Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O capitão Cafu é uma lenda repleta de humildade

Abdullah Omar ao lado do Cafu, em Alphaville, São Paulo [arquivo pessoal]

Muitos de nós assistimos as grandes estrelas do futebol na TV jogando  e espalhando sua magia no campo. Poucos os viram diretamente fora do campo, estando apenas a poucos passos de distância deles, encorajando-os com paixão e gritando seus nomes. Raramente um torcedor tem a sorte de encontrar um astro, apertar as suas mãos e conversar – e isso aconteceu comigo por acaso.

Eu visitava uma família simpática que morava no bairro nobre de Alphaville, nos arredores da gigante cidade de São Paulo. Estávamos conversando na varanda de sua casa com vista para várias mansões, quando me perguntaram:

“Você sabe de quem é esta casa?”

Minha resposta foi um não categórico, pediram que eu tentasse adivinhar, “não gosto de adivinhar, diga”, respondi.

“Esta é a casa do ex-capitão da Seleção Brasileira, o Cafu”.

“Você está falando sério?”, perguntei.

“Sim, ele é nosso vizinho há muito tempo, nós conhecemos ele e sua família. Quando ele está aqui, passa pela manhã em frente à nossa casa, nos cumprimenta e conversamos”.

Uma ideia maluca me veio à mente e eu perguntei se poderia visitá-lo para conversar com ele, me responderam que não sabiam se ele estaria em sua casa, mas decidi tentar a sorte.

Reuni tudo o que ficou na minha memória sobre o Cafu, a quem tanto amávamos por seus modos gentis e sua famosa risada que o acompanharam ao longo de sua lendária carreira nos clubes Roma e Milão na Itália e na Seleção Brasileira.  Cafu que considerado um dos melhores da história na sua posição de lateral direito, já participou de quatro Copas do Mundo e três finais consecutivas, tendo vencido duas delas. Fui com passos pesados ​​e grande hesitação, quanto mais me aproximava de sua casa mais hesitante e mais pesado ​​meus passos ficavam. Quando cheguei ao portão principal onde ficava o andar térreo, ouvi muitas risadas altas e então eu vi de vislumbre alguém que estava lá fora, chamei e perguntei: “Posso fazer uma pergunta?” ele disse claro, eu disse a ele: “sou amigo dos seus vizinhos”, e apontei para a casa dos meus amigos, “eu vim de um lugar distante e quando soube que esta era a casa do Cafu disse que tentaria a sorte para conhecê-lo, é possível encontrá-lo?”. Ele disse: “Prazer em conhecê-lo, sou irmão do Cafu, vou entrar e avisá-lo”. Ele entrou em casa e me deixou confuso e hesitante, fiquei ansioso pensando o que faria se ele recusasse ou se ele aceitasse. Não esperei muito, eu o vi vindo em minha direção e ele me disse que eu poderia entrar e conhecê-lo, fiquei chocado por um momento e não acreditei que iria encontrar uma lenda e uma estrela que sempre jogou e alcançou glórias nos campos de futebol, eu não conseguia acreditar que passaria um tempo em sua casa. Eu fui me aproximando aos poucos, com a mente muito confusa, “o que devo dizer a ele? Como vou começar a falar?”, pensava.

Abdullah Omar com Cafu [Arquivo pessoal]

LEIA: Copa América no Brasil foi tiro pela culatra e futebol finalmente homenageia Messi

Eu entrei e havia um grupo de profissionais da mídia e fotógrafos fazendo uma entrevista para a TV, ele me recebeu com uma grande ovação e sua risada costumeira que vimos na tela ao longo de sua carreira no futebol, eu o cumprimentei e a primeira coisa que saiu da minha boca foi dizer: “Nunca pensei que eu fosse mais alto que você”, ele sorriu muito, eu me apresentei e expliquei meu propósito em conhecê-lo, conversamos sobre o futebol e sua carreira lendária e aquele famoso momento quando ele ergueu a bola várias vezes acima do “Pavel Nedvěd” e sua sensação de erguer a Copa do Mundo como capitão da Seleção Brasileira, trocamos algumas piadas e depois tirei algumas fotos com ele, agradeci muito e desejei para ele e sua família o melhor sempre, ele me desejou uma boa estada no Brasil e eu saí sem acreditar no que aconteceu, sai repetindo para mim mesmo que “humildade” é a coisa mais importante do futebol.

Esperamos que nossa região árabe e nosso sistema esportivo se beneficiem deste astro brilhante e de sua grande experiência no mundo do futebol, especialmente porque ele foi nomeado pelo Comitê Organizador da Copa do Mundo no Catar como seu embaixador global para promover seus programas. Sem dúvida, ingressar Cafu ajudará a apoiar os esforços que visam causar um impacto significativo nas finais da Copa do Mundo, que será realizada pela primeira vez em nossa região árabe.

Esta é uma lição para as gerações mais novas, aqueles que sonham em se tornar estrelas no futuro, principalmente na nossa região árabe, uma lição que todos deveriam aprender: “Não importa o quão alto você chegue e o quão longe você chegue nesta vida, você deve permanecer humilde, quanto mais humilde você for, mais respeito e amor você terá entre as pessoas”.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
América LatinaArtigoÁsia & AméricasBrasilCatarOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments