Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O primeiro presidente do Irã após a Revolução Islâmica falece aos 88 anos

Retrato tirado em 1º de agosto de 1981 do primeiro presidente do Irã, Abolhassan Banisadr, em Auvers-sur-Oise, França [AFP via Getty Images]
Retrato tirado em 1º de agosto de 1981 do primeiro presidente do Irã, Abolhassan Banisadr, em Auvers-sur-Oise, França [AFP via Getty Images]

O primeiro presidente do Irã após a Revolução Islâmica de 1979, Abolhassan Banisadr, morreu ontem aos 88 anos, segundo a mídia estatal.

O ex-estadista morreu na capital francesa, Paris, no hospital Salpêtrière “depois de uma longa batalha contra a doença”, tendo vivido lá por décadas desde que fugiu para o exílio. Ele sofreu impeachment apenas 16 meses após assumir o cargo por desafiar o crescente poder do estabelecimento clerical quando a república se tornou uma teocracia.

Nascido em 1933 na província de Hamedan, no oeste do Irã, o pai de Banisadr era um aiatolá e amigo do fundador da República Islâmica e primeiro líder supremo aiatolá Ruhollah Khomeini. Banisadr disse ter trabalhado próximo a Khomeini durante seu exílio na França, antes de retornar a Teerã no desenrolar da revolução.

LEIA: Espionagem de Israel no Azerbaijão está sendo ‘totalmente monitorada’, diz autoridade do Irã

No entanto, seu relacionamento com Khomeini se deteriorou e ele acabou sendo demitido do parlamento em 1981 com a aprovação do líder supremo devido à “incompetência política”. De acordo com a AP, Banisadr disse mais tarde sobre Khomeini: “Eu era como uma criança vendo meu pai se transformar lentamente em um alcoólatra”. “A droga desta vez era o poder”, disse ele.

Ele também criticou o Líder Supremo, dizendo que ele “tem grande responsabilidade pelo terrível desastre que se abateu sobre o país”.

Banisadr embarcou em um Boeing 707 da Força Aérea iraniana e fugiu para a França com Massoud Rajavi, o líder do grupo marxista-islâmico Mujahedeen-e-Khalq (MEK), designado como grupo terrorista pelo governo iraniano. Com o bigode que é sua marca registrada raspado, a mídia iraniana alegou que ele escapou vestido de mulher.

Enquanto uma declaração da família descreveu Banisadr como alguém que “defendia as liberdades”, uma declaração do judiciário iraniano o condenou como estando “sob a sombra da inteligência francesa e ocidental” que “não perdeu o ritmo para difamar o povo e o sistema do República Islâmica”.

LEIA: Azerbaijão fecha mesquita e escritório de representante do Khamenei, líder do Irã

Categorias
IrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments