Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Turquia deve expulsar embaixadores dos EUA e nove países, alerta Erdogan

Presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan em Istambul, Turquia, 21 de outubro de 2021 [Murat Kula/Agência Anadolu]

O Presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan confirmou neste sábado (23) ter incumbido sua chancelaria a expulsar os embaixadores dos Estados Unidos e outros nove países, por reivindicar a soltura do filantropo Osman Kavala, segundo informações da agência Reuters.

Sete dos embaixadores representam aliados turcos sob a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). As expulsões, caso efetivadas, devem abrir a mais profunda fissura entre as potências ocidentais e Erdogan, em seus 19 anos de poder.

Kavala, investidor em diversos grupos da sociedade civil, foi preso quatro anos atrás, acusado de financiar protestos globais, em 2013, e envolver-se com uma tentativa de golpe, em 2016.

O empresário continua preso ao passo que avança seu julgamento; porém, nega as alegações.

Em nota conjunta divulgada em 18 de outubro, os embaixadores dos Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Dinamarca, França, Holanda, Noruega, Suécia, Finlândia e Nova Zelândia exortaram a “libertação urgente” do proeminente filantropo turco.

Em seguida, todos os embaixadores em questão foram convocados à chancelaria para esclarecimentos. O ministério descreveu o comunicado como “irresponsável”.

“Dei a ordem necessária a nosso chanceler, disse o que fazer — esses dez embaixadores devem ser declarados persona non grata de imediato”, insistiu Erdogan. “Devem conhecer e compreender a Turquia. O dia que não o fizerem, deixarão o país”.

No último ano, Kavala foi absolvido de acusações relacionadas aos protestos de 2013; a decisão, no entanto, foi revogada posteriormente e agregada a tentativa de golpe. Ancara acusa o empresário de filiação com a rede antigoverno Gulen.

LEIA: Turquia desmonta célula de espionagem israelense; prende 15 pessoas

As embaixadas da França e Estados Unidos não comentaram os alertas de Erdogan, até então. Um porta-voz do Departamento de Estado observou, contudo, que seus oficiais buscam esclarecimentos do Ministério de Relações Exteriores da Turquia.

Erdogan afirmou previamente que planeja encontrar-se com o presidente americano Joe Biden durante a cúpula do G20, realizada em Roma, na próxima semana.

Uma fonte diplomática sugeriu que é possível atenuar tensões, devido ao caráter ainda vago da retórica de Ancara, além de uma eventual reaproximação às vésperas do G20 e da cúpula ambiental da ONU, em Glasgow, Escócia, no início de novembro.

“Nenhuma instrução foi dada às embaixadas”, destacou a fonte; entretanto, a decisão pode ser tomada durante a reunião do gabinete turco, nesta segunda-feira (25).

A Noruega alegou também não ter recebido qualquer notificação da Turquia.

“Nosso embaixador não fez nada que mereça expulsão”, reiterou Trude Maaseide, porta-voz da chancelaria em Oslo, ao reiterar que a Turquia tem ciência da perspectiva de seu país.

“Continuaremos a urgir a Turquia a cumprir padrões de democracia e estado de direito, aos quais comprometeu-se sob a Convenção de Direitos Humanos da Europa”, acrescentou.

A chancelaria neozelandesa indicou neste domingo (24) que não comentará o caso até obter informações dos “canais oficiais”, ao enfatizar por e-mail: “A Nova Zelândia valoriza seu relacionamento com a Turquia”.

Categorias
Ásia & AméricasCanadáDinamarcaEstados UnidosEuropa & RússiaHolandaNotíciaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments