Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Cristãos na Palestina ocupada estão sob ameaça, alerta relatório

Igreja de Todas as Nações no Monte das Oliveiras (At-Tur), Jerusalém ocupada, 12 de outubro de 2021 [Mustafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Os residentes cristãos da Palestina ocupada são uma comunidade vulnerável, expostos a violência, expulsão de suas terras e falta de investimentos, revelou um novo estudo intitulado “Defeating Minority Exclusion and Unlocking Potential: Christianity in the Holy Land”.

A pesquisa foi desenvolvida por especialistas da Universidade de Birmingham, em parceria com a Comunidade Internacional do Santo Sepulcro (ICoHS).

Pesquisadores observaram a vasta contribuição para a sociedade civil da comunidade cristã na Palestina, Jordânia e Israel — isto é, nas terras ocupadas durante a Nakba, via limpeza étnica, em 1948 —, incluindo empreendedorismo, educação, saúde e serviços humanitários.

Porém, apreensões substanciais também foram reveladas, sobretudo políticas discriminatórias no território considerado Israel, incluindo um sistema injusto de vistos e falta de benefícios para formação clerical, necessários às igrejas para preservar sua comunidade.

Os cristãos reportam ainda maus tratos frequentes em locais sagrados e sentimento de ameaça por comportamento abusivo das forças israelenses.

A falta de dados adequados sobre as condições de pobreza também prejudica a comunidade em Israel — o governo alega trabalhar para melhorar seus serviços. Evidências e relatos em primeira pessoa, no entanto, sugerem aumento exponencial da miséria entre os cristãos.

“A Cristandade na Terra Santa tem importância global e diplomática por estar no âmago da região”, comentou Francis David, professor da Universidade de Birmingham. “Porém, seu valor econômico, social e cívico para o povo da Terra Santa é massivamente subestimado”.

“Essa contribuição é desproporcional ao tamanho de suas comunidades”, destacou o pesquisador. “Ainda assim, sofrem grave risco de guerra, conflitos étnicos e religiosos, entraves a investimentos estrangeiros e receios de restrições legais e econômicas devido à migração”.

“Seu futuro é mais vulnerável do que precisa ser”, concluiu David.

O relatório apresenta uma série de recomendações, entre as quais: pesquisas sobre a contribuição cultural, econômica e comunitária dos cristãos palestinos; programas de ensino e informação para melhor compreensão e engajamento da comunidade; encontros entre entes religiosos, públicos e civis para explorar formas de reduzir ataques; escrutínio internacional constante; e pressão ao governo israelense para publicar regularmente dados de performance sobre os cidadãos cristãos nas terras sob seu controle.

LEIA: Arcebispo Hanna alerta para queda no número de cristãos no Oriente Médio

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments