Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O que o debate sobre a Cúpula de Ferro diz sobre a política americana?

Bateria do sistema de defesa Cúpula de Ferro, projetado para interceptar e destruir foguetes e cartuchos de artilharia de curto alcance, no Vale de Hula, no norte de Israel, perto da fronteira com o Líbano, em 5 de agosto de 2021. [JALAAA MAREY/AFP via Getty Images]

Houve um tempo em que os pedidos de Israel de ajuda norte-americana, militar ou não, foram concedidos espontaneamente e sem reservas. Esse não é mais o caso. Enquanto os membros majoritários da Câmara dos Deputados e do Senado permanecem firmemente comprometidos com a segurança de Israel, um número crescente está contrariando a tendência. O recente pedido de Tel Aviv de US$ 1 bilhão em fundos de emergência para reabastecer seu sistema de defesa da Cúpula de Ferro (Iron Dome) ilustrou isso claramente.

Embora o projeto de lei tenha sido aprovado esmagadoramente na Câmara dos Deputados, isto só foi possível depois que alguns membros democratas conseguiram retirá-lo de um projeto de lei de gastos de interrupção e passar para o projeto de lei anual de defesa, que tem que ser assinado pelo Senado.

A arrogância anterior que se seguiu à votação da Câmara foi anulada esta semana quando o senador republicano Rand Paul bloqueou um esforço do Senado para acelerar o financiamento de emergência a Israel. Consequentemente, este desenvolvimento iniciou um debate entre o lobby pró-Israel nos EUA, bem como em Israel propriamente dito.

No centro do debate está uma percepção crescente de que Israel está gradualmente perdendo seu tradicional apoio bipartidário no Congresso. Mesmo que a mudança não seja de forma alguma sísmica, ela é, no entanto, suficiente para causar preocupação.

Por que esta pequena minoria de oito legisladores democratas votou contra o projeto de lei? Eles foram persuadidos por considerações ideológicas? Ou foram impulsionados pela necessidade de manter o apoio de seus eleitores? E quais são os cenários possíveis se mais legisladores se juntarem às fileiras desses chamados dissidentes radicais?

LEIA: Israel quer terminar com suas guerras eternas em Gaza?

Como representantes eleitos de suas comunidades, a posição atual deste pequeno grupo não é diferente daquela em que se encontrava o presidente Harry Truman em novembro de 1945. Quando instado por diplomatas americanos no Oriente Médio a não atenderem aos pedidos sionistas, ele explicou sua famosa motivação: “Sinto muito, senhores, mas tenho que responder a centenas de milhares que estão ansiosos pelo sucesso do sionismo; não tenho centenas de milhares de árabes entre os meus constituintes”.

Hoje, a situação mudou consideravelmente, na medida em que muitos legisladores não podem ignorar seus constituintes árabes ou seus partidários, especialmente na questão da Palestina.

Da mesma forma, eles não podem demonstrar qualquer imprudência ou indiferença em relação a questões de transparência e responsabilidade pelo uso do dinheiro dos contribuintes americanos. A congressista democrata Ilhan Omar demonstrou isso em um tweet no dia 23 de setembro: “Esta votação não se trata simplesmente de financiar a Cúpula de Ferro. Trata-se de acrescentar mais um bilhão de dólares além dos 73 milhões de dólares que já alocamos este ano. Isso é 14 vezes mais do que normalmente gastamos com ele e 60% do que fornecemos para ele ao longo de uma década”.

Portanto, uma pergunta permanece: por que os contribuintes americanos deveriam financiar a compra de mísseis para a Cúpula de Ferro de Israel de qualquer maneira?

Politicamente, a justificativa não mudou em décadas: que Israel é o único Estado democrático em uma vizinhança difícil na qual enfrenta ameaças existenciais. E, como um aliado, merece apoio ilimitado dos EUA. Assim, desde 1948, o Serviço de Pesquisa do Congresso estimou que os EUA haviam fornecido a Israel 146 bilhões de dólares em ajuda militar e econômica.

Por mais inconcebível que possa parecer, o fato é que os desejos de “segurança de Israel” sempre foram considerados primordiais, mesmo acima das necessidades americanas. É por isso que, tão recentemente quanto dezembro de 2020, um em cada quatro – 81 milhões de americanos – estava passando por uma situação de insegurança alimentar. Ao mesmo tempo, Israel, que tem um PIB per capita de 47 mil dólares (superior ao da Grã-Bretanha, França, Itália e Japão), recebia anualmente 3,8 bilhões de dólares em ajuda americana.

LEIA: A diplomacia brasileira na ONU e a questão palestina

Certamente não há outra maneira de descrever esta grotesca realidade que não seja uma injustiça. Não é de se admirar, portanto, que a maioria dos congressistas que pedem um maior escrutínio da ajuda dos EUA a Israel sejam das próprias comunidades afro-americanas e latinas.

Durante toda a pandemia da Covid-19, as famílias afro-americanas e latinas passaram fome a taxas significativamente mais altas do que suas congêneres brancas. No caso da primeira, foi entre 19 e 29 por cento em comparação com sete a 14 por cento entre os brancos. É claro que não tem que ser assim; mas de acordo com a professora Molly Anderson do Middlebury College em Vermont: “A prevalência da fome nos EUA é uma escolha política”.

A controvérsia sobre a proposta de Israel de US$ 1 bilhão em fundos de emergência para reabastecer seu sistema de defesa Cúpula de Ferro vai continuar por pouco tempo, mas, em última análise, será concedida. A longo prazo, no entanto, alguma coisa terá que ser cedida.

Na era do Black Lives Matter (BLM) e do Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), os políticos americanos não terão outra escolha senão defender as preocupações e necessidades de seus eleitores. Eles terão que decidir de uma vez por todas o que vem primeiro: servir as necessidades do povo americano ou favorecer as fantasias de um país estrangeiro.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasComentário e análiseEstados UnidosIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments