Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Presidente da Tunísia ameaça Moncef Marzouki com proibição de viagens

O ex-presidente da Tunísia Moncef Marzouki dá uma conferência de imprensa em Túnis, Tunísia, em 15 de maio de 2017 [Nacer Talel/Agência Anadolu]

O presidente tunisiano, Kais Saied, lançou ontem um ataque contra seu antecessor e ameaçou retirar seu passaporte diplomático e proibi-lo de viajar.

A Anistia Internacional monitorou a imposição pelas autoridades tunisinas de uma “proibição arbitrária de viagens” a mais de 50 cidadãos desde julho passado.

Saied denunciou alguns políticos no exterior “conspirando” contra a segurança interna e externa do Estado.

Afirmou, na primeira reunião dos membros do novo governo, que se formou na segunda-feira: “A Tunísia é um país livre e independente e não há espaço para interferências nos seus assuntos. Alguns foram ao estrangeiro em busca de ajuda para atacar os interesses tunisinos”.

Ele acrescentou, sem nomear o ex-funcionário a quem se referia: “Digo isso hoje. Aquele que fez isso será privado de seu passaporte diplomático, porque está entre os inimigos da Tunísia”. Acredita-se que Saied esteja fazendo referência às declarações do ex-presidente Moncef Marzouki, que considera a decisão de Saied de suspender o governo em 25 de julho um “golpe” e que descreve Saied como um “ditador”.

LEIA: Ex-presidente da Tunísia diz que erros de Kais Saied podem ser considerados alta traição

Em um discurso em uma manifestação no último sábado em Paris, Marzouki pediu ao “governo francês” que não “apoiasse este regime e este homem (Kais Saied) que está conspirando contra a revolução e buscando abolir a constituição”, segundo um vídeo que ele postou no Facebook.

Saied sublinhou: “Não há espaço para ele obter este privilégio [o passaporte diplomático] enquanto percorre as capitais para prejudicar a Tunísia”, e afirmou: “Não aceitaremos que a nossa soberania seja colocada na mesa das negociações estrangeiras”.

Saied também pediu “ao Ministro da Justiça que abra uma investigação judicial sobre o assunto, porque não há espaço para conspiração contra a segurança interna ou externa do Estado”, e explicou: “Quem conspira contra ele no exterior deve ser acusado de conspirar contra a segurança do Estado”.

Em 25 de julho, o presidente tunisiano Kais Saied citou o artigo 80 da constituição para demitir o primeiro-ministro Hicham Mechichi, congelar o trabalho do parlamento por 30 dias, levantar a imunidade dos ministros e nomear-se chefe do poder executivo até a formação de um novo governo.

Isso aconteceu depois que protestos violentos estouraram em várias cidades tunisianas criticando a forma como o governo lida com a economia e o coronavírus. Os manifestantes pediram a dissolução do parlamento.

A maioria dos partidos políticos do país considerou a medida um “golpe contra a constituição” e as conquistas da revolução de 2011.

Saied nomeou uma primeira-ministra em 29 de setembro e, desde então, um novo governo foi formado.

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments