas que têm aterrorizado e matado o povo afegão por duas décadas estão atualmente pedindo aos governantes afegãos que não aterrorizem e matem seu povo.

A questão para a comunidade internacional não são os direitos das mulheres ou a vida das pessoas, são as decisões preconceituosas, planos e campanhas de desinformação que os inimigos do Afeganistão devem desistir para permitir que o país sobreviva e defenda todo o seu povo, homens e mulheres.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoÁfricaArtigoÁsia & AméricasChinaEgitoONUOpiniãoOrganizações Internacionais
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments