Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Adeus a Abdul Hamid Al-Qudah

O médico, cientista, escritor e professor Abdel Hamid Al-Qudah [Arquivo de família]

Morreu Abdel Hamid Al-Qudah, um cientista renomado no diagnóstico de doenças bacterianas e um especialista em AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis. Deixou um vazio para seus entes queridos que ninguém poderia preencher. Abdul Hamid ( 1 ° de janeiro de 1946 a 29 de setembro de 2021) nasceu em Ajloun, Jordânia.

O médico, cientista, escritor e professor Abdel Hamid Al-Qudah junto com dirigentes do Hamas [Arquivo de família]

Fiquei muito triste ao ouvir a notícia de sua morte, pois o mundo islâmico perdeu um dos mais ativos influenciadores sobre a juventude. Os jovens estão entre as vítimas dessas doenças que matam milhões anualmente, e ele tem centenas de boletins e dezenas de livros neste campo.

Todos os que trabalharam de perto com ele testemunharam sua grande generosidade e ajuda a órfãos, viúvas e proponentes de projetos de defesa de direitos, chegando a doar uma de suas casas para ser um centro de ensinamentos do Alcorão.

Sempre muito gentil, com um sorriso compassivo no rosto e cercado por uma aura de luz, ele recomendou à sua família, antes de sua morte, mandamentos escritos em “tinta dourada’. Sobre isto, seu filho Muhammad escreveu:

  • Meu pai escreveu antes de sua morte até o Boletim 600, e a família continuará a enviá-lo a quem quiserem receber, se Deus quiser, como uma instituição de caridade contínua em nome de sua alma, que Deus tenha misericórdia dele. Para quem deseja receber o boletim, por favor, envie uma mensagem pelo aplicativo WhatsApp para o número 00962792365542 e será acionado diretamente.
  • Meu pai foi um modelo para nós, não apenas em palavras. O momento da última operação, na manhã de segunda-feira (20/9), era o horário para o envio do boletim “Vacona” número 154. O pai o havia preparado, e faltava apenas publicá-lo, mas a data da operação se aproximou. Então o pai pediu que o envio fosse adiado para depois da operação. Quando ele acordou e soube do resultado, ele me disse o seguinte: “Adiamos a publicação deste boletim até que Deus cumpra sua ordem. Quando você voltar para casa, encontrará no arquivo do boletim que preparei até o Boletim 600, e recomendo que você continue a enviá-lo regularmente do mesmo número de onde eu o envio. Talvez Deus me escreva. ”Há uma recompensa se alguém se beneficiar com isso.”
  • Aconselho meus filhos e filhas a preservarem a alegria de sua mãe amorosa e devotada … que se dedicou aos filhos e ao marido, e nem todos cumpriremos seus direitos, não importa o que façamos por ela… Peço que orem e façam caridade por mim e por ela, esperando do Todo-Poderoso que nós e você estejamos com ela no Paraíso ”.

Essas orientações só podem ser entendidas pelo o médico costumava afirmar: que a ciência exige fé e que, enquanto uma pessoa estiver conectada a um projeto vital que sirva ao povo e se concentrar em seus problemas, o resultado será uma bênção e misericórdia, e se poderá morrer em paz.

Abd al-Hamid partiu sem deixar nenhum inimigo, o que fez dele um amigo em todos os lugares por seu caráter e bondade. Era humilde e não desprezava ninguém e não subestimava nenhuma opinião ou ideia.

Conta-se que houve uma campanha para arrecadar doações para algo e que os participantes doaram o que puderam. E quando os valores foram arrecadados, Abdul Hamid Al-Qudah anunciou a doação do equivalente às de todos os participantes.

Uma rápida revisão dos arquivos da imprensa árabe e até mesmo da Jordânia mostra que o Dr. Abdul Hamid não é mencionado como um erudito ou um símbolo árabe islâmico, exceto de maneira tímida e rápida. A negligência oficial da Jordânia em relação a este assunto é muito lamentável. Abdul Hamid formou-se na Universidade de Karachi no Paquistão em 1970, fez um mestrado na mesma universidade em 1978 e um doutorado em doenças bacterianas e sorologia em 1982 na Universidade de Manchester na Grã-Bretanha, com distinção, mérito e excelência. É creditado oficialmente por duas patentes no diagnóstico de doenças sexualmente transmissíveis

O médico deixou um enorme legado de centenas de artigos de pesquisa e dezenas de livros em árabe e inglês e viajou pelo mundo árabe e ocidental para divulgar as doenças transmissíveis e preservar a vida da juventude.

LEIA: Fatos Fundamentais, um pequeno guia para entender a questão palestina

Embora em condições de enriquecer ou ocupar ministérios, não se envolveu nesses caminhos Seu interesse foi o de proteger os jovens e preservá-los pela nobreza de seus sentimentos e ideias. Ele morreu e sua bússola está clara para mim, sem desvios. Foi um feroz defensor da Palestina e não recuou, por posições, dinheiro ou as restrições oficiais que sofreu.

Um jordaniano de nascimento e criação, ele era um palestino com paixão, pensamento e fala. Não poupou esforços para defender a terra sagrada e apoiar o povo palestino em resistência, por Jerusalém e a Palestina.

Abdul Hamid deixou um forte legado ao ministrar 879 cursos e treinar 431 monitores, assistir a mais de 40.000 palestras internacionais, escrever 38 livros para servir a seu projeto e imprimir e distribuir mais de um milhão e meio de livros sobre a educação de jovens sobre doenças sexualmente transmissíveis, virais e bacterianas.

Encontrei-me várias vezes com o Dr. Abdel Hamid. O médico convidou-nos um dia para a sua casa,a mim e alguns amigos, e não éramos mais do que cinco. Fiquei espantado com a força do seu respeito pelos seus convidados, sendo mais velho do que nós em mais de quatro décadas. Não me esqueço de como ele se preocupou com os detalhes da hospitalidade e nos deu algumas lembranças que ainda me acompanham até hoje.

O falecido pertencia à primeira geração da Irmandade Muçulmana na Jordânia e ocupou o cargo de Superintendente Adjunto da Irmandade de 1998 a 2002 e um dos fundadores do partido Frente de Ação Islâmica.

Ele ocupou muitos cargos organizacionais no grupo e teve um papel proeminente no trabalho islâmico na Jordânia, em particular.

Será impossível fazer justiça ao cientista Abdul Hamid Al-Qudah neste breve texto, então conto com todos, principalmente os jovens, para compartilhar suas memórias, pesquisas e livros nas redes sociais. Certamente mudou a vida de muitas pessoas por melhor, e é importante não esquecer. Abdul Hamid Al-Qudah (1946-2021): Inna lillahi wa inna ilayhi raji’un — Indeed, we belong to God, and to Him is our return.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoJordâniaOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments