Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Crise do Líbano leva os serviços de saúde mental ao limite

Moradores fazem fila do lado de fora de um posto de distribuição de gás para encher cilindros de gás em Beirute, Líbano, em 24 de agosto de 2021 [Hasan Shaaban/Bloomberg/Getty Images]

O psicólogo libanês Bernard Sousse começou a oferecer sessões de terapia online quando os pacientes disseram que o aumento dos preços dos combustíveis significava que eles não podiam mais dirigir para vê-lo – mas, então, os cortes de energia começaram.

Cinco minutos após o início de uma sessão virtual, o gerador de backup no prédio de Sousse estalou, mergulhando-o na escuridão e interrompendo o atendimento no meio do fluxo.

O colapso econômico do Líbano, a covid-19 e uma grande explosão em Beirute no ano passado afetaram fortemente a saúde mental das pessoas – aumentando a pressão sobre os serviços de apoio que estão lutando para operar normalmente devido aos vários problemas do país.

“É preciso esperar a eletricidade voltar e, enquanto isso, compensar com algumas mensagens no WhatsApp para encerrar a sessão”, disse Sousse.

“É extremamente perturbador e torna as sessões menos eficazes em momentos de extrema necessidade.”

LEIA: Investigação do porto de Beirute é suspensa após a imparcialidade do juiz ser questionada

“Muitos libaneses estão lutando contra a depressão e o esgotamento, mas para muitas pessoas a terapia está fora de alcance, porque sua renda encolhe”, disse Sousse à Thomson Reuters Foundation.

A lira libanesa perdeu mais de 90% de seu valor em relação ao dólar americano e a inflação aumentou os preços em todas as áreas, com uma sessão de terapia agora três vezes mais cara na moeda local.

Além da escassez aguda de combustível e dos cortes regulares de energia, a maioria dos medicamentos psiquiátricos – de antidepressivos a tratamentos para o transtorno bipolar – não estão disponíveis nas farmácias desde março.

Pedidos aflitos

Os provedores de saúde mental se adaptaram da melhor maneira possível, recorrendo à tecnologia ou a fontes de energia renováveis.

“Quando a escassez de diesel forçou a única linha de ajuda ao suicídio do Líbano a limitar suas horas, as operadoras garantiram fundos para painéis solares para garantir que apagões repentinos não cortassem as chamadas angustiadas”, disse Rabih Chammai, chefe do Programa Nacional de Saúde Mental, um organismo patrocinado pelo estado.

“Também estamos lançando um aplicativo chamado Step by Step – é um programa de autoajuda guiado para ajudar pessoas com depressão – que é oportuno com o coronavírus, a falta de combustível e a crise econômica”, disse Chammai.

O Líbano caminha para um colapso total [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

As páginas do Instagram, incluindo @medonations e @medsforlebanon, coordenam esforços para trazer medicamentos indisponíveis para o Líbano e apresentam regularmente solicitações de antidepressivos e medicamentos usados para tratar a ansiedade.

Novas iniciativas que oferecem sessões de terapia online gratuitas ou baratas surgiram à medida que ONGs mais estabelecidas lutam para atender ao aumento da demanda.

LEIA: Presidente do Líbano reúne-se com equipe de negociação sobre fronteiras marítimas

‘Be Brave Beirut’, uma organização de base criada após a explosão de agosto de 2020, oferece terapia gratuita com psicólogos certificados, bem como sessões mais informais com uma rede crescente de voluntários de apoio emocional em todo o mundo.

Eles podem ser contatados no LinkedIn ou Instagram; as sessões acontecem no WhatsApp – às vezes até por mensagens de texto – e os treinadores realizam webinars online para treinar voluntários em primeiros socorros psicológicos e outros métodos.

O cofundador, Bana Itani, disse que a estrutura informal significava que voluntários e beneficiários poderiam se adaptar aos cortes de energia – “mas se houver um blecaute na Internet, sim, é claro que teremos sérios problemas”, disse ela.

Algumas partes do Líbano enfrentaram interrupções intermitentes de internet porque as torres de transmissão não têm combustível para operar, disse o provedor de internet estatal do país, Ogero.

Start-ups e stop-gaps

Outra iniciativa da comunidade – ‘Lebanon For You’ – disse que foi inundada com pedidos de sessões de terapia gratuitas.

“As pessoas costumavam entrar em contato conosco apenas por mensagens diretas. Agora, muitas pessoas me contatam via WhatsApp, mesmo às 23h, precisando de sessões de terapia. Eles ligam, usam LinkedIn, Facebook – não vimos esse tipo de divulgação antes”, disse o cofundador, Ghida Allam.

Contudo, à medida que as necessidades aumentam, as capacidades estão diminuindo: pelo menos 13 dos 40 psicólogos de sua rede emigraram e outros tiraram uma folga para lidar com seu próprio esgotamento.

LEIA: Segundo navio iraniano carregado de combustível para o Líbano atraca na Síria

Chammai disse que tais iniciativas seriam apenas um paliativo enquanto as causas subjacentes da crise de saúde mental no Líbano persistirem.

“Se você tem uma calçada quebrada e as pessoas quebram as pernas o tempo todo andando nela, você pergunta se deve tratar as pessoas ou consertar a calçada? Não, você faz os dois”, disse ele.

“Para os exaustos cuidadores de saúde mental do país, no entanto, o foco é a sobrevivência diária”, disse Pia Zeinoun, vice-presidente da Embrace, que dirige a linha de apoio ao suicídio e um centro de saúde mental.

“Trabalhamos durante anos para remover as barreiras ao tratamento: a barreira do estigma ao aumentar a conscientização; a barreira do dinheiro ao oferecer serviços gratuitos; a barreira da distância ao entrar na Internet”, disse Zeinoun.

“Mas as barreiras da nação continuam se acumulando – sobre as pessoas e sobre nós.”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoLíbanoOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Show Comments