Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Azerbaijão limpa mais de 48.000 minas colocadas pela Armênia

Forças militares do Azerbaijão em Zangilan, Azerbaijão, em 8 de novembro de 2020 [Arif Hüdaverdi Yaman/Agência Anadolu]

O Azerbaijão destruiu mais de 48.000 minas e munições não detonadas colocadas pelo exército armênio nas regiões libertadas da ocupação, relatou a Agência Anadolu.

A Agência de Ação contra Minas do Azerbaijão (ANAMA, na sigla em inglês) e a unidade de engenharia das Forças Armadas do Azerbaijão, com o apoio do Ministério de Situações de Emergência, Comando de Serviços de Fronteira e equipes de Remoção de Minas Especiais das Forças Armadas da Turquia, continuam a limpar as minas na região de Karabakh e nas províncias vizinhas.

Desde 10 de novembro de 2020, um total de 18.302 hectares de terra foi varrido por especialistas em desminagem. Até 22.230 munições não detonadas, 17.426 minas antipessoal e 8.755 minas antitanque foram detectadas e destruídas até 15 de outubro de 2021.

Afirmando que os esforços de desminagem continuam incessantemente na região, o Presidente da ANAMA, Vugar Suleymanov, disse à Agência Anadolu que rodovias, ferrovias e áreas de instalações ou assentamentos são uma prioridade nos esforços de remoção de minas.

LEIA: Espionagem de Israel no Azerbaijão está sendo ‘totalmente monitorada’, diz autoridade do Irã

“Trocamos experiências com organizações turcas e expandiremos a cooperação com a Turquia no campo de desminagem”, disse Suleymanov.

As minas terrestres são uma violação grave das normas e dos princípios essenciais do direito internacional humanitário, incluindo as Convenções de Genebra de 1949.

Até 33 cidadãos azerbaijanos, incluindo sete soldados e 26 civis, foram mortos e 139 feridos devido às minas colocadas pela Armênia durante o período de ocupação.

Libertação de Karabakh

As relações entre as ex-repúblicas soviéticas do Azerbaijão e da Armênia têm sido tensas desde 1991, quando os militares armênios ocuparam Nagorno-Karabakh, também conhecido como Alto Karabakh, um território reconhecido internacionalmente como parte do Azerbaijão, e sete regiões adjacentes.

Quando novos confrontos eclodiram em 2 de setembro de 2020, o exército armênio lançou ataques contra civis e forças do Azerbaijão e violou vários acordos de cessar-fogo humanitário.

Durante o conflito de 44 dias, o Azerbaijão libertou várias cidades e quase 300 assentamentos e vilas da ocupação de quase três décadas.

LEIA: As relações entre Israel e Azerbaijão e as apreensões de segurança do Irã

Em 10 de novembro do ano passado, os dois países assinaram um acordo mediado pela Rússia para encerrar os combates e trabalhar em prol de uma resolução abrangente.

Em 11 de janeiro, os líderes da Rússia, Azerbaijão e Armênia assinaram um pacto para desenvolver laços econômicos e infraestrutura para beneficiar toda a região. Incluiu o estabelecimento de um grupo de trabalho trilateral sobre Karabakh.

O cessar-fogo é visto como uma vitória do Azerbaijão e uma derrota para a Armênia, cujas forças armadas retiraram-se em conformidade com o acordo.

Antes dessa vitória, cerca de 20% do território do Azerbaijão estava sob ocupação ilegal há quase 30 anos.

Categorias
ArmêniaÁsia & AméricasAzerbaijãoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments