Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

81% dos tunisianos temem pela democracia em seu país

Protesto contra o Presidente da Tunísia Kais Saied na capital Túnis, 10 de outubro de 2021 [Nacer Talel/Agência Anadolu]

Uma pesquisa de opinião conduzida pelo Serviço de Análise Zogby (ZRS) revelou que 81% dos tunisianos temem pelo futuro da democracia em seu país, após o presidente Kais Saied restringir liberdades sob pretexto de “emergência”, a partir de 25 de julho.

Desde então, Saied congelou o parlamento, destituiu o premiê Hichem Mechichi, revogou a imunidade de ministros, aboliu o órgão que monitorava a constitucionalidade, indicou um promotor público de sua confiança e legislou por decreto.

A pesquisa recente demonstrou que 51% dos tunisianos opõem-se ao que consideram “golpe contra a constituição”, isto é, as medidas presidenciais supracitadas.

Apenas 24% dos entrevistados acreditam que a situação no país melhorou nos últimos cinco anos; a maioria expressou insatisfação com a atual conjuntura.

A fundação ZRS conduziu sua pesquisa entre 15 de agosto e 5 de setembro, com amostra de 1.551 cidadãos adultos. O objetivo era desvelar os sentimentos da população tunisiana sobre as condições de vida, assim como suas expectativas sobre o futuro do país.

LEIA: Manifestantes da Tunísia atacam equipe de TV

Somente 30% dos entrevistados manifestaram esperanças de que suas vidas efetivamente melhorem nos próximos cinco anos, enquanto 33% esperam piora e outros 37% acreditam que a situação continuará mais ou menos a mesma.

Segundo a pesquisa, o maior indicador da insatisfação na Tunísia é o fato de que 71% dos entrevistados alegaram que suas vidas eram mais promissoras antes da revolução de 2011, que destituiu o longevo ditador Zine el-Abidine Ben Ali.

O estado de emergência da Tunísia está sendo usado para restringir as liberdades? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Não obstante, 51% dos entrevistados expressaram repúdio sobre as “medidas excepcionais” de Saied. Ao menos 50% demonstraram grave apreensão sobre as condições democráticas no contexto atual; 31% afirmaram estar “pouco preocupados”.

Segundo 29% dos tunisianos, o presidente Kais Saied é o maior responsável pelas crises em curso no país; outros 45% culpabilizam Rached Ghannouchi, presidente do parlamento e líder do movimento Ennahda, maior partido pós-revolução.

A maioria das forças políticas no país, incluindo o Ennahda, rechaçou as medidas de Saied, ao descrevê-las como golpe de estado. Outros grupos declararam apoio, ao adotar a tese de “correção de curso” para a revolução tunisiana.

A Tunísia permanece, no entanto, assolada pela crise política, econômica e sanitária — esta última ainda concentrada no aumento de casos de covid-19.

LEIA: Presidente da Tunísia ameaça Moncef Marzouki com proibição de viagens

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments