Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sheik de Dubai ordenou hackeamento do telefone da ex-mulher, conclui corte britânica

O governante de Dubai, o xeque Mohammed Bin Rashid Al-Maktoum, ordenou o hackeamento dos telefones de sua ex-mulher e de seus advogados

O governante de Dubai, o xeque Mohammed Bin Rashid Al-Maktoum, ordenou o hackeamento dos telefones de sua ex-mulher e de seus advogados, em uma “campanha sustentada de intimidação e ameaça”, concluiu ontem a Suprema Corte do Reino Unido.

Foram alvos a ex-esposa, a princesa Haya Bint Al-Hussein, e seus advogados, vigiados pelo o spyware Pegasus desenvolvido pela empresa israelense de segurança cibernética NSO Group.

Esse spyware tornou-se motivo de escândalo em julho, quando o Citizen Lab, observatório da Internet da Universidade de Toronto, expôs o uso indevido do software por governos clientes da empresa que hackearam cerca de 50.000 telefones e dispositivos pertencentes a funcionários, jornalistas, ativistas de direitos humanos e críticos políticos em todo o mundo.

LEIA: Experts da ONU exigem soltura de filha do governante de Dubai

De acordo com a Reuters, a conclusão do tribunal de que Haya estava entre os alvos foi resultado de informações fornecidas por um especialista cibernético do Citizen Lab. A advogada de Haya, Fiona Shackleton, também teria sido informada sobre os hackeamentos em agosto do ano passado por Cherie Blair – esposa do ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair – uma advogada proeminente e consultora externa do Grupo NSO.

Desde que Haya fugiu dos Emirados Árabes Unidos em 2019, após descobrir que o governante de Dubai havia se divorciado dela, a princesa e Al-Maktoum se envolveram em uma longa e amarga batalha pela custódia. Essa disputa no Supremo Tribunal do Reino Unido ganhou mais atenção com a notícia de que o governante de Dubai teria sequestrado duas de suas filhas – de outro casamento – e as prendido contra a vontade.

O tribunal disse que, além do hacking, Al-Maktoum ordenou que seus agentes comprassem a mansão ao lado da propriedade de Haya, perto de Londres, levando a princesa a se sentir intimidada, caçada, insegura e como se “não pudesse mais respirar”. A compra não foi concluída.

Sobre o caso, a princesa declarou: “Eu não sinto que posso seguir em frente livremente como as coisas estão agora, enquanto estou e me sinto caçada o tempo todo, e sou forçada a olhar por cima do ombro a cada momento do dia . ”

O juiz Andrew McFarlane, presidente da Divisão da Família na Inglaterra e País de Gales, afirmou que as conclusões do tribunal “representam um abuso total de confiança e, na verdade, um abuso de poder em uma extensão significativa.”

O xeque Al-Maktoum rejeitou as conclusões do tribunal e condenou-as como aparentemente baseadas em uma imagem incompleta dos eventos. Em nota, ele insistiu: “Sempre neguei as acusações feitas contra mim e continuo a negar”. Ele acrescentou que “as conclusões foram baseadas em evidências que não foram reveladas a mim ou aos meus conselheiros. Portanto, mantenho que foram feitas de uma maneira injusta”.

LEIA: Mulheres sofrem risco de extorsão devido a spyware de Israel

Categorias
Emirados Árabes UnidosEuropa & RússiaJordâniaNotíciaOriente MédioReino UnidoVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments